supereu em Freud

O que é Supereu? Significado em Psicanálise

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

Você sabe o que significa supereu? Caso ainda não saiba, confira esse artigo que preparamos para você! Além disso, conheça algumas características dos outros sistemas de personalidade e veja como eles se relacionam. Então, leia agora mesmo!

O que é supereu?

Supereu ou superego é um termo criado pelo psicanalista austríaco Sigmund Freud (1856 – 1939). Para Freud, o significado de supereu ou superego é ser aquele responsável pelo julgamento de nossas ações e pensamentos.

O supereu é um dos sistemas de personalidades presente em nossa mente. Origina na pessoa a consciência e os sentimentos de vergonha e culpa, assim como armazena as exigências morais e culturais de nossa sociedade.

Outra característica do supereu na psicanálise é conter a voz interiorizada de nossos pais, ou seja, as proibições, os limites e a autoridade por eles imposta. É uma estrutura que está sempre nos dizendo o que fazer baseado em preceitos morais e ideais.

Teoria sobre a Estrutura do Aparelho Psíquico

Em 1900, Freud publica o livro A interpretação dos sonhos. Nesta obra, pela primeira vez é apresentada a Teoria sobre a Estrutura do Aparelho Psíquico. Nessa teoria existem três sistemas: o inconsciente, o pré-consciente e o consciente.

No inconsciente há diversos elementos que não estão presentes no espaço atual da consciência. Isso ocorre porque estes elementos foram reprimidos ou censurados, seja de forma voluntária ou involuntária.

O pré-consciente se refere a elementos que são facilmente acessáveis pela consciência, contudo não estão presentes no atual momento de consciência. Por fim, o consciente é o momento atual, o agora, o qual recebe informações externas e internas.

Segunda Teoria sobre a Estrutura do Aparelho Psíquico

Entre 1920 e 1923, Freud apresenta a Segunda Teoria sobre a Estrutura do Aparelho Psíquico. Nessa temos: o id, o ego e o supereu ou superego. O supereu junto com o id e o ego formam os sistemas de personalidade.

O id é imediatista, pois é regido pelo princípio do prazer. Armazena a energia psíquica na qual se encontram as pulsões de vida (Eros) e a de morte (Tanatos). A pulsão de vida conduz nosso comportamento. Já a pulsão de morte é autodestrutiva.

O ego é responsável por manter o equilíbrio entre as reivindicações do id e as normas do supereu. É regido pelo princípio da realidade e por isso busca maneiras saudáveis de ajudar o id a satisfazer suas vontades. Porém, não deixando de lado os ideais do supereu.

Relação entre as Teorias sobre a Estrutura do Aparelho Psíquico

Com visto antes, na primeira Teoria sobre a Estrutura do Aparelho Psíquico há o consciente, o pré-consciente e inconsciente. Esses elementos têm uma relação dinâmica com o id, o ego e o supereu ou superego da segunda teoria.

Os conceitos da primeira teoria podem ser vistos como um iceberg. O inconsciente está totalmente submerso, o pré-consciente está sob a água, próximo à superfície. E o consciente está totalmente à vista, exposto.

Assim, ao compararmos com a segunda teoria, temos o id como inconsciente. Já o ego e o superego possuem elementos do consciente, do pré-consciente e do inconsciente, configurando uma relação dinâmica. Essa relação vai se alternando de acordo com as situações vivenciadas.

Leia Também:  Quando o amor acaba: como acontece, o que fazer?

As fases do desenvolvimento psicossexual

De acordo com outra teoria de Freud, o amadurecimento físico e mental da pessoa acompanha fases do desenvolvimento psicossexual. Essas fases se dividem em cinco estágios:

  • oral;
  • anal;
  • fálica;
  • latência;
  • e, por fim, genital.

Durante a infância, a função sexual está relacionada à sobrevivência. Ao longo dos anos, cada fase recai em uma zona de erotização, tais quais boca, ânus e os órgãos sexuais. Em cada uma destas há a busca de se saciar um desejo, como a alimentação e a evacuação.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Somente na fase genital, ou seja, após a puberdade, esses desejos não se relacionam com uma necessidade fisiológica exclusiva da pessoa. Mas compartilhada com outro a fim de se reproduzir e obter prazer.

    Complexo de Édipo e a relação com o supereu em Freud

    Na fase fálica do desenvolvimento psicossexual, entre os 3 e 5 anos, ocorre o evento conhecido como complexo de Édipo. Este evento dá a base para a personalidade da pessoa.

    Durante o complexo de Édipo, o menino deseja a mãe e a menina deseja o pai, assim, o menino vê o pai como um rival e a menina vê a mãe como uma rival. Não haverá uma solução para este entrave, logo, esses sentimentos vão para o inconsciente.

    Essa é uma das primeiras funções do superego: reprimir o complexo de Édipo. Ele ordena à pessoa que não pode se comportar daquela forma. Portanto, é nesse momento que o supereu se origina.

    Após o complexo de Édipo: a latência

    Após o evento do complexo de Édipo, há a próxima fase do desenvolvimento psicossexual chamada de latência. Ela ocorre dos 5 aos 12 anos de idade, ou seja, termina com o início da puberdade.

    Nela, o ego forma as noções de moralidade e o sentimento de vergonha e repulsa. Além disso, é nesta fase em que os desejos sexuais não realizados durante a fase fálica são reprimidos pelo supereu.

    Nessa fase, a criança também passa a entender que não realizar alguns desejos pessoais é importante para ser aceita pelo grupo. É o momento em que passa a socializar e a valorizar o ato dividir seus pertences com as outras pessoas.

    Outras características do supereu

    O superego age de forma independente dos outros sistemas de personalidade, pois ele está acima das pressões do id e do ego por satisfação. Isso o coloca em uma posição de auto-observação, porque o superego está em constante vigilância a respeito dos desejos e atos do id e do ego.

    O supereu de uma pessoa é espelhado naquele de quem o criou. Logo, é composto por julgamentos, valores e tradições transmitido ao longo das gerações familiares. Assim como está fundamentado em normas sociais e culturais que estão em volta da pessoa.

    O supereu ou superego também abarca nossos ideais, gerando sentimentos de orgulho e amor-próprio. Contudo, o superego pode agir de forma a trazer à tona sentimento de culpa se agimos contra a nossa moral e os nossos ideais.

    Considerações finais

    Sabermos as características do supereu ou superego é importante para desenvolver o nosso autoconhecimento. Para estar em equilíbrio é necessário saber dosar as vontades do id, lidar com o ego e fazer uma auto-observação por meio do superego.

    Para aprofundar seus conhecimentos acerca do supereu, assim como de outras teorias freudianas, faça nosso curso online de Psicanálise. Assim, você poderá aprender mais sobre as características de cada componente dos sistemas de personalidade e entender mais sobre si próprio. Se inscreva agora mesmo! Não perca tempo!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    5 × cinco =