Transtorno de personalidade limítrofe

Transtorno de personalidade limítrofe: definição e sintomas

Posted on Posted in Comportamento, Conceitos e Significados, Psicanálise, Transtornos e Doenças

Você já ouviu falar sobre o transtorno de personalidade limítrofe? Caso nunca tenha ouvido esse termo, provavelmente já conhece o problema pelo seu nome mais popular: Transtorno de Personalidade Borderline. 

Com frequência razoável, na televisão encontramos casos de personalidades que lutam para lidar com o problema, como a ex-Fazendeira Raissa Barbosa e o comediante norte-americano Pete Davidson.

Neste artigo, exploramos o mundo das pessoas com borderline com o intuito de conscientizar sobre a importância de entender a fundo como o problema ataca a saúde física de quem lida com o problema. Ademais, buscamos falar um pouco mais sobre as possibilidades de tratamento. Confira!

O que é transtorno de personalidade limítrofe?

O transtorno de personalidade limítrofe ou borderline se define principalmente a partir de observações a respeito do comportamento das pessoas. Isso se deve ao fato de o problema ter a natureza de um transtorno.

Explicamos melhor: dá-se o nome de transtorno a uma variedade de condições que afetam o humor, o raciocínio e o comportamento de alguém. Logo, é a junção de sintomas observados que leva ao diagnóstico de um indivíduo com borderline.

Nesse contexto, o diagnóstico do transtorno se dá a uma pessoa que:

  • é hipersensível à rejeição e ao abandono,
  • não quer ser deixada sozinha,
  • possui uma relação instável com sua autoimagem,
  • apresenta comportamentos suicidas,
  • possui humor e relacionamentos instáveis.

Em linhas gerais, estamos falando de uma pessoa que não gosta de ficar sozinha de maneira alguma. Além disso, na ausência de outros indivíduos, para lidar com a própria solidão ou evitá-la, recorre a ações autodestrutivas. 

Um exemplo comum é o da pessoa que tenta o suicídio para chamar a atenção de familiares, amigos e parceiros românticos. Dessa forma, a atenção desses indivíduos se volta para a solução da angústia de quem está sofrendo.

A importância do respeito e da conscientização sobre os transtornos e distúrbios que afetam a saúde mental

Nesse contexto em que passamos um panorama geral sobre o que é o transtorno borderline, é importante destacar a importância da conscientização de como esses distúrbios afetam a saúde mental de alguém.

Olhando os sintomas e a descrição do problema sem a sensibilidade necessária, parece que estamos diante de uma pessoa mimada que quer chamar a atenção. Porém, essa não é a leitura correta da realidade.

A pessoa que convive com o transtorno em questão está doente. Logo, precisa de um bom tratamento, compreensão e o apoio de quem convive com ela.

E o significado de personalidade limítrofe, qual é?

Borderline e limítrofe são palavras que fazem referência à mesma coisa, porém em línguas diferentes. O termo limítrofe, no português, diz respeito ao que está sempre “no limite” ou “na fronteira” de algo. Borderline é o nome em inglês para o mesmo conceito.

Nesse contexto, estamos falando de uma pessoa que sofre com um transtorno que sempre a deixa no limite das emoções, sempre correndo o risco de lidar com o que está sentindo de maneira trágica e prejudicial a si mesma.

Assim sendo, temos que um indivíduo com o transtorno de personalidade limítrofe é um indivíduo com uma disfunção de lidar com as próprias emoções e controlar o comportamento.

Quais são os sintomas de transtorno de personalidade limítrofe?

Mais acima citamos brevemente alguns dos sintomas de quem apresenta o transtorno de personalidade limítrofe. 

Agora, falamos mais detalhadamente sobre os sintomas mais importantes, o que é importante não para chegar a um diagnóstico por conta própria, mas para suspeitar de que alguém ou você mesmo precisa de ajuda.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Instabilidade

    A instabilidade emocional é um dos sintomas mais notáveis em quem tem o transtorno. Ademais, esse é um sintoma que leva a uma confusão frequente entre borderline e bipolaridade, que é um problema completamente distinto.

    Dado que pessoas com o problema são extremamente sensíveis a qualquer sinal de rejeição em seus relacionamentos, a mudança de humor é um problema que acontece com frequência.

    Assim, por essa razão, pais, irmãos e cônjuges sofrem tanto com a idealização e a criação de expectativas sobre o relacionamento quanto com os momentos de desilusão da pessoa com o transtorno.

    Medo de abandono

    Um outro sintoma muito frequente em quem tem o transtorno de personalidade limítrofe é o medo do abandono. 

    Leia Também:  Frases sobre autismo: 20 melhores

    Esse medo não diz respeito somente aos términos de relacionamento. Na verdade, ele aparece quando um parente ou amigo chega atrasado para um compromisso, quando a pessoa doente passa muito tempo sozinha ou quando um encontro é cancelado.

    Nesse contexto, tudo é levado para o lado pessoal. Assim sendo, qualquer atraso, cancelamento ou aparente falta de interesse leva o indivíduo com borderline achar que está sofrendo uma rejeição ou que é uma pessoa ruim.

    Raiva

    A dificuldade para controlar a raiva também é um sintoma que ajuda no diagnóstico do transtorno borderline. Portanto, as pessoas com o problema apresentam comportamentos explosivos. 

    Ademais, essa raiva pode aparecer na forma de comentários extremamente sarcásticos e amargos, principalmente nos momentos em que a impressão de negligência e abandono predominam.

    Automutilação

    Nos momentos em que a pessoa com borderline está se sentindo sozinha e sem amparo, é comum que ela aja compulsivamente e busque lidar com sua dor por meio da automutilação.

    De modo geral, a automutilação é mais conhecida pelos atos em que o indivíduo se machuca com objetos perfurocortantes ou queima a própria pele. Contudo, essa não é a única maneira de se machucar. 

    Aqui vão alguns exemplos menos famosos, mas que apresentam consequências semelhantes:

    • compulsão alimentar,
    • sexo inseguro (seja pela falta de proteção, seja pela pessoa com quem se pratica),
    • direção imprudente,
    • apostas em jogos de azar,
    • gastos excessivos,
    • abuso de substâncias químicas.

    Como funciona o diagnóstico e o tratamento para esse tipo de transtorno?

    Diagnóstico

    Para diagnosticar o transtorno de personalidade limítrofe, é importante fazer uma análise completa do quadro clínico de um indivíduo. 

    Dado que a avaliação do problema considera uma série de comportamentos e o histórico da pessoa, não é trivial determinar se o problema é o borderline ou uma bipolaridade, depressão, entre vários outros problemas físicos e mentais.

    Via de regra, quem dá o diagnóstico é o médico psiquiatra ou o psicólogo, mediante uma análise extensa do caso (que pode durar meses). Ademais, toma-se por base os critérios do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5).

    Tratamento

    Por outro lado, há uma gama de possibilidades de tratamento para o transtorno de personalidade limítrofe.

    Primeiramente, o problema recebe um tratamento medicamentoso por indicação do médico psiquiatra. Porém, além disso, é preferível e indicado que a pessoa com borderline faça pelo menos um tipo de psicoterapia para ter uma vida com mais bem-estar.

    Entre elas, destacamos a psicanálise, pois ela busca entender o paciente em sua individualidade, fugindo dos padrões e rótulos impostos pela sociedade. Dessa forma, a prática traz para uma pessoa confusa e com medo dos próprios comportamentos, mais compreensão, ajuda e possibilidades.

    Considerações finais sobre o transtorno de personalidade limítrofe

    Esperamos que este artigo sobre o transtorno de personalidade limítrofe tenha ajudado você a compreender a complexidade do fenômeno. 

    Ademais, ressaltamos a importância de ver o indivíduo com o problema como uma pessoa doente que precisa de compreensão tanto quanto precisa de um tratamento para viver bem.

    Além disso, destacamos a importância da psicanálise no tratamento do transtorno de personalidade limítrofe. Portanto, se aprender como ajudar pessoas com esse ou outros problemas é sua missão de vida, te convidamos a fazer sua matrícula em nosso curso 100% completo e online de Psicanálise Clínica. Seja um profissional que compreende e ajuda verdadeiramente as pessoas que precisam!

    One thought on “Transtorno de personalidade limítrofe: definição e sintomas

    1. Muito bom artigo! Infelizmente são pessoas que reconhece que têm um problema, mas não recorrem a uma especialista. Preferem resolver da pior forma possível, expondo os seus traumas.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.