bloqueio mental

Bloqueio Mental: quando a mente não suporta a dor

Posted on Posted in Conceitos e Significados

Quando passamos por alguma situação estressante ou traumática, para proteger nossa saúde mental, nosso cérebro pode lançar esse acontecimento para o inconsciente, causando um bloqueio mental, como um mecanismo de defesa, visando evitar o sofrimento.

Outra forma de bloqueio mental, pode ser observada também em escritores ou compositores, que por algum motivo, não conseguem mais organizar as ideias e produzir textos, poesias, canções.

O que é bloqueio mental?

O bloqueio mental é uma repressão que o cérebro gera a um fato traumático ocorrido. Nesses casos, a dor da emoção provocada pelo acontecimento se torna insuportável de sentir, então o cérebro lança esse fato para o inconsciente, com o objetivo de proteger o sujeito..

Quando ocorre o bloqueio mental?

Em casos de acontecimentos traumáticos, o cérebro age para nos proteger das consequências do fato vivido e, muitas vezes, esse processo pode, mais tarde, se apresentar como um sofrimento emocional que o indivíduo não consegue identificar, até que, através do processo terapêutico, possa trazer o ocorrido ao consciente e ressignificá-lo.

Os acontecimentos que podem gerar o bloqueio mental são: violência física e/ou psicológica de todo gênero (que envolve a violência sexual e doméstica), perdas de pessoas próximas, situações adversas como desastres naturais, acidentes, assaltos, sequestros e outros.

Nos casos de bloqueio mental onde a pessoa não consegue organizar seu pensamento e exprimir suas ideias, o bloqueio mental causa angústia, ansiedade e outros sintomas, uma vez que o indivíduo, não consegue exteriorizar o conteúdo o qual estava acostumado a produzir com facilidade. Nesse caso, é importante também procurar uma ajuda médica e emocional para ajudar a liberar e exprimir as emoções que, por alguma razão, estão sendo freadas pela mente.

Quais as consequências do bloqueio mental?

Ainda que seja um mecanismo de defesa, o qual o cérebro age para nos proteger de ficar revivendo e relembrando vivências traumáticas, a longo prazo, o bloqueio mental ocorrido devido a traumas e situações estressantes, pode trazer adoecimento emocional. É natural que durante a vida, tenhamos contato com algum evento estressante, cuja reação orgânica envolve a liberação de cortisol, adrenalina e outros hormônios para ajudar o corpo a reagir, mas a questão está na memória.

Enquanto algumas pessoas, depois da reação orgânica normal do corpo, vão conseguir seguir a vida, sem serem afetadas emocionalmente, outras podem apresentar memórias recorrentes do fato acontecido e nesse momento, o corpo irá ter as sensações orgânicas que teve durante o acontecimento, configurando o trauma, por isso, o cérebro às vezes, bloqueia o acontecimento, visando evitar o sofrimento emocional do sujeito.

Caso não sejam ressignificados, os estímulos negativos que vivenciamos e ficaram escondidos no inconsciente, podem se transformar em sabotadores da saúde mental e, mais adiante, se apresentarem em forma de medos, fobias, inseguranças, sentimentos de menos valia e muitos outros. O bloqueio mental que ocorre em escritores, pode levar à baixa autoestima, tristeza, depressão e outros sintomas provocados pela incapacidade de se expressar.

Crianças vítimas de abuso e violência

Segundo Ministério da Saúde, em 2019, foram feitos 159 mil registros pelo Disque Direitos Humanos (Disque 100) e, desses registros, mais de 85 mil, referem-se a violência contra crianças e adolescentes.

De acordo com o MSD (Merck Sharp and Dohme), “Qualquer ato com uma criança, visando a gratificação sexual de um adulto ou de outra criança significativamente mais velha e mais poderosa é considerado abuso sexual”.

Sofrer violência na infância, seja ela de qualquer cunho, é um acontecimento traumático que coloca em risco o desenvolvimento da criança e por isso, muitas vezes o cérebro age bloqueando o acontecido, fazendo com que a vítima cresça sem lembrança do fato.

As psicopatologias decorrentes do bloqueio mental

Quando a mente da vítima de violência infantil bloqueia o acontecido e não ocorre identificação, nem o tratamento para o ocorrido através de uma rede de apoio, a criança pode desenvolver impactos negativos na sua saúde mental, podendo ocorrer, ao longo da sua vida, o surgimento de psicopatologias como: TEPT (Transtorno de Estresse Pós Traumático), Depressão, Transtorno de Borderline, Transtornos Dissociativos e outros. – TEPT: é um transtorno de ansiedade que pode ocorrer após exposição do sujeito a um evento traumático.

Associado à exposição ao evento traumático, a vítima também vivencia um medo intenso, uma sensação de impotência e um horror, ou seja, o evento traumático é de natureza extrema.

Leia Também:  Significado de Bondade segundo a Filosofia

No TEPT são observados a presença dolorosa de pensamentos, imagens, sentimentos, ligados ao evento, muitas vezes de forma confusa e ininterrupta que são uma forma do cérebro não deixá-los vir ao consciente.

Depressão

É um transtorno afetivo caracterizado pelo acometimento de uma tristeza por um longo período de tempo, associada a outros sintomas como: desesperança, desmotivação, apatia, problemas com o sono, crises de choro e outros.

Uma pesquisa australiana, mostrou que indivíduos que sofreram abuso emocional na infância, apresentam três vezes mais chances em ter depressão quando adultas

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Transtorno Borderline

    É um transtorno de personalidade onde o sujeito apresenta comportamentos como extremo medo de ser abandonado, instabilidade nos relacionamentos (amo e ódio), deturpação da autoimagem, grande impulsividade (sendo comportamento um dos que apresenta maior risco devido ao risco elevado de provocar autolesões e tentativas de suicídio).

    Muitos indivíduos diagnosticados com esse transtorno, relatam terem sido vítima de violência infantil. Alguns não tem consciência desses abusos, até iniciarem a terapia e trazerem o acontecimento para a consciência.

    Transtornos Dissociativos

    Nesse tipo de transtorno, ocorre o rompimento da consciência, de memórias, de emoções, de identidades.

    Sua ocorrência está geralmente associada à vivências de situações opressivas, na maioria dos casos, são fruto de violências sofridas na infância, como uma forma de se defender daquilo que a criança não conseguia entender, nem processar.Um tipo de autodefesa com objetivo de suportar a angústia e a dor do fato vivido.

    Como trazer o trauma para o consciente?

    Inicialmente, deve-se procurar ajuda médica, para descartar qualquer alteração orgânica que possa estar provocando esse bloqueio e, depois de descartada essa hipótese, buscar ajuda terapêutica, que será essencial para identificar o motivo do bloqueio e através de técnicas terapêuticas, reverter esse quadro.

    Algumas vezes, o tratamento médico e terapêutico devem ocorrer de forma paralela, para que os sintomas físicos e mentais possam ser tratados.

    Enquanto o terapeuta cuida da parte emocional, através de técnicas que levem o paciente a trazer o trauma para o consciente e depois disso, fazer uma ressignificação do ocorrido, ajudando-o a ter uma melhor qualidade de vida, o médico vai tratar da parte orgânico que está em desequilíbrio.

    Referências bibliográficas

    Gov.br – Governo Federal. Ministério da mulher, da família e dos direitos humanos. 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2020-2/maio/ministerio-divulga-dados-de-violencia-sexual-contra-criancas-e-adolescentes>

    Manual MSD – Versão saúde para a família. Considerações gerais sobre o abuso e negligência infantil. 2020. Disponível em: <https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/problemas-de-sa%C3%BAde-infantil/abuso-e-neglig%C3%AAncia-infantil/considera%C3%A7%C3%B5es-gerais-sobre-o-abuso-e-neglig%C3%AAncia-infantil> Norman, R. E.; Butchart, A. As consequências a longo prazo do abuso físico, do abuso emocional e da negligência para a saúde: uma revisão sistemática e meta-análise. https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1001349, 2012. Pronin, T. Viva Bem UOL. Borderline: o transtorno que faz a pessoa ir do “céu ao inferno” em horas, 2018. Disponível em: <https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2018/04/16/borderline-a-doenca-que-faz-10-dos-diagnosticados-cometerem-suicidio.htm>

    O presente artigo foi escrito por Ana Regina Figueiras([email protected]). Graduada em Pedagogia e Comunicação Social. Psicanalista. Especialista em Saúde Mental. Especialista em Suicidologia. Especialista em Neuropsicopedagogia. Especialista em Educação Especial e Transtornos Globais do Desenvolvimento. Escritora do site: https://acolhe-dor.org

    One thought on “Bloqueio Mental: quando a mente não suporta a dor

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.