caracteristicas-pessoa-neurotica

Características de uma pessoa neurótica

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

A neurose é conhecida como um distúrbio neurótico. E refere-se aos desequilíbrios mentais de angústia e ansiedade, mas que não afetam o pensamento racional. Ademais, ela pode afetar as emoções e a autoconfiança, causando instabilidade emocional, desordens no sentido e ação. Neste artigo, vamos refletir sobre a neurose e as características de comportamento de uma pessoa neurótica. Ficou curioso? Então confira agora!

 

As características de uma pessoa neurótica

Assim, são três importantes características de uma pessoa neurótica são:

  • Compulsão: A pessoas substitui o gozo inconsciente por um sofrimento consciente suportável, o que gera um sentimento de compulsão.
  • Obsessão: O paciente  faz com que o objeto inconsciente, se separa da situação do pensamento original. Com isso, substituindo o original por coisas imaginárias.
  • Fobia: O indivíduo projeta o prazer para fora do seu eu, em que o objeto ameaçado representa a angústia.

 

Todos temos traços de uma pessoa neurótica

Todos somos um pouco neuróticos, segundo Freud. Ademais, o próprio Freud se definia como um neurótico. Os filmes de Woody Allen (como o clássico Noivo Neurótico, Noiva Nervosa) são ricos em focalizar as neuroses mais ou menos cotidianas de personagens arquetípicos.

Outrossim, o problema da patologia começa quando há exagero, o que incomoda os outros e, principalmente, a própria pessoa.

A seguir, vamos desenvolver um pouco mais sobre as origens das características da pessoa neurótica e falar um pouco sobre como a Psicanálise considerou esta temática. Especialmente pelas contribuições de Freud.

 

Origem da Neurose: manifestação logo na infância

A neurose é um conflito que pode atingir o indivíduo logo no começo da infância. Assim, provocando dificuldade de adaptação, muito embora, nesse estado, a criança ainda não seja capaz de estabelecer os vínculos emocionais.

Nesse estágio, a criança tem capacidade de estudar e se envolver com a família. Porém, sempre entrando em conflito com a realidade, sem ter conhecimento real dos sintomas que não permite viver prazerosamente.

 

A neurose é uma doença ligada a vários quadros

Nos dias atuais, é muito comum ver pessoas falando em alterações de comportamento, mudanças de humor, pessoas bipolar, pessoas esquizofrênicas. Isso, sem necessariamente saber que se trata de neuroses e que precisam de tratamento

Além disso, a neurose como doença está ligada ao quadro de angústia emocional, conflitos inconscientes, perturbações mentais e ansiedade.

 

Pessoa neurótica e pessoa psicótica: diferenças

Podemos citar a neurose de caráter, de compensação, depressiva, psicótica, as quais levam o indivíduo a situações de transtorno de comportamentos. Por exemplo, como descontentamento social, estresse ligado ao fim de um casamento e a vários outros transtornos.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

O indivíduo acometido de uma neurose não deverá ser confundido com uma pessoa psicótica. Nas psicoses, geralmente se perde a noção da realidade e, na neurose, ele continua ligado à realidade.

Ademais, nas crises neuróticas o organismo libera suas formas de defesa que na maioria dos casos entra em conflito com os traumas e recalques, colocando o indivíduo num sofrimento excedente as situações vivenciadas.

Os 5 principais tipos de neuroses

Existem vários tipos de neuroses. Assim, os tipos mais comentados no meio clínico e leigo são:

1. Obsessiva: pensamento fixo em ideias e atos, como a obsessão por pensamentos trágicos.

2. Compulsiva: comportamento repetitivo exagerado, como a compulsão alimentar.

3. Ansiosa: pensamentos de insegurança e inquietação sobre o que pode ocorrer no futuro.

Leia Também:  Recalcar: significado no dicionário e na psicanálise

4. Fóbica: medo ou pavor, dos mais diversos tipos, como a agorafobia, que é o medo de estar em público.

5. Histérica: ações corporais involuntárias, paralisias transitórias ou picos comportamentais explosivos.

Características de cada tipo de neurose

A histeria, a compulsão e a fobia têm o objetivo substituir o gozo inconsciente por um sofrimento consciente suportável. Por exemplo, se o indivíduo tem um desejo recalcado para o inconsciente, manter esse recalque tem o seu preço. Nesse exemplo, podem surgir a histeria, a fobia ou a compulsão como formas de barrar ou distrair a mente, para que ela não tenha acesso ao desejo inconsciente.

Já na obsessão, o objeto se separa da situação do pensamento original, substituindo o original por coisas imaginárias. Por exemplo, a pessoa pode ter uma pensamento obsessivo de toda noite alinhar seus chinelos para um lado da casa, com receio de que a ausência deste ato trará consequências prejudiciais.

Na fobia, o prazer é projetado fora do sujeito, em que o objeto ameaçado representa a angústia. O desejo inconsciente é incorporado na representação de um medo. Por exemplo, o medo de altura poderia ser um substituto daquilo que foi desejado. Ao temer a altura, mantém-se isolado o objeto de desejo.

A histeria se dá com o sofrimento do corpo, em que o prazer inconsciente é transformado em sofrimento corporal.  Assim, podendo comprometer todos os movimentos do corpo e causar  uma paralisia geral.

 

Efeitos da neurose

Na maioria das vezes, a neurose é a reação psíquica desproporcional que leva a pessoa a comportamentos inadequados em relação ao tamanho do problema. Ou seja, mesmo tendo consciência, o indivíduo sente-se impotente para modificá-lo.

As neuroses, se não tratadas, poderão causar vários transtornos. Por exemplo, prisão de ventre, visões espantosas, cefaleias, diarreias, congestões, distúrbios sexuais, distúrbios respiratórios e cardíacos.

 

O significado de Neurose sob diferentes concepções

Para Freud, os distúrbios sexuais têm grande relevância nas crises neuróticas, sendo responsáveis por grande parte dos transtornos.

Para Laplanche e Pontalis, a neurose pode ser afecção (doença) psicogênica, com sintomas expressivos causando conflitos psíquicos que tem origem na história infantil e constitui compromissos entre o desejo e a defesa.

 

Não há fuga da realidade

A neurose é conhecida como doença da personalidade e atinge diretamente a mente. Haja visto que toda crise vem acompanhada de grande ansiedade, os sintomas variam de pessoa para pessoa.

Mesmo apresentando delírios, as pessoas acometidas de transtornos obsessivos compulsivos nos momentos de crises não fogem da realidade.

 

A necessidade de um diagnóstico precoce no tratamento das neuroses

A pessoa que sofre de qualquer tipo de neurose sofre constantemente de alterações de comportamento, de humor, provocando limitações no cotidiano.

Os sintomas neuróticos aparecem rapidamente e precisam ser identificados e tratados na mesma velocidade. Se não tratados, poderão atrapalhar a vida pessoal, profissional e afetiva.

Portanto, faz-se necessário um diagnóstico das funções do sistema nervoso para se fazer um acompanhamento por um especialista de acordo com cada caso.

 

As neuroses podem resultar em problemas na vida pessoal

Entretanto, a neurose é uma doença emocional, afetiva e da personalidade. Então, não é falta de pensamento positivo, falta de vontade, influência espiritual, problemas familiares, é uma doença mental que causa grandes sofrimentos da vida do ser.

Assim, as neuroses interferem diretamente nos problemas familiares, nas crises conjugais, na aprendizagem, na personalidade, causando conflitos entre o desejo e a moral, provocando transtornos na defesa do ego.

Leia Também:  Psicologia do Desenvolvimento: teoria e exemplos

 

Como prevenir as neuroses?

Para prevenção das doenças neuróticas, é necessário um controle de comportamentos, evitando agir na hora dos impulsos. Ou seja, pensar antes de agir, respirar bem, ter bons relacionamentos, praticar exercícios físicos, evitar ambientes agitados, uso de bebidas alcoólicas e bom convívio familiar.

 

Conclusão: Todos somos neuróticos

Por fim, na pós modernidade, os tratamentos das neuroses são feitos por especialistas como psicólogos e psiquiatras, dependendo da evolução de cada caso, poderá ser recomendado o uso de tranquilizantes e antidepressivos.

Freud já entendia que todos somos um pouco neuróticos. O pensamento mágico e aquilo que chamamos de “manias” são exemplos da neurose diária presente em nossa sociedade. Agora, quando é algo excessivo que incomoda o indivíduo ou coloca este indivíduo ou pessoas próximas sob risco, entendemos ser o caso de buscar ajuda profissional.

Atualmente, existem tratamentos para qualquer tipo de neurose , em que o paciente poderá ter uma recuperação rápida e levar uma vida normal, sendo considerada uma enfermidade como outra qualquer.

Gostou do artigo e quer conhecer mais sobre a psicanálise? Se você quiser se aprofundar nesta temática, entender a diferença entre neurose e psicose e ter todo o arcabouço teórico e prático para atuar na área psicanalítica, inscreva-se em nosso Curso de Formação em Psicanálise. Com nosso curso, você estará apto a clinicar e a ser um psicanalista de sucesso!

Este artigo sobre Neurose, neurótico ou pessoa neurótica foi escrito pela nossa redação, em conjunto com Maria Andrade, especialmente para nosso blog.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 1 =