Casa Monstro

Filme A Casa Monstro: análise do filme e dos personagens

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

A casa monstro se mostra como um dos registros mais felizes de uma geração de jovens adultos. Por trás de sua simplicidade, resgata o peso do crescimento em crianças que apenas querem viver o Halloween. Vamos fazer uma análise mais profunda do filme e dos protagonistas da animação com viés de terror.

Sobre o filme

Ainda que seja lançado como um filme infanto-juvenil, A casa monstro vai muito além da animação convidativa visualmente. O filme acontece justamente onde as crianças vivem dilemas a respeito de sua condição existencial momentânea. Em suma, eles estão pisando na linha entre a infância e fase adulta e estão confusos a respeito de ainda serem crianças.

Isso fica evidente na fala de Crowder, personagem a ser visto mais abaixo. O garoto acaba perdendo a sua bola justamente no terreno mal-assombrado da vizinhança. Apesar do seu medo, o mesmo insiste para que o objeto seja recuperado a todo custo. Segundo ele, “…Trabalhou por 28 dias para ganhar 28 dólares e comprar o brinquedo”.

Não apenas ele, mas os outros protagonistas também se mostram indecisos sobre suas posições no Halloween. DJ experimenta as mudanças sofridas em seu corpo e sua mente, mas tem dúvidas quanto a brincar na rua. Já Jenny mostra um senso de responsabilidade e maturidade incomum às crianças e, em parte, se choca com sua infantilidade.

DJ

Dj é um dos primeiros personagens a ser apresentado no filme A casa monstro. Ao mesmo tempo em que tem de lidar com o abandono da infância, o garoto estranha a vida adulta. Tudo fica evidente em seu comportamento conflituoso, onde quer ser adulto, mas se deixa levar pela imaginação, embora esteja correto.

Dentre suas principais características que nos serve em parte de alegorias, vemos:

Curiosidade

Um ato muito comum da infância é as crianças buscarem respostas a tudo. DJ passa boa parte do dia espionando o vizinho da frente, motivado pelas histórias do bairro. Ainda que entre em situação de perigo, seu senso de investigação o motiva a ir em frente sempre que puder. Em parte, isso é o que o envolve na aventuras que vive.

Puberdade em crise

A história de A casa monstro acontece próxima à festa de Halloween, evento comum na América do norte. Como de costume, as crianças se fantasiam a fim de pedirem doces pelas casas do bairro. Entretanto, Dj entra em conflito com o desejo que sente e a situação que vive. A adolescência o faz renegar a busca por brincadeiras e doces.

Solidariedade

Dj possui um senso de justiça muito forte, de modo a ajudar quem puder. Isso fica evidente na relação que mantém com o ranzinza Epaminondas. Inicialmente, ambos são rivais, ocasionado também pela incompreensão do garoto ao idoso. Contudo, assim que ele entende a real situação, se mobiliza a ajudar o senhor e quem quer que precise.

Crowder

Em A casa monstro notamos a relação preferencial entre DJ e Crowder, fazendo deles melhores amigos. Crowder é o esteriótipo das pessoas acima do peso e que são atrapalhadas, possuindo um bom coração. Além disso, a participação dele é o que acaba ajudando a levar adiante momentos importantes da trama.

Entretanto, podemos notar uma certa compulsão do personagem em relação à vida. Isso porque o mesmo não hesita em comer, inclusive doces, sempre que tem oportunidade. Ademais, isso também fica perceptível em sua postura, já que se mostra bastante impulsivo. Podemos pensar que tudo pode ser uma forma de compensar algo em sua vida.

Leia Também:  Carpe Diem: análise do poema de Walt Whitman

Crowder também se mostra bastante corajoso em relação a alguns eventos. Fazendo um paralelo, podemos pensar que isso se trata de um trabalho para firmar sua própria imagem. Ainda assim, é justamente o seu equívoco que o coloca como agente humorístico de filme, aliviando a tensão.

Jenny

Jenny acaba por assumir a figura do cérebro em A casa monstro, dada à sua desenvoltura em lidar com tudo. A jovem mostra um intelecto acima da média, demonstrando até uma postura arrogante, algo esperado. Em suma, ela representa uma certa independência e força feminina necessários para equilibrar a trama.

Jenny parece se mostrar ansiosa para chegar à vida adulta, dado o seu comportamento. A mesma lida facilmente com situações e pessoas complicadas com incrível naturalidade. Sem contar que alguns objetos comuns da infância não parecem ter tanta importância para ela. Ao contrário dos outros, a mesma carrega uma vontade certeira em crescer.

Tudo isso fica evidente no comportamento analítico e um pouco cético da menina quando sua interação com os garotos começa. Entretanto, a fase adulta ainda é desconhecida por ela, diferentemente da infância. Assim que a ação começa, a mesma recorre ao seu verdadeiro posto no momento: o de criança.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

A casa monstro e Seu Epaminondas

Inicialmente, Seu Epaminondas e seu endereço são a parte mais perturbadora em A casa monstro. Muitos não compreendem a sua postura agressiva e solitária em relação a todos. Todavia, quando sabemos da tragédia do local, compreendemos melhor a natureza do idoso. A partida de Constance e o seu retorno provocam reações mistas nele, como:

Depressão

Por conta de um incidente, Epaminondas ficou viúvo ainda jovem e se reclusou do mundo. Contudo, o mesmo não pôde experimentar por completo a situação que viveu. Constance morreu, mas seu espírito ficou aprisionado dentro da casa e coração do marido. O mesmo se viu obrigado a morar sozinho para que o fantasma não ferisse ninguém.

A situação o deixou deprimido, de modo que não pudesse enxergar qualquer perspectiva de vida.

Relacionamento abusivo

Constance pode ter morrido e abandonado sua forma física, mas incorporou seu espírito na casa. A casa em si era viva, seus cômodos se comportavam como um organismo e ela sentia emoções. Por causa da raiva do espírito da esposa, Seu Epaminondas pouco socializava. Durante décadas, ficou preso na rotina de sua casa e de sua mulher morta.

O medo

A vilã do filme é uma casa mal-assombrada que ataca as pessoas, assumindo uma forma inusitada de medo. Entretanto, Constance não é apenas uma vilã porque gosta de praticar o mal. Quando viva, a mesma tinha medo por ter vivido presa e isolada de todos, achando que o mundo era cruel.

Somente quando Epaminondas cruzou seu caminho é que ela se sentiu viva de verdade. Por ter medo de perder tudo novamente, atacava os outros após a morte.

Considerações finais sobre A Casa Monstro

Apesar de ser uma animação, A casa monstro traz um ótimo estudo sobre crescimento. Por vezes, acreditamos que tudo é mais do que aparenta por causa do crescimento. Entretanto, assim como no final, tudo é passageiro.

Reúna a família e tente assistir o filme mais uma vez sob essa nova perspectiva. Assim, pode tirar sua próprias conclusões a respeito da mensagem do filme. Sem contar que é um bom jeito de reviver a infância!

Leia Também:  Bill Porter: vida e superação segundo a Psicologia

Além disso, recomendamos a sua participação em nosso curso online de Psicanálise. Por meio dele, pode ter percepções mais precisas a respeito do que motiva o comportamento humano. Com base em boas apostilas e aulas com professores qualificados, você se torna mais capacitado profissionalmente. Quem sabe em alguns meses não será você o escritor de um texto como esse! Se gostou desse post sobre A Casa Monstro, compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 10 =