The Sinner

The Sinner: 5 Conceitos psicanalíticos na série

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

The Sinner cativou o público por sua narrativa profunda, sombria e bastante instigante. O drama vivido pela protagonista de Jessica Biel nos faz remeter a como a Psicanálise trabalharia em cima. Com isso, vamos olhar para cinco conceitos psicanalíticos que foram utilizados e memorados na produção.

O inconsciente

The Sinner começa de verdade quando Cora Tanneti age de forma compulsiva e sem pensar. Ao se irritar com uma música enquanto estava na praia, a mesma assassina uma pessoa de forma inexplicável. Tanto que notamos a feição atônita no rosto da personagem ao se dar conta do que acabou de fazer.

Segundo Freud, um indivíduo consciente não dono por completo de suas ações. Isso porque o que fica guardado no inconsciente continua a dar sinais de que existe e ainda nos afeta de alguma forma. Com isso, nosso comportamento pode ser influenciado pode tudo o que recalcamos a um posto de aparente inacessibilidade.

É justamente o que acontece quando descobrimos a história de Cora. Seu passado ficou relegado a um ambiente sombrio onde nem a protagonista tinha acesso. O que chama atenção é que, por um suposto abuso de drogas, a mesma perdeu dois meses de sua memória. O assassinato cometido por ela se trata de um impulso do seu inconsciente.

Teste de Rorschach

Moldado por Hermann Rorschach, psicoterapeuta, oteste de Rorschach é o famoso “teste do borrão”. Por meio de pranchas com manchas de tinta, o analisado será perguntado sobre o que encontra nelas. Cada resposta ajuda a traçar um quadro psicológico do paciente. As manchas em si não importam, mas, sim, as respostas.

O teste de Rorschach trabalha em cima do conceito de “projeção” montado por Freud. Basicamente, o indivíduo atribui para as manchas formas originadas por seu inconsciente. Dessa forma, libera características de sua própria personalidade em outros objetos e pessoas. A ideia é fazer com que se chegue em seu inconsciente sem dificuldades.

Logo na abertura de The Sinner, somos apresentados a uma animação que remete às pranchas e inclui o rosto da protagonista. A quem é familiarizado com o assunto, associa instantaneamente à complexidade da personagem trabalhada. Assim, o inconsciente de Cora se torna parte do palco central da série a ser desvendado.

Dissociação

A dissociação é um mecanismo de defesa do indivíduo que impede que tenha acesso a memórias traumáticas. Tudo é ocultado pela consciência, de modo a prevenir o indivíduo dos impactos causados por experiências desastrosas. Com isso, o mesmo pode não se recordar de eventos e pensamentos dolorosos.

Cora apresenta um lapso de memória ao qual se condensa em dois meses de sua vida em branco. Tudo foi ocasionado por:

Estresse pós-traumático

Cora possui traumas muito delicados que acabaram por reger o seu futuro. Para que se adequasse a uma vida comum, tais experiências foram enterradas no abismo de sua mente. Contudo, como nada permanece morto para sempre, de modo que suas vivências influenciam parte de suas decisões, inclusive seu crime.

Distúrbios na própria personalidade

Ao longo de The Sinner, vemos o quanto a mente de Cora é verdadeiramente alquebrada. Isso acaba por influenciar em sua personalidade, fazendo com que fique confusa em relação a si mesma. Um exemplo é a sua reação atônita após cometer o crime, sendo surpreendida por seu inconsciente.

Drogas

Cora tem uma relação estreita com substâncias psicoativas. De acordo com os eventos da série, tal envolvimento poderia ter ajudado a construir a lacuna em sua mente. A fim de preservá-la, sua mente realocou essas memórias em um local ao qual não tem acesso consciente.

Leia Também:  15 indicações de filmes sobre amadurecimento

Ego, Superego e ID

De forma subjetiva, The Sinner trabalha um dos conceitos mais famosos da Psicanálise. Segundo Freud, a mente é construída por três instâncias com dinâmicas opostas e conflitantes. Na série, podemos fazer um paralelo onde cada uma é representada por um personagem. Começamos pelo:

Superego

O superego representa a moralidade em um indivíduo, de modo a reprimir seus instintos mais proibidos. Isso acaba ficando claro na imagem da mãe de Cora, religiosa fervorosa e constante recorredora da bíblia. Assim, a mãe acaba introjetando na filha conceitos do que é moralmente aceito ou não, reprimindo ela, como o superego.

Id

O Id aqui é representado pela irmã de Cora, Phoebe, uma garota doente. Já que é limitada fisicamente, ela incita a irmã a viver perigosamente por meio de prazeres imediatos. Com isso, a irmã assume o posto de Id, fazendo com que sua irmã tenha prazeres de forma inconsequente. Contudo, isso a leva a situações de perigo.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Ego

Este é representado pela própria Cora, já que vivia sufocada pela repressão materna e liberdade exigida pela irmã. Por causa disso, a mesma não teve oportunidade de construir sua identidade de modo mais limpo e saudável. Cora não aprendeu a se equilibrar com seus impulsos e com as regras da sociedade.

Culpa

Freud defendia que a culpa impedia com que nos tornássemos indivíduos egoístas em detrimento da sociedade. Ademais, afirmava que precisávamos construir relações em sociedade pois isso permitiria que sobrevivêssemos. Assim, não deveríamos prejudicar qualquer pessoa ao nosso redor.

Em The Sinner vemos que a protagonista viveu permeada em culpa por conta de sua infância. A repressão da mãe, aliada com a condição da irmã, a faziam crer que ela tinha privilégios. Com isso, Cora evitava ter prazeres na vida para que isso não a afastasse da família. O egoísmo não era um ferramenta a ser cogitada.

Comentários finais sobre The Sinner

The Sinner se trata de um estudo instigante a respeito de como a mente humana funciona. Apesar da simplicidade inicial do roteiro, fazendo um background, entendemos o que motiva as ações da personagem principal. O seu inconsciente também é protagonista, já que guarda as respostas que todos procuram.

A Psicanálise foi muito bem refletida no decorrer da série, de modo a implementarmos alguma base em nós mesmos. Assim, cabe dedicar um tempo aos oito episódios do projeto e entender pessoalmente a profundidade da obra. Mesmo que nós vivamos uma situação diferente, se enxergar nas bases da série trará ótimas reflexões pessoais.

Além da série The Sinner, indicamos um aprendizado mais robusto sobre o comportamento humano em nosso curso de Psicanálise online. Aprendendo diretamente da fonte, entenda o que fomenta as ações e comportamentos de todo indivíduo, esteja ele doente ou sadio. Complementarmente, trabalhe em si mesmo de forma a construir um rico processo de autoconhecimento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 5 =