o que é catacrese

Catacrese: definição e exemplo de frases

Posted on Posted in Conceitos e Significados

A catacrese é uma das dezenas de figuras de linguagem usadas na língua portuguesa, ela se faz presente especialmente no cotidiano do brasileiro, em meio aos diálogos diários e banais. 

Por definição, a catacrese se conceitua como o uso de um termo distinto do seu contexto original para nomear (de forma figurativa) algum elemento ou alguma situação que não possui um específico nome ou caracterização. 

O que é catacrese e qual é a sua origem?

Diante da definição apresentada, a catacrese como uma das inúmeras palavras do vocabulário português (dentre outros), tem origem grega, vinda da palavra katákhresis. Nesse sentido, no idioma grego antigo, essa palavra possuía o sentido de “uso impróprio da língua”. 

Em contrapartida, ao que muito se pensa sobre o vocabulário português, há algumas afirmativas que nos mostram como nossa língua se construiu. Nesse sentido, é claro, se sabe que o português se originou do latim, uma língua morta. 

No entanto, muitos termos e palavras utilizadas nos países derivados do latim, inclusive o Brasil, possuem no vocabulário também influências gregas. Isso acontece, por sua vez, pelo fato de que a Grécia era muito reconhecida como um país precursor das ciências, principalmente de elementos linguísticos. Logo, a catacrese é um desses elementos tão usuais língua portuguesa

Definição da figura de linguagem catacrese

De modo consequente, já apresentado o que é a catacrese, é curioso pensar o que é em si uma figura de linguagem. Em vista disso, as figuras de linguagem são expressões utilizadas pelas pessoas a fim de atribuir um sentido conotativo, ou seja, um sentido que foge das definições de dicionário. 

Dessa forma, a catacrese é uma ferramenta linguística conotativa, e isso significa que atribuímos o uso dela em contextos específicos, que fogem do significado literal da palavra. Sendo assim, quando a usamos em alguma frase estamos aproximando nossa fala a um modo mais casual da língua.

Diferença entre catacrese e prosopopeia

Em alguns casos do uso da catacrese, é possível confundi-la com outras figuras de linguagem, como a prosopopeia/personificação. Em vista disso, a prosopopeia/personificação embora seja parecida com a catacrese, possui outro tipo de utilização. 

Logo, é importante diferenciar ambas figuras de linguagem. Enquanto a catacrese se define com o uso de um termo fora do seu significado real e literal (para atribuir sentido a algo que não tem seu próprio nome), a prosopopeia é diferente.

Diante disso, muitas pessoas confundem as duas figuras de linguagem pelo fato de a prosopopeia ser definida como o uso de características humanas a tipos de seres inanimados. Como exemplo, temos a frase “As flores bailavam lindamente na primavera”

Como identificar uma catacrese?

Assim sendo, enquanto a prosopopeia atribui características sentimentais a seres inanimados ou irracionais, a catacrese cria uma denominação que não existe para um objeto. Nesse sentido, é simples identificá-la apenas percebendo o contexto em que ela está sendo usada. 

Como dito anteriormente, a palavra grega katákhresis tendo sua definição como “mau uso” ou “uso impróprio”, já traz indícios de como identificar sua presença em alguma fala. É possível identificar quando se percebe seu sentido totalmente subjetivo e que só funciona naquela situação de comunicação.

Exemplos de catacrese no cotidiano

Ademais, esse “uso impróprio” e subjetivo não está somente presente em falas durante diálogos orais, uma vez que é bastante amplo, com uma infinidade de exemplos.

Dessa maneira, muitos escritores de fábulas infantis, ou até mesmo outras obras literárias, usam a catacrese como recurso. Isso acontece porque essa figura de linguagem é muito interessante e curiosa, dando um sentido “a mais” para o texto ou até mesmo uma noção poética. Além de, sobretudo, fazer parte da cultura.

Além disso, outro exemplo é a catacrese sendo usada em receitas de culinárias, como “Utilize um dente de alho para o arroz” ou “Use um fio de azeite para o tempero”. Portanto, pode-se afirmar que o uso dessa figura de linguagem é observado em vários contextos da nossa língua portuguesa.

Exemplos de frases com o uso de catacrese

Segue abaixo uma lista de frases com o uso de catacrese, todas possivelmente já usadas em algum momento do nosso dia a dia ou de nossas leituras

  • “A asa da xícara quebrou”;
  • “Comprei duas cabeças de alho no supermercado”;
  • “Estou com um machucado no céu da boca”;
  • “A boca do fogão não está funcionando!”.

Alguns outros exemplos são: “a maçã do rosto da menina ficou corada de vergonha”; “como dói a batata da perna depois da academia!”; “bati meu dedo no pé da cama”; “vou embarcar no avião às 15 horas”; “fizemos uma trilha e subimos o pé do morro!”. 

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Catacrese em composições musicais e na literatura

    Ainda mais, alguns exemplos em músicas: “O que é o que é/ que tem asa mas não voa?/ o que é o que é/ que tem asa mas não voa?/ é o bule/ da minha coroa/ é o bule/ da minha coroa” (O que é O que é, de Jovelina Pérola Negra). 

    Outros versos que se constroem com a mesma figura de linguagem (Composição Estranha, de Renato Rocha e Ronaldo Tapajos Santos):

    • “Usei a cara da lua”;
    • “As asas do vento”;
    • “Os braços do mar”;
    • “O pé da montanha (…)”. 

    Além disso, temos a música “Maçã Do Rosto”, do cantor Djavan, que serve de exemplo logo pelo título da letra. “Me ame devagarinho/ Sem fazer esforço/ Tô doido por seu carinho/ Pra sentir aquele gosto/ Que você tem na maçã do rosto/ Que você tem na maçã do seu rosto”. 

    A famosa música de Gilberto Gil ao programa infantil “Sítio do Pica-Pau Amarelo” também exemplifica a catacrese com o verso “Marmelada de banana…”

    Com relação a trechos literários, temos a presença da catacrese em poesias e prosas, como o poema “Inutilidades”, de José Paulo Paes, escritor paulista: 

    “Ninguém coça as costas da cadeira

    Ninguém chupa a manga da camisa

    O piano jamais abana a cauda

    Tem asa, porém não voa, a xícara

    De que serve o pé da mesa se não anda?

    E a boca da calça, se não fala nunca?

    Nem sempre o botão está na sua casa.

    O dente de alho não morde coisa alguma.

    (…)” 

    Em suma, pode-se concluir que essa figura de linguagem é encontrada em diversos momentos em que usamos nosso idioma. Seja nas falas rotineiras como também na leitura de trechos literários de receitas culinárias ou no ato de escutar alguma música. 

    Gostou desse conteúdo? Então não deixe de curtir e compartilhar em suas redes sociais. Assim, nos incentivará a continuar produzindo conteúdos de qualidade para nossos leitores.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.