definir o belo e o feio

Conceito de Beleza: como definir belo e feio?

Posted on Posted in Curso de Psicanálise

Qualificar algo como bonito ou feio é extremamente complexo. Porém, existem certas características que fazem nosso cérebro, à primeira vista, qualificá-lo como tal. Veja abaixo o conceito de Beleza e o que é beleza.

Filósofos e artistas, ao longo dos tempos, se preocuparam em definir a beleza. É por isso que existem inúmeras teorias estéticas e histórias da arte. O mesmo não aconteceu com a feiura. Neste assunto, os teóricos têm sido bastante moderados e as pessoas parecem se conformar com a ideia simples de que o feio é o oposto do belo.

E indo um pouco mais longe, aceitar que a feiura é relativa e depende dos tempos e das culturas. O que era inaceitável ontem pode se tornar aceitável amanhã, o que antes era considerado feio pode se tornar belo. “O belo é feio e o feio é belo”, disseram as bruxas Macbeth com sabedoria.

Conceito de beleza na idade média

Voltamos ao passado e agora estamos entrando na época da Idade Média para conhecer os cânones da beleza e dos costumes relacionados à moda e à estética.

Durante as primeiras décadas da Idade Média, esqueceram-se dos cuidados com a beleza e surgiu um novo conceito sobre a mulher ligado ao Cristianismo, baseado no fato de que as mulheres só precisavam se preocupar com a salvação de sua alma e esquecer aspectos frívolos, como a moda do vestido ou cuidados com o corpo e os cabelos.

O tempo passou e as mulheres cristãs começaram a usar maquiagem e óleos, influenciadas pela cultura muçulmana, como sinal de cuidado do corpo.

O cânone da beleza daquela época baseava-se em mulheres de pele muito clara, cabelos loiros compridos, olhos e nariz pequenos, batom nas bochechas e lábios, corpo esguio com mãos finas e brancas, seios pequenos e quadris estreitos.

Conceito de beleza para Kant

Segundo Kant, a estética apresenta um paradoxo. O julgamento estético tem uma base universal comum à natureza humana. A estética é subjetiva, mas quando se torna universal dá origem a uma certa objetividade baseada em leis naturais.

A beleza da natureza é uma coisa bela, a beleza artística é uma bela representação de uma coisa, conforme expresso em sua “Crítica do julgamento”.

Conceito objetivo e subjetivo de beleza

O objetivista afirma que a beleza ou a feiúra das coisas se baseia nas qualidades do próprio objeto. E são elas que provocam emoções no espectador, para que todos sintamos o mesmo ou quase o mesmo.

Essa postura foi dominante, desde a Antiguidade clássica até o Renascimento. Em seguida, basearam-se em proporções que consideravam perfeitas. Ainda, alguns cânones de beleza que governavam a sociedade da época como o “David” de Michelangelo,  que mantém uma proporção e harmonia perfeitas. Ou seja, o tamanho da escultura oito vezes o tamanho da cabeça, representava assim o ideal de beleza masculina.

Saiba mais

De acordo com o naturalismo ou realismo, a arte deve ser como um espelho da realidade. A beleza consiste em captar a realidade da maneira mais exata possível para que a reconheçamos e admiremos. Portanto, se não consegue representar bem a realidade, considera-se que a obra não é bonita.

Posição subjetivista

A posição subjetivista afirma, portanto, que a feiúra ou a beleza das coisas está na mente de cada um, e se refere às emoções sentidas em relação a determinados objetos.

Leia Também:  Psicologia: o que é, o que estuda?

Portanto, para os defensores dessa posição, a beleza não é algo objetivo com o qual todos devemos estar de acordo, mas é algo pessoal, que depende de cada observador. Essa postura vem se espalhando desde os tempos modernos até a atualidade. Ou seja,  quando a arte deixou de ser entendida como reprodução da natureza para ser entendida como expressão da subjetividade e da liberdade do criador.

O artista não é obrigado a respeitar formas e leis naturais, mas pode alterá-las para expressar sentimentos e ideias. As teorias expressionista e simbolista são exemplos dessa posição.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Posição objetiva

    Comparando as duas posições em detalhes, podemos concluir que quando nos deparamos com a questão de ser a beleza objetiva ou subjetiva, a resposta dependerá do fato de a beleza estar no próprio objeto.

    Portanto, uma avaliação objetiva pode ser feita, pois a única coisa que tem que a nos ensinar é saber encontrá-la – independentemente da nossa opinião ou gosto pessoal a esse respeito – ou se, pelo contrário, a beleza está na cabeça de cada um e encontramos a feiúra ou a beleza a partir do que nós sentimos.

    A obra feia vai ser desagradável, a questão é que você sente o que o artista queria transmitir para você e se você não sentiu isso, então não é bonito porque essa transferência de emoções do artista para o espectador não foi alcançada através do trabalho.

    O que é beleza?

    A beleza está associada ao belo. É uma apreciação subjetiva, o que é bonito para uma pessoa pode não ser para outra. No entanto, certas características que a sociedade em geral considera atraentes, desejáveis e bonitas são conhecidas como cânones da beleza .

    A concepção de beleza pode variar entre diferentes culturas e mudar ao longo dos anos. A beleza produz um prazer que vem das manifestações sensoriais e que pode ser experimentado pela visão.

    Por exemplo, quando uma pessoa é considerada atraente do ponto de vista físico, ou por aquilo que se faz ouvir, tem uma bela voz . O olfato, o paladar e o tato, por outro lado, não estão relacionados à beleza.

    Beleza para Platão

    Platão foi o primeiro a desenvolver um tratado sobre o conceito de beleza que teria um grande impacto no Ocidente, tomando certas ideias expressas por Pitágoras sobre o senso de beleza como harmonia e proporção e fundindo-as com a ideia de esplendor.

    Para ele, a beleza vem de uma realidade alheia ao mundo, que o ser humano não é capaz de perceber plenamente.

    Beleza na arte

    Na arte, a beleza é aquela que está associada a um conjunto de princípios estéticos intrínsecos a uma determinada disciplina artística.

    Nesse sentido, a beleza é a maior aspiração artística, pois combina harmonia de formas, impacto expressivo, potencial simbólico e verdade filosófica dentro dos recursos oferecidos por disciplinas como música, literatura, dança, arquitetura, escultura, pintura e cinema, a fim de para nos comover, impressionar e nos encantar.

    Considerações finais

    Hoje em dia também é comum falar em beleza natural para se referir àquilo que é conservado naturalmente, sem que tenha havido necessidade de passar pela sala de cirurgia para corrigir qualquer imperfeição.

    Se você achou este post sobre o  conceito de beleza interessante e deseja expandir seus conhecimentos ou promover sua profissão, nós o encorajamos a se inscrever em nosso curso online de psicanalise clínica.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *