conhece-te a ti mesmo

Conhece-te a ti mesmo: significado do provérbio

Posted on Posted in Comportamento

Um dos provérbios mais famosos da história, “conhece-te a ti mesmo”, encontrava-se no pórtico de entrada do templo do deus Apolo, na cidade de Delfos na Grécia, no século IV a. C. Parece que se tratava de um ditado grego popular da época, bastante atribuído ao filósofo grego Sócrates

“Conhecimento de si próprio, das suas características, qualidades, imperfeições, sentimentos etc; que caracterizam o indivíduo por si próprio.” Essa é a definição de autoconhecimento, de acordo com o dicionário Aurélio.

Conhece-te a ti mesmo e Psicanálise

Para a psicanálise, o autoconhecimento é sinônimo de mudança de olhar sobre si mesmo e o outro, o que traz a melhor compreensão e reelaboração dos afetos, proporcionando equilíbrio e liberdade. Como se pode ver, a busca do homem pelo autoconhecimento já é bem antiga e ainda assim, a grande maioria das pessoas acaba passando pela vida, sem ter qualquer intimidade com sua própria essência, seus sentimentos e desejos mais profundos ou mesmo de suas virtudes e desafios.

O processo de autoconhecimento não é tarefa fácil e não tem fim. É importante dedicar atenção ao que te tira ou te coloca no eixo. E isso é de grande utilidade para a vida profissional e pessoal.

O auto-aprendizado se obtém por meio da observação das características que muitas vezes não nos damos conta ou que não queremos enxergar, mas que são perceptíveis nas relações com os outros. E essa observação é uma ótima maneira de mapear a própria personalidade, juntamente com os dons e, principalmente, detectar o que é necessário para fazer uma boa gestão de si mesmo.

Conhece-te a ti mesmo e autoconhecimento

A total ausência de autoconhecimento torna o indivíduo um alvo fácil de aproveitadores, de manipuladores, além de ser um verdadeiro limitador de potencialidades e de bem-estar. Quem não tem o mínimo de conhecimento sobre si mesmo, é facilmente atraído para situações desagradáveis, pois não tem opinião própria e age como se imitasse o comportamento de um rebanho.

Os “sem auto-conhecimento” são pessoas que não têm preferência por um tipo de comida, vestem-se para agradar o outro, frequentam lugares que o outro gosta, enfim, parece que falta um pouco de personalidade.

Essa falta de personalidade, na verdade, é o desconhecimento de sua própria essência. As pessoas ficam na correria do dia-a-dia e não conseguem tempo para meditar, para ler um bom livro ou para aquietar a mente e encontrar respostas sobre si mesmas. Elas acabam seguindo “a boiada” ou se tornam uma cópia desbotada do outro.

Sobre o filme “Noiva em Fuga” e  relação em conhece-te a ti mesmo

No filme Noiva em Fuga, estrelado por Julia Roberts, em 1999, a protagonista tentou se casar por três vezes, mas acabou deixando os noivos no altar. Um jornalista (Richard Gere) resolveu fazer uma matéria sobre a noiva e o resultado foi o esperado de um filme romântico tipo sessão da tarde.

Contudo, tem uma parte interessante do filme, em que o jornalista diz que ela está tão perdida que não sabe sequer como gosta de comer os ovos no café da manhã.

E, de fato, após o fim do terceiro noivado, a personagem resolveu experimentar ao mesmo tempo ovos mexidos, fritos e cozidos, para saber qual era a sua preferência, porque ela havia se habituado a comer ovos, conforme o gosto de seus antigos noivos e não fazia ideia do que ela mesma gostava.

Leia Também:  Luto na perda de ente querido: visão psicanalítica

Mas como buscar conhece-te a ti mesmo?

Há mil formas de se buscar o tão sonhado autoconhecimento. Mas em minha humilde opinião, a auto-observação e meditação são as técnicas mais eficazes. Quanto à auto-observação, é interessante começar a se questionar sobre o porquê de seus próprios comportamentos. É bom também observar as atitudes com os outros e analisar se aquele modo de proceder é bom para sua auto-estima ou para seus interesses em geral.

É quando você traz para a consciência o seu próprio comportamento e situações que ele gera em sua vida. Pode se dizer que esse é o despertar do autoconhecimento. Já a meditação é o mesmo que colocar o cérebro em “modo avião” na rotina diária. A meditação permite a consciência de seus próprios sentimentos e necessidades, sabendo que seu pensamento é responsabilidade totalmente sua.

Existe uma infinidade de formas de meditar e cada um deve encontrar aquela que mais estiver de acordo com o próprio jeito de ser. Nem precisa ser um monge budista para conseguir todos os dias fazer ao menos uns quinze minutos de meditação.

Conhece-te a ti mesmo e o despertar da consciência espiritual

O autoconhecimento vai mais além do que a conscientização do ser como indivíduo apenas. Ao se meditar, abre-se um canal com a verdadeira essência espiritual, levando àquele que medita a se aproximar cada vez mais do seu Eu superior.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Assim, o autoconhecimento ganha novas proporções, aumentando tanto o entendimento da pessoa enquanto ser biológico (com suas necessidades materiais), quanto do ser espiritual (consciência cósmica), trazendo mais equilíbrio e segurança para todos os aspectos da vida.

    A raja yoga utiliza técnicas milenares de meditação, também muito utilizadas na Ayurveda e associa o cuidado com a mente e o espírito, trabalhando muito bem a busca pela essência do ser. É um dos infindáveis métodos úteis para o autoconhecimento. Mas aqui o importante, de fato, é tirar um tempinho da correria do dia-a-dia, buscar informações, testar opções e variadas técnicas de meditação.

    Meditar é preciso!

    Caso você queira começar já a meditar, sem ter que procurar um centro de yoga, por exemplo, é simples: sente-se confortavelmente, com a coluna reta, em um lugar tranquilo e sem distrações. Uma musiquinha de relaxamento de fundo até que cai bem. Depois, é só focar mentalmente no ponto situado entre as sobrancelhas.

    Você se imagina como um ponto de luz e seu corpo como a “carenagem” de um carro. É você quem comando o “seu veículo”. Esvazie a mente de qualquer pensamento, limpando sensações. Essa é a forma mais básica para se iniciar o processo.

    Meditar é dentre outras coisas, esvaziar-se de pensamentos em excesso, do lixo mental e colocar-se na posição de auto-observador. É dar espaço para sua mente poder processar melhor as informações que chegam até ele e ter um melhor discernimento. Dessa forma, é possível alcançar o mais profundo do seu eu.

    Considerações finais

    Realmente, meditar não é algo fácil, especialmente quando se inicia a prática. É capaz que seu pensamento esteja acelerado e você não consiga ficar três segundos com a mente vazia, porque está preocupado com as contas do fim do mês, com as crianças gritando, com as compras no mercado ou com o cachorro que bem na hora da sua meditação resolveu latir sem parar.

    Leia Também:  Traição e relações extraconjugais segundo psicanalistas

    Tudo isso é normal, acredite. Meditar necessita de treino e de boa vontade, mas quando você pega o jeito, é bom tomar cuidado para não perder a hora, porque simplesmente, não se sente o tempo passar e uma sensação de leveza invade o seu ser.

    Por fim, uma boa leitura ao final do dia, seja de auto-ajuda, de filosofia, sobre assuntos ligados à psiquê humana ou neurociências, é sempre uma forma de ampliar seus conhecimentos sobre si mesmo, sua relação com o outro e com o próprio universo.

    O presente artigo foi escrito por Ellyane Amigo. Jornalista, advogada, psicanalista e terapeuta holística, com ênfase em tratamento de fibromialgia. Atende na tijuca, Rio de Janeiro. E-mail de contato:[email protected]

    3 thoughts on “Conhece-te a ti mesmo: significado do provérbio

    1. Quando se alcança o autoconhecimento é um sinal claro de amadurecimento, é o momento de virada de chave do ser humano, é quando se percebe sua missão neste mundo e todos os erros cometidos no decorrer da vida, onde gerou gatilhos emocionais que o travou , magoou , e fez a vida ficar sem sentido e muito triste no momento vivido, porém quando o amadurecimento acontece olhamos para trás e agradecemos por ter passados por inúmeros perrengues, porque eles hoje nos dão um norte, nos fortaleceu e jamais iremos cometê-los novamente sem uma boa reflexão, visto que se aprendeu com os erros e sabe o que acontece se continuar seguindo a mesma linha! Prática, experiência, observação são os temperos que fazem um humano ser melhor a cada dia.

    2. ” Olhe para dentro, para as suas profundezas, aprenda primeiro a se conhecer”… FREUD

      “Se conhecer ” foi o motivo e objetivo primordial que me fez se matricular nesse curso…enquanto eu não me conhecer vou julgar o externo erroneamente e muitas vezes injustamente… Sendo que nem me conheço como julgarei o que nem cônico…

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *