Especial dia das crianças: a infância para a psicanálise

Posted on Posted in Psicanálise e Cultura

Anualmente, nós comemoramos o dia das crianças no dia 12 de outubro. Essa data é muito importante para que nós lembremos como é bom ser criança e como é necessário que passemos por essa fase da melhor maneira possível. Quando nós somos crianças, nós entramos em contato com muitas coisas novas e intensas. Por isso, nossa mente tem que ser capaz de analisar, interpretar e desenvolver um entendimento sobre tudo.

Mas, então, como a psicanálise entende a infância? Hoje, vamos abordar as questões dos complexos envolvendo as crianças e as fases do desenvolvimento psicossexual. Ficou curioso? Então continue a leitura!

O que é o dia das crianças?

No Brasil, o dia das crianças foi instituído em 1925, mas só começou a ser comemorado anos depois. Assim, sua comemoração se deu pelas empresas, que instauraram a “semana da criança”, influenciando a compra de presentes. Por isso, como uma data comercial, muitas vezes se esquece da real importância do dia das crianças: lembrar a necessidade de dar apoio à infância.

Além disso, o Estatuto da Criança e do Adolescente afirma que é responsabilidade da família, do Estado e da comunidade e da sociedade em geral auxiliar o crescimento e desenvolvimento das crianças. Assim, é necessário fornecer uma boa base familiar e um bom convívio social, para que a criança cresça com dignidade e com boas referências. Porém, muitas vezes, isso não é respeitado. Por isso, algumas crianças crescem em lares desestabilizados, nos quais suas mães podem viver em situação de violência (física ou sexual), ou em um ambiente com muitas brigas.

Situações como essas podem desestruturar a psique da criança, que crescerá com um ideal errado de família. Ademais, há muitos estudos sobre a família de pessoas adultas com problemas sociais ou que praticam extrema violência. Ou seja, a base familiar é responsável por aquilo que a criança se tornará quando adulta. Portanto, é importante que, pensando no dia das crianças, nós lembremos da necessidade de oferecer um bom lar e círculo familiar para nossas crianças.

O desenvolvimento psicossexual das crianças

Antigamente, pensava-se que as crianças eram seres “puros” e sem “intenções sexuais”. Porém, com as descobertas de Freud, foi instaurado a existência de algumas fases do desenvolvimento psicossexual na infância. Hoje, é importante termos em mente que, como pais, não devemos hostilizar ou proibir nossos filhos das descobertas acerca da sexualidade. Porque isso pode gerar um recalque e problemas sexuais na fase adulta. Além disso, antes de apresentarmos as fases do desenvolvimento psicossexual, é necessário ressaltar que elas se interlaçam e, por isso, não são extremamente fixadas quanto à idade.

Assim, são cinco as fases sexuais. A sexualidade é um instinto humano, ou seja, deve ser desenvolvido.

Fase Oral

A fase oral acontece até o 1º ano de idade, sendo agraciada pelo ato da amamentação. O bebê sente prazer ao manipular a boca, mas isso não significa prazer sexual. Além disso, a criança descobre o mundo pela boca, e, por isso, levam muitos objetos até ela.

Fase Anal

A fase anal acontece dos 2 aos 4 anos, aproximadamente.  Nessa fase, a criança começa a controlar suas idas ao banheiro. Ou seja, ela começa a ter controle dos esfíncteres, descobrindo que pode controlar as fezes. É nessa idade que as crianças começam a aprender sobre a necessidade de estar limpo.

Leia Também:  15 filmes de Mitologia Grega

Fase Fálica

A fase fálica tem início aos 4 anos e vai, provavelmente, até os 6. Nessa fase, as crianças começam a descobrir a região genital e fixam sua atenção nisso. Portanto, é normal que haja perguntas acerca do tamanho do pênis ou da inexistência do falo nas meninas. Assim, as crianças começam a descobrir as diferenças anatômicas, tanto de um sexo para o outro, quanto de uma idade para a outra. Nessa fase, as meninas podem desenvolver o complexo de Electra, em que elas se sentem atraídas pelo pai e, portanto, criam rivalidade com a mãe. Além disso, os meninos podem ter o complexo de Édipo, no qual há a atração do menino pela mãe, criando rivalidade, portanto, com o pai.

Fase de Latência

Essa fase vai dos 6 até o início da pré-adolescência, aos 11 anos. Nesse período, há um deslocamento da libido sexual das crianças para alguma atividade com padrão social. Ou seja, a criança foca em atividades escolares e com outras pessoas.

Fase Genital

A fase genital começa a partir dos 11 anos, o início da adolescência. Assim, há a volta dos impulsos sexuais. Ademais, há o início dos romances e paqueras e a busca por um objeto de desejo. Por isso, essa fase é uma fase de mudanças, na qual a criança deixa de ser criança, e passa para uma fase de muitas descobertas e ensino, deixando a figura infantil para trás.

Conclusão

Por fim, concluímos que a fase da infância é importantíssima para o nosso desenvolvimento social e humano. Além disso, é importante que saibamos que é na infância que acontecem as maiores descobertas e, por isso, não cabe aos pais privarem os filhos de terem acesso ao conhecimento (adaptado para a realidade infantil). Portanto, as fases do desenvolvimento psicossexual são importantíssimas para o desenvolvimento humano.

Gostou do artigo e quer aprofundar seus conhecimentos sobre a psicanálise e sua atuação na vida das pessoas? Então se inscreva no nosso curso, 100% online e completo, de Psicanálise Clínica. Com ele, você terá a oportunidade de aumentar seu autoconhecimento e de ser um psicanalista de sucesso!

 


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.


 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − 2 =