Freud e Lacan

Freud e Lacan: 4 semelhanças e 4 diferenças

Posted on Posted in Psicanálise, Teoria Psicanalítica

Até hoje existem comparações entre Freud e Lacan, dois dos maiores psicanalistas da história. Embora cada um possua abordagem distinta, fica difícil não posicionar suas linhas de pensamento e ação dentro da Psicanálise. Vamos conferir 4 semelhanças e 4 diferenças entre eles.

Mesmas diretrizes

Freud e Lacan foram homens incríveis com propostas revolucionárias em suas áreas e épocas de atuação. Fica difícil contemplar a expressão “mestre e aluno”, já que não se tem registros oficiais de um encontro e ensinamento direto entre os dois. Entretanto, ambos partilhavam ideias brutas sobre os mesmos temas.

Sigmund Freud e Jacques Lacan tinham diretrizes semelhantes a respeito da estruturação e comportamento humano. Justamente por isso que a continuidade dada pelo segundo ao primeiro funcionou tão bem no campo clínico. Essencialmente, as propostas são as mesmas, embora com estruturações distintas e pessoais.

O inconsciente se constrói como uma linguagem

A Psicanálise de Freud e Lacan deixa bem evidente que a linguagem possui papel vital na construção do indivíduo. É por meio dela e dos seus representantes que se formaliza uma ideia sobre tudo o que não temos acesso. As etapas de criação do desenvolvimento humano se completam, transformam e se traduzem desse modo.

Por causa disso que ambos tinham um empenho vigoroso em estabelecer padrões em relação a isso. A seu modo, cada interpretou a natureza obscura da humanidade e como a nossa essência se forma.

Os que falam podem acessar o seu inconsciente

Apesar de parecer uma afirmação boba, avaliando o aspecto geral, é algo a ser visto. De acordo com o trabalho de ambos, somente os que falam podem interagir com o inconsciente. Isso acaba por refletir em como a Psicanálise não teria efeito em outros animais além dos seres humanos.

Lembre-se que “a cura pela fala” é a estrutura central do método terapêutico e é por meio desta que tudo é revelado. Angústia do afeto em Lacan e Freud, corpo e sexualidade em Freud e Lacan… Abordar esses conceitos sem a fala seria como tentar remar dentro de um deserto.

A fala é do indivíduo

Por seguirem as mesmas linhas de trabalho, Sigmund Freud e Jacques Lacan respeitavam a linearidade da sessão. Como terapeutas, evitavam ao máximo intervir na palavra do paciente. A cura pela fala advinha das palavras do indivíduo, e não do psicanalista.

Isso acontecia porque não queriam interferir no desenvolvimento de raciocínio do outro, evitando interferências nisso. Assim, sem contaminar o processo de criação do indivíduo, se tinha mais clareza e originalidade sobre o que este precisava dizer.

O tempo faz parte da terapia

Uma das principais diferenças entre Freud e Lacan se deu no tempo de sessão de atendimento. Embora respeitasse e tivesse se voltado às origens do método, isso não significava submissão ao pensamento freudiano por completo. Enquanto outros psicanalistas se atinham genericamente ao tempo da sessão, para Lacan ele era parte da terapia.

Com isso, o terapeuta estabeleceu que:

A sessão poderia ser mais flexível

Há casos em que algumas sessões duravam poucos minutos, algo que enfurecia outros estudiosos. Contudo, Lacan sempre se mostrou satisfeito por sua abordagem mais fluida diante dos resultados.

O tempo é ingrediente da sessão

Um problema somente era trabalhado na medida em que era necessária uma atenção. Isso porque as sessões de Psicanálise padrão duravam semana e não menos que 40 minutos por visita. Ao elaborar um novo sistema, integrou totalmente a abertura temporal a favor de todos.

Leia Também:  Sigmund Freud e Karl Marx: qual relação?

Expansão

Fica claro em qualquer ponto a retomada de Lacan sobre o trabalho realizado por Freud. Este sendo uma de suas principais referências, tinha um rico trabalho transitando entre completo e acabado, muito por escolha própria. Este é outro ponto de divergência entre os dois: Lacan era mais “ousado”, indo além do que uma ideia se propunha.

De concreto, isso fica visível no alcance das ideias iniciais de Freud, bem como a sua reformulação. Contudo, não é um passe para que se afirme a relevância ou maioridade de um sobre outro. Dada às necessidades presentes, cada um reagiu de modo distinto e conforme com as suas prioridades.

Complexo de Édipo

Ambos tinham visões distintas, ainda que na mesma fonte, sobre Complexo de Édipo. Entre Lacan e Freud, o último tinha uma visão romantizada dessa época de desenvolvimento infantil. Nisso, se mantinha a esse trabalho como um fenômeno ou respeito de gênero pela referência de trabalho.

Lacan, por sua vez, olha para esse objeto de forma mais lógica e estruturada. Nisso, divide em tempos racionais que correspondem à transição do Imaginário ao Simbólico. Nas palavras dele, “Complexo de Édipo é uma história definindo o lugar no impossível, não sendo sentimento ou fase, mas um mito”.

Negação

Outra diferença entre Freud e Lacan é a abordagem a respeito da negação do outro. Enquanto Freud se limitava a alguns pontos, Lacan se propunha a atravessar e explorar outros, como o recalque. para Freud a negação acontecia através da:

Neurose

A neurose é vista como peça psíquica que se liga diretamente com a angústia. Embora lide bem com suas atividades diárias, é difícil resolver satisfatoriamente seus conflitos internos. É bastante comum, por exemplo, sinais de ansiedade e culpa em um indivíduo neurótico.

Psicose

A psicose é uma falha que afeta diretamente a percepção e pensamento de um indivíduo. Com isso, tem dificuldades em reconhecer regras e lidar com elas. Consequentemente, os psicóticos ficam impossibilitados de não fazerem ações radicais e não sentem remorso por isso.

Perversão

A perversão está ligada diretamente com a busca pelo prazer constante no indivíduo. Assim, reconhece as regras existentes em um ambiente, mas as ultrapassa e se sente bem com isso. É um baderneiro, de modo que goste de derrubar qualquer ordem natural que encontre em seu caminho.

Bônus: sobre o desejo

Para encerrar o texto sobre as diferenças entre Freud e Lacan, trazemos uma abordagem sobre a questão do desejo. Para Freud, o desejo é um direcionamento para um vivência satisfatória que acalmou uma necessidade anterior. Por exemplo, pense na fome no bebê e o desejo dele de saciá-la.

Por sua vez, Lacan aponta o desejo para algo como anseio, cobiça, construindo o desejo veemente. A anulação do desejo em Freud e Lacan deriva diretamente das escolhas de estruturação quanto às referências. Embora ele fosse uma boa fonte para si, Lacan se mostrava independente de Freud a ponto de formular sua própria perspectiva sobre.

Considerações finais sobre Freud e Lacan

Compreender as semelhanças e diferenças no trabalho de Freud e Lacan é tarefa complexa. Em essência, existem pontos mínimos que diferem ambos psicanalistas. Ainda que Lacan se estruture na raiz do trabalho de Freud, não quer dizer que tenha feito suas próprias nuances.

Entretanto, fazer uma releitura de ambas as obras é um convite à reflexão sobre a abordagem terapêutica na humanidade. Independente de qualquer coisa, fica bastante evidente os progressos alcançados graças a essas propostas. Ao fim das contas, vale a pena a união de ambas as mãos em um caminho de entendimento e compreensão.

Leia Também:  Freud, o pai da Psicanálise

Para te ajudar nisso, se inscreva em nosso curso de Psicanálise 100% online o quanto antes. Além de melhor o estudo de ambos, isso impacta positivamente em sua transformação pessoal e como isso acrescenta em sua jornada. Poderá notar que Freud e Lacan, além de tantos outros, trarão com seus estudos um pilar essencial para você conduzir sua vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × dois =