freud interpretar sonhos

Freud: Um gênio na arte de interpretar sonhos

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

Em se tratando de psicanálise, o sonho é “o espaço para realizar desejos inconscientes reprimidos”. Foi descoberto, que até bebês no útero tem sono REM e sonham.

Em 1900, com a publicação de sua obra “A interpretação dos sonhos”, que Freud deu um caráter científico ao sonho, que antes não tinha grande importância, e definiu o conteúdo do sonho como a realização de um desejo.

A interpretação dos sonhos para Freud e Jung

Para Freud, existe o sentido do sonho manifesto (a fachada), e o sentido do sonho latente (o significado propriamente dito). O sonho manifesto, como uma fachada, serviria para o superego despistar a interpretação, pois ele escolhe o que se torna consciente e o que permanecerá no inconsciente. Freud se especializou na arte de interpretar sonhos.

Por meio de interpretação simbólica, fatiando o sonho em várias partes, o sentido latente revelaria o desejo de quem sonha.

Para Jung, os sonhos, além da satisfação dos desejos reprimidos, serviriam como uma busca da psiquê pelo equilíbrio, por meio da compensação.

Mas, como a arte de interpretar sonhos, surgiu com Freud, o grande mestre, irei me a ter a ele e às suas ideias.

Segundo Freud, os objetos no sonho são derivados de cargas emocionais e através dele, pode-se chegar às emoções que geraram esse sonho, ou seja, ao conteúdo que antes fazia parte do inconsciente e estava reprimido, podendo
assim desvendar o porquê de várias questões, que antes incomodavam o paciente e, às vezes, tornavam se tormentas, impedindo que o paciente tivesse uma vida normal.

A linguagem dos sonhos e sua interpretação

A linguagem dos sonhos são os símbolos, e através da interpretação, podemos chegar a uma fotografia do inconsciente.

E, para entender os diversos conteúdos dos sonhos, temos que reconhecer o que tais símbolos representam, sendo fundamental para isso, fatiar mais os sonhos e, através disso, ouvir o paciente, fazendo as associações do que cada parte representa para ele, a forrma como ele lida emocionalmente com cada objeto do sonho, a forma com que cada objeto representa para sua vida, sua história.

Isso varia de pessoa para pessoa.

E, também, o que cada pessoa sente quanto a cada objeto do sonho é fundamental para a sua interpretação. E isso é individual.

Para Freud, a questão do inconsciente reprimido, que é o objeto da arte de interpretar sonhos, passa pelos “traumas” da infância, traumas esses que são, muitas vezes, fantasias inconscientes do passado. E que, através dos sintomas apresentados no presente, o psicanalista vai se aprofundando em sua arte de analisar os sonhos e desvendar as fantasias do inconsciente.

Assim, o paciente se libertará do seu sofrimento.

Os sonhos e sua relação com o Inconsciente

Para a psicanálise, o conteúdo onírico é de grande importância para se entender o inconsciente. E essa descoberta revolucionou o estudo da mente. O processo de elaboração dos sonhos, são as operações mentais inconscientes, por meio das quais o conteúdo latente do sonho se transforma em conteúdo manifesto.

O conteúdo latente se forma da soma das impressões sensoriais noturnas, dos restos do dia (preocupações e quaisquer atividades realizadas), das ideias e pensamentos das atividades do dia e dos impulsos do Id.


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.


As impressões sensoriais noturnas dizem respeito às impressões que os sentidos captam, mesmo durante o sono, tipo buzina, qualquer barulho alto, desejo de urinar, frio, sede, dor, fome, calor…

Leia Também:  Interpretação de sonhos: 20 sonhos mais comuns

Em relação ao “resto do dia”, que podem participar do sonho latente, inclui-se as preocupações e atividades envolvidas durante o dia (incluindo
sentimentos de medo, orgulho, esperança, humilhação etc.), que permanecem ativos durante o sono.

Em relação aos impulsos do ID, pode ser um ou vários, que foram banidos da consciência pelas defesas do ego ( principalmente as ocorridas durante as fases pré e dizia nas e edipianas).

Ou seja, a parte latente relacionada aos impulsos do ID, referem se aos desejos reprimidos da primeira infância e é geralmente infantil. Para Freud, essa é a parte principal do conteúdo latente, a que vem dos desejos reprimidos do ID. É o que contribui mais para a arte de interpretar sonhos.

O conteúdo manifesto dos sonhos são as imagens tal como são recordadas ao despertar.

Os mecanismos de formação dos sonhos

A elaboração do sonho, a partir dos impulsos reprimidos do ID, cria distorções e disfarces onde se mostra o sonho manifesto. Os processos envolvidos na elaboração do sonho atuam na formação do disfarce do conteúdo latente, podendo tornarás e irreconhecível no conteúdo manifesto.

O processo de deformação do conteúdo latente passa por vários mecanismos ou fases da elaboração dos sonhos:

  1. Concretização ou dramatização,
  2. Condensação,
  3. Multiplicação ou desdobramento,
  4. Deslocamento,
  5. Representação pelo Oposto,
  6. Representação pelo Nímio e
  7. Representação Simbólica.

O papel do Psicanalista ao interpretar sonhos

O psicanalista deve ter a competência para entender esse processo de deformação do conteúdo latente, para estar apto a interpretar melhor os sonhos dos pacientes. A interpretação dos sonhos é a principal via para acessar o inconsciente.

E o psicanalista tem o papel de auxiliar o paciente a compreender o que foi manifestado através de cada sonho.

Ao psicanalista cabe a perspicácia, a arte de transformar o inconsciente em material para a libertação do sofrimento de cada paciente.

Durante a história, tivemos vários filósofos, pensadores, cientistas e matemáticos, que tiveram sonhos reveladores e em várias religiões e culturas, os sonhos são vistos também como premonitórios.

O próprio Freud, em sua obra prima, “A interpretação dos Sonhos”, cita Shakespeare, no final do livro, “Há mais mistérios entre o céu e a terra que possa supor nossa vã filosofia.”, demonstrando sua humildade e genialidade. Um gênio na arte de interpretar sonhos.

Sobre a Autora

Este artigo sobre Freud e a interpretação dos sonhos foi escrito por Karla Oliveira (psicanalista e psicoterapeuta, Rio de Janeiro – RJ), exclusivamente para o nosso blog Psicanálise Clínica. Contato da autora: kaiol23517@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + 14 =