gastrite nervosa

Gastrite nervosa: principais sintomas e tratamentos

Posted on Posted in Conceitos e Significados, Transtornos e Doenças

Você já sentiu aquela queimação no estômago, tomou remédio, mas mesmo assim, não resolveu? Sua alimentação não é tão ruim, no entanto, você ainda sente indisposições e outros sintomas? Saiba que há uma chance de você ter gastrite nervosa.

Hoje, iremos falar sobre essa doença, que, para além de outros tipos de doenças do estômago, guarda uma relação íntima com o nosso estado emocional. Sendo assim, acompanhe essa leitura!

O que é a Gastrite Nervosa?

A Gastrite Nervosa também recebe o nome de dispepsia funcional, que na verdade é o seu nome de fato. Gastrite Nervosa não é o nome ideal, porque ela não causa inflamação no estômago, de acordo com um artigo do Ministério da Saúde que saiu em 2018.

Entretanto, os sintomas são bem parecidos de uma gastrite comum. Quando a pessoa sente dores na “boca” do estômago, ou atrás, perto do duodeno, sensação de estufamento, azia etc, ela tende a achar que remédios convencionais irão resolver.

No entanto, apesar de a automedicação é algo bem recorrente entre nós, brasileiros esse hábito não é bom. Dessa forma, procurar medicamentos por conta própria não é o recomendado em casos de gastrite nervosa. Porém, isso acontece por muitas vezes.

Como nesse caso, dificilmente o problema encontra uma solução, o portador dessa doença deve prestar atenção no seu emocional. É isso que pode afetar em demasia a sua saúde. Quando a pessoa passa por muito estresse e ansiedade, esses sintomas podem ser recorrentes e se agravarem.

Sintomas da Gastrite Nervosa

Alguns sintomas nós já pontuamos, mas vamos elencar novamente cada uma, para que você tenha uma compreensão melhor:

– Azia
– Enjoo e vômitos
– Dores no estômago
– Refluxo gastroesofágico
– Gases e arrotos frequentes
– Digestão lenta
– Diarreia
– Perda de apetite
– Indisposição geral etc

O caminho para se chegar à gastrite nervosa é bem claro. Quando a pessoa passa por momentos estressantes, seja no trabalho ou em casa, ou mesmo se preocupa demais com diversas coisas, o estômago começa a sentir os efeitos.

Nesse caso,o corpo passa a produzir o suco gástrico em excesso, corroendo a parede interna do órgão.

Se a pessoa perceber que a cada momento de nervosismo e ansiedade enfrentado, ela sofre dores no estômago, é possível dizer que se trata de uma gastrite nervosa. A ciência já nos mostrou por diversas pesquisas que há conexões íntimas entre o cérebro e o sistema digestivo.

Por exemplo, quando ficamos nervosos diante de uma apresentação de seminário ou uma entrevista e aí, precisamos ir ao banheiro. Isso significa que o sistema digestivo funcionou com mais rapidez, mostrando uma interligação entre o intestino e o sistema nervoso.

A mesma coisa acontece com o estômago. Em casos de ansiedade, isso se reflete na velocidade em que comemos. Assim, ao não mastigarmos os alimentos devidamente, podem ocorrer dores estomacais.

Identificando a Gastrite Nervosa

Ao notar esses sintomas, uma consulta ao gastroenterologista é mais do que necessária. Nela, o médico irá fazer algumas perguntas a respeito do histórico da pessoa: do que ela se alimenta, se consome frituras, doces, refrigerantes etc.

De acordo com as respostas, o médico irá recomendar exames, para verificar se realmente existe um quadro de gastrite nervosa. Alguns dos exames são a endoscopia, exames de sangue e ultrassom.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Por fim, com o resultado em mãos, o médico poderá receitar remédios antiácidos, para que o estômago tenha tempo de cicatrizar as feridas, caso as tenha. Somado a isso, uma dieta balanceada é de suma importância, até mais do que a medicação. Os detalhes sobre uma alimentação adequada falaremos logo a seguir.

    Leia Também:  A crise ética e moral brasileira à luz da Psicanálise

    Tratamentos para a Gastrite Nervosa

    Como comentamos no tópico anterior, a recomendação de manter uma boa alimentação é mais importante do que a própria medicação. O motivo disso é porque a medicação receitada é apenas por algum tempo. Raramente o paciente irá tomar antiácidos de modo contínuo. Já a alimentação, não.

    Assim sendo, a partir do momento em que deixamos de comer certos alimentos, além de ter uma saúde melhor, o estômago passa a produzir menos ácido e assim, diminuir ou extinguir os sintomas.

    Então, alimentos que contém muita gordura devem ser evitados. São eles: carne vermelha em excesso, carne suína, frituras, chocolate, café, leite e pimenta. Além disso, bebidas com cafeína como chá preto, bebidas alcoólicas, refrigerantes, água com gás… todas estas bebidas precisam ser retiradas do seu cardápio se você não quiser ter mais crises de gastrite.

    E mais: o fumo também é prejudicial não só à saúde no geral como para o sistema digestivo. Portanto, procure não deitar logo após as refeições. Dê um espaço de, pelo menos, duas horas entre as refeições e o sono. Ademais, não beba durante as refeições e mastigue bem os alimentos.

    Por fim, não fique muito tempo de jejum. Ao fazer isso, o ácido do estômago não terá alimentos como alvo da digestão, restando mais uma vez as paredes do estômago. Para evitar tal problema, o recomendado por especialistas é se alimentar de três em três horas.

    Outras recomendações

    Atividade física

    Mais uma vez, as atividades físicas são sempre bem vindas e auxiliam no tratamento para a gastrite nervosa. Isso porque ao se exercitar, queimamos mais gordura e o nosso corpo é preparado para digerir os alimentos mais rápido e melhor.

    Chás naturais

    Inclua o consumo de chás naturais no seu dia a dia. Você pode ingerir juntas as folhas como espinheira-Santa, cipó-prata e graviola. A camomila, a hortelã e a erva cidreira também são ótimas nesse caso. Todas essas folhas tem propriedades cicatrizantes e calmantes, que vão diminuir a irritação das paredes do estômago. Contudo, o ideal é que o consumo seja de 2 a 3 vezes ao dia.

    Ademais, apenas um adendo: recomendamos os chás, porém, eles não substituem o tratamento médico. Por isso, procure um especialista.

    Acalme-se

    Para quem já é agitado e estressado por natureza, aqui vai a mensagem: desacelera! É fato que nesse mundo corrido em que vivemos fica cada vez mais difícil seguir esse conselho. Porém, o cansaço mental sempre reverbera no corpo.

    Um dos remédios para a gastrite nervosa, com certeza é levar uma vida menos estressante. Assim, procure resolver as pendências que vem lhe atormentando. Afaste a ansiedade através de técnicas como meditação e yoga. Adote um hobby como assistir filmes e séries ou tocar um instrumento. Evite o excesso de redes sociais.

    Ademais, se mesmo assim você perceber que não houve uma melhora, pense na possibilidade de procurar ajuda terapêutica. Seu médico já pode fazer um diagnostico preciso a partir das informações que você der e encaminhá-lo a um psicólogo ou psiquiatra. Com esse especialista, pode ser descoberta a raiz de seus problemas.

    Considerações finais sobre a gastrite nervosa

    Mostramos para você o que é a gastrite nervosa e como ela age no corpo. Ela é fruto de conexões entre o sistema nervoso e o digestivo. Assim, caso haja episódios de estresse, ansiedade ou até depressão, podem haver consequências no seu estômago. Por isso, não hesite em procurar ajuda médica.

    Leia Também:  O que é narcisista em Psicologia?

    Os males da mente e do corpo também são abordados no nosso curso online de psicanálise clínica. Nele, você terá o suporte de profissionais habilitados que lhe darão o caminho para que você, ao final do curso, consiga clinicar e ajudar o próximo.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *