Inteligência emocional em vendas

Inteligência emocional em vendas: 7 técnicas

Posted on Posted in Conceitos e Significados, Profissões e Psicanálise, Psicanálise

Precisando de inteligência emocional em vendas? Neste artigo, reunimos uma série de instruções para que você aplique a gestão eficiente das emoções na sua vida na hora de vender. 

Como se trata de um conteúdo sobre inteligência emocional, ainda que você não seja vendedor, vai aproveitar na sua vida pessoal e profissional. Confira!

Para começo de conversa, por que é possível empregar conceitos de inteligência emocional em vendas?

Você precisa de inteligência emocional em vendas porque vender pode ser um processo extremamente desgastante para as suas emoções.

Nem sempre o vendedor consegue fechar todos os contratos e nem todos os clientes em potencial se transformam em clientes de fato. Quando essas emoções não ficam sob controle, elas podem interferir nas próximas tentativas de vida e até mesmo na maneira como você enxerga o que vende.

Não conseguir vender pode ser frustrante, mas o desgaste não pode transparecer para o seu potencial cliente. Assim sendo, para que as suas vendas não sejam afetadas pelas suas emoções, é importante aprender a lidar bem com as próprias emoções. 

Sete técnicas de inteligência emocional em vendas: confira e veja o seu trabalho ser cada vez mais frutífero!

A seguir, compartilhamos com você sete dicas práticas sobre como aplicar conceitos de inteligência emocional para o seu dia a dia e, principalmente, sua profissão. Confira!

1. Autoconsciência – Descubra o que faz você reagir emocionalmente

A nossa primeira orientação para que você desenvolva mais inteligência emocional é ser uma pessoa que se conhece bem. 

Você saberia dizer, por exemplo, quais são os gatilhos que fazem com que você se sinta nervoso? 

Essa é uma informação importante porque, descobrindo o que faz você suar e  gaguejar, por exemplo, você pode trabalhar para evitar esse descontrole emocional na hora de conversar com potenciais clientes.

Em uma conversa importante assim, você é a pessoa que mais tem que acreditar naquilo que está vendendo. Se o seu interlocutor percebe que você está titubeando, essa impressão pode interferir no processo de compra. 

2. Autocontrole – Estude e aplique técnicas para agir intencionalmente

Além de conhecer o que ativa reações emocionais em si mesmo, para exercer a inteligência emocional em vendas, é necessário controlar essas emoções quando elas aparecerem.

Nem sempre será possível evitar que raiva, frustração, medo e vergonha sejam sentidos. Ainda assim, é totalmente possível controlar como o seu corpo reage a elas para que seu cliente também não seja afetado.

Ao identificar cada gatilho, investigue o que você pode fazer para não responder emocionalmente a ele e acabar se descontrolando. 

Por exemplo, se você começa a gaguejar quando um cliente apresenta uma objeção ao que você vende, antecipe as objeções possíveis. Dessa forma, você não se perderá elaborando uma resposta na hora.

3. Preparação – Conheça bem aquilo que está vendendo

Essa dica se conecta bastante ao que falamos logo acima. Se você conhece bem aquilo que está vendendo, pode antecipar as objeções dos possíveis clientes e falar com muito mais segurança.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Caso esteja se perguntando a respeito do que deve saber, procure estudar os principais diferenciais competitivos do seu produto ou serviço com relação ao que o mercado oferece.

    Por exemplo, se o seu cliente perguntar qual a diferença entre o que você e seus concorrentes vendem, é importante ter uma resposta pronta mais ou menos preparada.

    4. Empatia – Coloque-se no local do seu possível cliente

    A empatia é outra característica fundamental para quem deseja ter inteligência emocional em vendas. Você não deve pensar apenas em si mesmo quando for se comunicar, principalmente na condição de quem vende algo.

    Lembre-se sempre que uma venda depende de uma boa comunicação com o cliente. É a partir desse esforço de conexão que ele entende quão bem seu serviço ou o seu produto resolve um problema que ele tem. 

    É pensando em como ele se sente diante do que você está falando que você escolherá  abordagens sensíveis, educadas e respeitosas. Quando não pensamos nos outros tendemos a ser agressivos, desnecessariamente incisivos e, por muitas vezes, inconvenientes.

    5. Escuta – Aprenda a compartilhar os turnos conversacionais

    Reflita um pouco sobre como você conversa com seus clientes. Você está tão desesperado para vender que acaba falando mais do que escutando? 

    Leia Também:  Sonhar com pessoa que já morreu sorrindo

    Se a resposta para a pergunta acima for sim, é importante refletir sobre o seu estilo de venda. Sem a escuta, você fica sabendo do que o seu cliente precisa e não necessariamente oferece o que ele precisa.

    Um turno conversacional é a “vez de falar”. Em uma conversa, cada pessoa deve poder falar sem ser interrompida.

    Nesse contexto, você pode estar se perguntando o que escutar tem a ver com inteligência emocional, não é mesmo?

    Respondemos: falar sem parar é um sinal de que você está deixando as suas emoções controlarem a conversa. A sua urgência em vender é maior do que a de se comunicar genuinamente com o outro, o que não é interessante para seu interlocutor. Logo, a comunicação fica truncada e sem verdade, o que não tem utilidade para ninguém.

    6. Linguagem não-verbal – Desenvolva a habilidade de controlar tanto o que diz quanto o que o seu corpo comunica 

    Parte da sua inteligência emocional em vendas também está em controlar o que o seu corpo comunica. Ou seja, não basta ser intencional e se controlar no que fala – é importante estar atento ao que o seu corpo diz sobre o seu estado de espírito.

    Por exemplo, você pode estar falando sobre o seu produto com aparente convicção na voz. Contudo, o seu corpo denuncia certo nervosismo e falta de fé no seu produto porque você desvia demais o olhar ou mexe demais as mãos e pés. É importante estudar seus gestos e sua postura para se sentir seguro e transmitir segurança também.

    7. Carisma – Não importa como você esteja se sentindo, não abandone a simpatia e a boa educação em uma interação de vendas 

    Por fim, não custa nada vender com simpatia. 

    O carisma e o bom humor aproximam as pessoas umas das outras. Por outro lado, um rosto carrancudo sugere falta de vontade e disposição.

    Parte do seu esforço para ter mais inteligência emocional na hora de vender diz respeito a colocar o seu trabalho na frente das suas emoções. 

    Ou seja, ainda que esteja se sentindo triste ou com raiva, na hora de vender você se controla para tratar seus clientes com gentileza e simpatia.

    Considerações finais

    Esperamos que esse conteúdo ajude você a desenvolver cada vez mais inteligência emocional em vendas. Você verá que ao aplicar cada uma dessas orientações, suas vendas se tornarão mais tranquilas para você. Será mais fácil controlar as suas emoções e não deixar que elas interfiram no seu trabalho.

    Além disso, as vendas serão mais proveitosas para os seus clientes. Eles entenderão melhor o que você vende e se sentirão mais predispostos a escutar o que você tem a dizer.

    Se esse tema te interessa, você pode se aprofundar na psicologia da inteligência emocional em vendas em nosso curso de psicanálise clínica 100% online. Nele, trabalhamos conceitos de psicanálise como uma ferramenta que auxilia profissionais. Além disso, se você está pensando em fazer uma transição de carreira, ao concluir o curso você receberá um certificado que te habilita a clinicar como psicanalista. Te aguardamos!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.