José e seus irmãos

José e seus irmãos: a rivalidade vista pela Psicanálise

Posted on Posted in Conceitos e Significados

O presente artigo tem por objetivo de realizar uma abordagem psicanalítica acerca da pessoa de José e seus irmãos. O texto aqui presente pode ser encontrado em Gênesis, primeiro livro da Bíblia.

José e seus irmãos

Destacarei alguns trechos do texto selecionado para fins de estudo e aprofundamento.

O texto segue abaixo: “Jacó ficou morando na terra de Canaã, onde o seu pai tinha vivido. Esta é a história da família de Jacó. Quando José era um jovem de dezessete anos, cuidava das ovelhas e das cabras, junto com os seus irmãos, os filhos de Bila e de Zilpa, que eram mulheres do seu pai. E José contava ao pai as coisas erradas que os seus irmãos faziam. Jacó já era velho quando José nasceu e por isso ele o amava mais do que a todos os seus outros filhos.

Jacó mandou fazer para José uma túnica longa, de mangas compridas. Os irmãos viam que o pai amava mais a José do que a eles e por isso tinham ódio dele e eram grosseiros quando falavam com ele. Certa vez José teve um sonho e o contou aos seus irmãos. Aí é que ficaram com mais raiva dele porque ele disse assim: Escutem, que eu vou contar o sonho que tive. Sonhei que estávamos no campo amarrando feixes de trigo.

De repente, o meu feixe ficou de pé, e os feixes de vocês se colocaram em volta do meu e se curvavam diante dele. Então os irmãos perguntaram: Quer dizer que você vai ser nosso rei e que vai mandar em nós? E ficaram com mais ódio dele ainda por causa dos seus sonhos e do jeito que ele os contava. Depois José sonhou outra vez e contou também esse sonho aos seus irmãos. Ele disse assim: Eu tive outro sonho.

Ainda sobre o texto de José e seus irmãos

Desta vez o sol, a lua e onze estrelas se curvaram diante de mim. Quando José contou esse sonho ao pai e aos irmãos, o pai o repreendeu e disse: O que quer dizer esse sonho que você teve? Por acaso a sua mãe, os seus irmãos e eu vamos nos ajoelhar diante de você e encostar o rosto no chão? Os irmãos de José tinham inveja dele, mas o seu pai ficou pensando no caso. Um dia os irmãos de José levaram as ovelhas e as cabras do seu pai até os pastos que ficavam perto da cidade de Siquém. Então Jacó disse a José: Venha cá.

Vou mandar você até Siquém, onde os seus irmãos estão cuidando das ovelhas e das cabras. Estou pronto para ir — respondeu José. Jacó disse: Vá lá e veja se os seus irmãos e os animais vão bem e me traga notícias. Então dali, do vale de Hebrom, Jacó mandou que José fosse até Siquém, e ele foi. Quando chegou lá, ele foi andando pelo campo. Aí um homem o viu e perguntou: O que você está procurando? Estou procurando os meus irmãos — respondeu José. — Eles estão por aí, em algum pasto, cuidando das ovelhas e das cabras.

O senhor sabe aonde foram? O homem respondeu: Eles já foram embora daqui. Eu ouvi quando disseram que iam para Dotã. Aí José foi procurar os seus irmãos e os achou em Dotã. Eles viram José de longe e, antes que chegasse perto, começaram a fazer planos para matá-lo. Eles disseram: Lá vem o sonhador! Venham, vamos matá-lo agora. Depois jogaremos o corpo num poço seco e diremos que um animal selvagem o devorou. Assim, veremos no que vão dar os sonhos dele.

Rúben, José e seus irmãos

Quando Rúben ouviu isso, quis salvá-lo dos seus irmãos e disse: Não vamos matá-lo. Não derramem sangue. Vocês podem jogá-lo neste poço, aqui no deserto, mas não o machuquem. Rúben disse isso porque planejava salvá-lo dos irmãos e mandá-lo de volta ao pai. Quando José chegou ao lugar onde os seus irmãos estavam, eles arrancaram dele a túnica longa, de mangas compridas, que ele estava vestindo.

Depois o pegaram e o jogaram no poço, que estava vazio e seco. E sentaram-se para comer. De repente, viram que ia passando uma caravana de ismaelitas que vinha de Gileade e ia para o Egito. Os seus camelos estavam carregados de perfumes e de especiarias. Aí Judá disse aos irmãos: O que vamos ganhar se matarmos o nosso irmão e depois escondermos a sua morte? Em vez de o matarmos, vamos vendê-lo a esses ismaelitas. Afinal de contas ele é nosso irmão, é do nosso sangue. Os irmãos concordaram.

Leia Também:  Relacionamento Platônico: significado e funcionamento do amor platônico

Quando alguns negociantes midianitas passaram por ali, os irmãos de José o tiraram do poço e o venderam aos ismaelitas por vinte barras de prata. E os ismaelitas levaram José para o Egito. Quando Rúben voltou ao poço e viu que José não estava lá dentro, rasgou as suas roupas em sinal de tristeza. Ele voltou para o lugar onde os seus irmãos estavam e disse: O rapaz não está mais lá! E agora o que é que eu vou fazer? Então os irmãos mataram um cabrito e com o sangue mancharam a túnica de José.

O sinal de tristeza

Depois levaram a túnica ao pai e disseram: Achamos isso aí. Será que é a túnica do seu filho? Jacó a reconheceu e disse: Sim, é a túnica do meu filho! Certamente algum animal selvagem o despedaçou e devorou. Então, em sinal de tristeza, Jacó rasgou as suas roupas e vestiu roupa de luto. E durante muito tempo ficou de luto pelo seu filho. Todos os seus filhos e filhas tentaram consolá-lo, mas ele não quis ser consolado e disse: Vou ficar de luto por meu filho até que vá me encontrar com ele no mundo dos mortos. E continuou de luto por seu filho José. Enquanto isso, os midianitas venderam José a Potifar, oficial e capitão da guarda do rei do Egito” (BÍBLIA, Gênesis, 37, 1-36).

E José contava ao pai as coisas erradas que os seus irmãos faziam. As famílias dos tempos bíblicos não eram feitas de santos e santas, já podemos começar assim o nosso estudo, leitor. Os lares israelitas nunca foram perfeitos. A Bíblia mostra as inúmeras tensões que ali aconteciam, desde maus- tratos, conflitos, enfim, aspectos que transparecem em qualquer cultura. Até podemos explicitar algumas situações ocorridas: oposição entre pais e filhos, rivalidade entre irmãos, narcisismo, egoísmo, tensões, etc.

É a pulsão de morte, isto é, o ser humano e sua natureza destrutiva. José viveu em uma família onde o pai, culturalmente falando, era de grande relevância e autoridade. Até podemos trazer o conceito de Freud sobre a horda primeva, em outros termos, um macho onipotente e detentor das fêmeas. É válido lembrar que o berço de José era poligâmico, mas ao chefe de família se devia disciplina e respeito.

Senhor da família, José e seus irmãos

Tanto que o termo hebraico para pai, “baal”, significa senhor. O senhor da família, por exemplo, poderia divorciar-se de sua mulher com grande tranquilidade, já a mulher não possuía o mesmo direito, basta observar o ensino bíblico: “Quando um homem tomar uma mulher, e se casar com ela, então acontecerá que, se não achar graça aos seus olhos, por nela achar coisa indecente, ele lhe escreverá carta de divórcio, e lha dará na sua mão, e a despedirá da sua casa” (BÍBLIA, Deuteronômio 24. 1).

A imagem do pai sempre existiu na História da Humanidade, desde os tempos remotos. Uma imagem colocada em deuses pelos seres humanos, para aplacar o desamparo diante de um mundo hostil. Os deuses gregos patriarcas eram providos de atributos paternais, mas voltemos para José e suas peculiaridades: certamente Jacó contribuiu significativamente para a personalidade de José. O jovem foi educado numa cultura onde o termo pai era sinônimo de deus.

O pai, deus, era o provedor do sustento da família, também providenciava a educação dos filhos. Muitas vezes ele mesmo ensinava à prole. Pois bem, podemos imaginar o lar judaico, digamos assim, como um Monte Olimpo, habitado por um deus, ou seja, o pai. Certamente o respeito que José tinha pelo pai era como uma devoção diária, uma busca pelo ego ideal, onde as revelações das falhas dos irmãos eram suas contínuas orações e sacrifícios no Monte Olimpo.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Um superego perfeccionista

    Com um superego perfeccionista em atender as exigências narcísicas de Jacó. A ambivalência habitava o coração do jovem José, em síntese, o que acontecia por entre os irmãos eram jogos mesclados de amor e ódio; inveja, ciúmes, entre outros. Nota-se um deslocamento de pulsões libidinais ou agressivas, que seriam direcionados para Jacó. O pai, deus, de José era sua norma fundamente, em outras palavras, Jacó foi o limitador da díade entre José e sua mãe, e a limitação pariu o deus de José.

    Jacó já era velho quando José nasceu e por isso ele o amava mais do que a todos os seus outros filhos José era um filho exemplar para Jacó, excelente na arte de pastorear cabras e ovelhas. Ele amava seu filho, tudo ele ensinou para José. O povo judeu via o filho como uma espécie de status, sim, os que não tinham eram olhados com certa suspeita: qual é o motivo de Deus para não ter abençoado o fulano e sicrana com filhos?

    Leia Também:  Taoísmo e Psicanálise: repetição para Freud e as amarras mentais

    A criança do sexo masculino era a preferência dos casais. Sendo assim, a criança do sexo feminino era tida como, narremos assim, inferior. Até havia uma oração de agradecimento a Deus pelo não nascimento de filhas na família. A mãe de José, leitor, faleceu durante o parto de Benjamim, irmão do jovem. Temos José experienciando uma primeira perda em sua existência, ou seja, Jacó assume um papel um tanto delicado: função paterna e materna.

    O núcleo familiar de José e seus irmãos

    Portanto, Jacó teve dificuldades de retirar o filho da fase fálica. É uma fase importante do ser humano, é o tempo da constituição do sentimento de pertença da família. A criança é parte do núcleo familiar, ela tem um lugar na família e que tem o amor dos pais. O amava mais do que a todos os seus outros filhos, tanto que o pai deu para Jacó uma túnica longa e de cores variadas.

    Tal vestimenta representava tudo o que era nobre, uma roupa usada somente por grandes líderes. Jacó alimentou o narcisismo de José: “Escutem, que eu vou contar o sonho que tive. Sonhei que estávamos no campo amarrando feixes de trigo. De repente, o meu feixe ficou de pé, e os feixes de vocês se colocaram em volta do meu e se curvavam diante dele. […]” (BÍBLIA, Gênesis, 37. 6-7).

    José sonha que é reconhecido pela família por meio de uma reverência. No contexto judaico, somente os escravos ficavam curvados diante de seu senhor. Também era o reconhecimento de alguém muito importante. E os irmãos de José estão enraivecidos, isto é, um sentimento de frustração habita em cada um deles. Na verdade, a raiva foi o sentimento escolhido pelos irmãos para não terem que enfrentar outros temores: medo, insegurança, ausência de afeto, etc.

    José ambicionava ser o rei

    José ambicionava ser o rei, ter poder, ser um rei com um cetro em forma de falo. Então Jacó disse a José: Venha cá. Vou mandar você até Siquém, onde os seus irmãos estão cuidando das ovelhas e das cabras. Estou pronto para ir — respondeu José. Jacó disse: Vá lá e veja se os seus irmãos e os animais vão bem e me traga notícias. Deus enviou o rei para ver como os escravos estavam tratando os animais, podemos fazer uma releitura do versículo assim.

    O rei com o cetro, falo, em mãos, empunhado e amparado pelas alturas do narcisismo. “Eles viram José de longe e, antes que chegasse perto, começaram a fazer planos para matá-lo” (BÍBLIA, Gênesis, 37. 18). Os irmãos como um grupo com personalidades anuladas e constituindo uma nova ordem e funcionamento social. Dispostos a estruturarem uma nova moral e lógica que não aceita falhas, todos condicionados para um mesmo objetivo: dar um fim na pessoa de José.

    O que ocorreu foi uma rivalidade fraterna, os irmãos estavam com sentimentos destrutivos, a morte era o caminho para o filho que possuía todas as regalias concedidas pelo pai. O medo do desprezo foi o combustível para tal rivalidade. Quando José chegou ao lugar onde os seus irmãos estavam, eles arrancaram dele a túnica longa, de mangas compridas, que ele estava vestindo.

    Um poço vazio e seco

    Depois o pegaram e o jogaram no poço, que estava vazio e seco. Eis que o ódio dos irmãos tomou forma: um poço vazio, seco e profundo.

    Sabe, leitor, existe uma dimensão simbólica na figura do poço, isto é, ele traz o símbolo da angústia, uma função de corte, um rasgo no reinado de José. O falo foi colocado sobre a terra e lançado para a fundura de um poço.

    O príncipe teve seu narcisismo solapado e castrado, o onipotente rei virou um escravo da pulsão de morte provinda dos irmãos. O poço foi mais uma experiência de perda para o jovem, experiência estendida até o Egito: angústia, sofrimento e castração.

    Conclusão

    Resolvi abordar o jovem José até o versículo trinta e seis, os seguintes assuntos do texto também são muito riquíssimos em conteúdos psicanalíticos. Você que agora está lendo o texto: topa o desafio?

    Dê continuidade nas pesquisas, não que este artigo vá concluir os versículos aqui abordados, primeira parte do estudo, não, o texto aqui trabalhado lateja por mais conhecimento.

    O que mais o poço de José pode apresentar para nós? O que há em sua profundidade? Descubra e conte para nós.

    Referências

    BÍBLIA. Português. Bíblia de Estudo Almeida Revista e Atualizada. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.

    Leia Também:  A Tentação de Cristo e seus reflexos psicanalíticos

    O presente artigo foi escrito por Artur Charczuk([email protected]). Pastor e psicanalista no Rio Grande do Sul. Um pastor que psicanalisa e um psicanalista que pastoreia.

    One thought on “José e seus irmãos: a rivalidade vista pela Psicanálise

    1. A Bíblia é um conjunto de relatos muito bem elaborados. Ela perdura com o passar dos séculos, porque ela trata sobre assuntos fundamentais da realidade humana. Angústias e anseios são peças fundantes dos escritos bíblicos.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.