mito da criação

O Mito da Criação em 10 culturas diferentes

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

A origem do universo e da própria humanidade tem sido retratada sob diversas perspectivas ao longo da história. A cultura de um povo local, com base nas suas premissas, identificou à própria maneira como isso ocorreu tempos atrás. Observe o mito da criação em 10 culturas diferentes e como foram construídos.

Cultura Maia

O mito da criação na cultura Maia está escrito no Popol Vuh, livro sagrado sobre o surgimento do homem. Segundo ele, deuses criaram a terra, céu e depois animais pesados e mais leves. Contudo, querendo adoração, reuniram esforços para construir seres capazes de falar.

De acordo com o registro, os experimentos eram feitos inicialmente com lama, mas foi algo falho. Em seguida, decidiram incluir madeira para dar sustentabilidade ao corpo, mas isso também não funcionou, gerando a fúria de dilúvios. Porém, na última tentativa, usaram milho e água, criando a carne humana falante, mas temeram a perfeição das criaturas.

Grécia

O mito da criação na Grécia antiga também marca a origem do universo retratada naquele tempo. De um vazio cósmico se manifestaram os deus Gaia e Eros, tendo Gaia, Terra, o destino de virar lar divino. Com isso, Gaia deu à luz ao deus Urano e Okeanos e os deuses, em acasalamento, formaram a criação.

Diversas batalhas depois, o universo se dividiu e Zeus, descendente de Gaia com Urano, se tornou governante supremo. O titã Prometeu se encarregou da criação humana, enquanto a deusa Atena concedia a vida. Prometeu encarregou Epimeteu de dar habilidades e qualidades diferentes a essas criaturas para que pudessem sobreviver.

O titã e o homem acabaram punidos por Zeus, já que Prometeu queria o homem à semelhança perfeita dos deuses. Nisso, o deus supremo criou Pandora, uma mulher, como forma de castigo.

Iorubá

O mito da criação na cultura Iorubá relata que o deus Olorum, deus supremo, criou tudo aquilo que existe. Cada peça existente no universo fora criada conforme a sua força de vontade, sendo um pedaço dele. Isso inclui outros deuses, já que Olorum, também conhecido como Olodumare, é a força suprema da vida.

Em relação à criação da humanidade, o mesmo encarregou oxalá de moldar a figura humana. Oxalá experimentou o ferro e madeira, mas os materiais eram muito rígidos e a pedra tornou o homem frio. A água acabou não dando forma definida ao homem e o fogo consumia o fruto da criação.

Judeus

A história da criação humana é compartilhada em muitos pontos entre os judeus e cristãos. No Antigo Testamento, o livro Gênesis mostra a criação do mundo pelas mãos de Deus em uma semana. Em suma, foi Ele que deu lugar a um vazio na existência para o mundo com as leis naturais que conhecemos agora.

Dentre os feitos no mito criador, Deus fez:

  • A criação do universo em sua forma física e energética;
  • Separação da luz e das trevas, criando equilíbrio sobre tal;
  • A terra em seu estado bruto propício à vida;
  • Divisão da abundância de água e terra seca, criando a vegetação e os oceanos;
  • Modelagem do sol, estrelas e do próprio espaço;
  • Por fim, os animais, especialmente o homem, que foi criado do pó. Contudo, vendo a sua solidão, Deus criou a mulher a partir da costela dele e a fez de companheira.

Tupi-Guarani

No mito da criação indígena, as lendas guaranis apontam o deus Tupã como o grande artesão da vida. O deus Sol recebeu ajuda da deusa Lua Araci, descendo à terra até a região do Aregua, no Paraguai. A partir desse ponto que ele tocou a face da terra e tudo sobre o que estava em cima e abaixo dela.

Leia Também:  Charles Dickens: panorama da vida e obra

No mesmo instante que as estrelas foram posicionadas nos lugares onde estão, bem como outros astros. É dito que numa cerimônia bem construída que estátuas em argila do homem e da mulher receberam elementos da natureza. Assim que soprou a vida neles, o deus os deixou junto aos espíritos do bem e do mal.

Mitologia nórdica

A mitologia nórdica acreditava que a terra fazia parte de um disco cósmico junto a outros reinos. Asgard, terra dos deuses, Jotunheim, terra dos gigantes, e Niflheim, a terra dos mortos governadas por Hel ou Hela. Observando a construção desse disco, é possível fazer paralelos com:

A formação geográfica do planeta

Parte do plano representado se assemelha bastante com pontos estratégicos da terra. A terra dos gigantes seria representada pelos pólos enquanto no interior da terra seria o local dos mortos. Por outro lado, o sul, lugar dos trópicos, seria a terra dos gigantes de fogo.

Pós-vida

Além da configuração da terra, este mesmo esquema de disco indicaria a representação do pós-vida da humanidade. No caso, Asgard seria a imagem do céu com os deus enquanto Nilfheim o limbo ou inferno. Midgard, a terra, estaria no meio desses dois reinos.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

A criação

De modo geral, não se indica com detalhes como tudo surgiu. A coisa mais esclarecida e difundida seria a existência simultânea dos nove reinos, ao qual a terra se encaixa. Isso acaba abrindo margem para a introdução de teorias e conexões com outras culturas e estudos históricos.

Mitologia persa

Já na mitologia persa, Ormuz seria o mestre e escultor do mundo ao qual conhecemos. O mito da criação indica que o próprio sol era o seu olho, tornando Ormuz uma divindade onisciente. Em relação ao céu e as estrelas, esses faziam parte das suas vestimentas enquanto as águas eram suas esposas.

O mesmo acabou criando outras divindades menores, sendo partes dele e responsáveis por setores da criação. Ademais, ele e suas divindades possuíam contrapartes malignas para equilibrar a existência.

Mitologia babilônica

Aqui, Nammu, um abismo sem forma definida, se enrolou nele mesmo para alcançar o processo de auto-criação. Nisso, originou An, deus do céu, Antu, deusa da terra. A união consequente entre esses deuses foi dando vida a elementos vitais da existência, incluindo a humanidade e até emoções.

China

Na mitologia chinesa, a origem do universo teria acontecido graças à intervenção da deusa Nüwa. Ela é reconhecida como deusa criadora, mãe, protetora, irmã e, claro, como imperatriz. De modo cuidadoso, ela começou a criação do universo, sendo visitada pelos deus para que observassem suas criações.

Possuindo cabeça e busto humano com corpo de dragão, Nüwa percebeu que nenhum ser pensava como ela. Parando em frente a um rio, moldou com lama um ser com braços e pernas para caminhar pelo paraíso. Feito isso, soprou com força a vida, criando os primeiros humanos que passaram a adorá-la e a dançar.

Egito antigo

Os egípcios salvaram a história do mito da criação nos hieróglifos sagrados guardados nas pirâmides, papiros e templos. Nisso, o deus Atum ajudou na criação humana de maneira não proposital, sendo ele um dos olhos de Rá. Conta-se que o olho se separou de Rá conscientemente e não quis voltar, gerando conflito entre ele e outros deuses.

Os deuses em questão eram Shu e Tefnut, os filhos de Atum, que o procuraram e brigaram para trazê-lo de volta. Com isso, durante a longa luta, o olho acabou derramando lágrimas sagradas. Nisso, os primeiros humanos brotaram delas como que a vegetação faz quando a chuva cai.

Leia Também:  Eros e Psique: resumo de mitologia e Psicanálise

Considerações finais sobre o mito da criação

O mito da criação em diversas culturas expõe a perspectivas delas em relação ao surgimento da existência. Nota-se que tudo é guiado pelo modo de vida que levam ao longo do tempo e como percebem o mundo. Não se afirma o que é certo ou errado, já que se tratam de representações pessoais de como tudo surgiu.

Mas de um modo geral é interessante acompanhar como cada povo se manifesta em relação a esse processo. Isso porque acabamos penetrando na composição cultural de civilizações tão antigas quanto o próprio questionamento. É uma aula de história, mexendo com o fascínio e a sede de conhecimento humana.

Caso queira saber mais sobre a sua própria origem, se inscreva em nosso curso online de Psicanálise. O objetivo dele é que você possa lidar com suas questões pessoais, construindo a rota do seu autoconhecimento e alcançando o seu potencial. O mito da criação pessoal pode ser desvendado com a Psicanálise, trazendo respostas magníficas e inesperadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − dez =