pedofilia

Pedofilia: o que é este transtorno parafílico em Psicanálise

Posted on Posted in Transtornos e Doenças

Neste texto falaremos sobre a pedofilia. Ao longo da história humana o comportamento sexual sempre foi objeto de estudo por diversas áreas como a psicanálise e outros, o que temos em relação a nossa vida sexual e um forte indicador de alterações psicológicas ou de alguma patologia o artigo presente irá abordar sobre Transtorno Parafílico de Pedofilia crimes associados. Ainda com relação ao assunto do comportamento sexual e aos transtornos sexuais muito estudado pela psicanálise.

O primeiro teórico a falar de sexualidade infantil foi Sigmund Freud, de acordo com ele a sexualidade nos acompanha desde o nascimento até a morte (Freud 2006) para entender sobre a patologia de Transtorno Parafílico é preciso entender o que são Parafilias. As parafilias, definidas como tipos de transtornos sexuais caracterizados por fantasias sexuais especializadas e intensas necessidades e práticas que, em geral, são de natureza repetitiva e angustiam a pessoa.” (KAPLAN,SADOCK & GREBB, 1997).

Entendendo mais sobre a pedofilia

O ser humano sempre esteve em busca de realizações pessoais e sexuais fazendo com que o indivíduo procure meios de expressar sua sexualidade muitas vezes de forma primitiva em busca de realizar suas pulsões. As parafilias são comportamentos sexuais atípicos como a pedofilia que nem sempre são patológicos que fazem parte de fantasias ou fetiches que se consegue chegar de forma mais rápida a excitação sexual.

Por sua vez, o transtorno parafílico causa sofrimento ou prejuízo ao sujeito ou a outro indivíduo. Sendo assim todo transtorno parafílico é uma parafilia, mas nem toda parafilia é um transtorno parafílico. A busca por satisfação do desejo de realização sexual do sujeito de forma primitiva faz com algumas parafilias passem a ser de grande risco tanto ao sujeito quanto para quem convive com tal indivíduo, pois a necessidade da realização de fantasias e desejos constante passa a ser uma fase doentia da parafilia.

Conceito de Pedofilia

A pedofilia e um tipo de parafilia que se mostrou um problema social e mundial nos últimos anos, os abusos sexuais infantis fazem milhões de vítimas todos os anos em todo o mundo, e nos nossos dias atuais várias crianças são vítimas diariamente. A palavra “pedofilia no dicionário vem de origem grega que significa. Perversão que leva um indivíduo adulto a se sentir sexualmente atraído por uma criança, pratica efetiva de atos sexuais com crianças por exemplo estimulação genital, carícias sexuais, coito e etc.” (DICIONARIO HAUAISS). Porem de “Do ponto de vista psicanalítico, a pedofilia representa uma perversão sexual que envolve fantasmas sexuais da primeira infância abrigadas no complexo de Édipo período de ambivalência da criança com os pais” (F HISGAIL,2007,p.17). A mídia tem um papel importante em mostra tal situação como um problema social mobilizando a opinião pública e fazendo campanha contra a pornografia e a pedofilia.

No entanto a maiorias das pessoas permanecem desenformadas a respeito do assunto da pedofilia, seja pelo tabu do incesto ou vergonha da sociedade que dificulta a investigação quando há casos na família ou até mesmo pela dificuldade que pais e educadores enfrentam ao lidar com a sexualidade infantil. O podofilo sempre e sedutor ele seduz a criança e impõe um tipo de relação sigilosa sobre a criança na tentativa de esconder seu ato criminoso, “O infantil e o objeto erótico de desejo e nesse sentido, a pornografia infantil eletrônica preconiza a erotização precoce nas imagens evocadas da cena sexual. A pornografia explora o lado obsceno ou licencioso da vida erótica, mas também, e um indicador de um serie de patologias e perversões sexuais.” (F HISGAIL,2007, p.17-18).

Quando o indivíduo se comporta de dessa maneira a Parafilia já se tornou em um Transtorno Parafílico de Pedofilia e passa ser um crime onde o sujeito praticante do transtorno subjuga crianças a satisfação de suas fantasias sexuais e atos libidinosos, assim a criança passa pelo sofrimento e peso dos abusos sexuais como vítima e se refugia em seu mundo interno escondendo dos abusos sofridos e se afogada em muito sofrimento e silêncio. O podofilo usa a argumento que a criança consente em participar de suas fantasias e relações sexuais proposta por ele, dessa forma ambos vivem uma ralação consentida pela criança, sem defesa ela passa a ser submetida aos desejos do abusador.

O abusador na pedofilia

O abusador costuma ser “sedutor” são geralmente conhecidos como cidadãos de bem pais de família comportados e respeitados pela sociedade, assim conseguem esconder dos outros suas práticas sexuais envolvendo crianças. Quando encontram uma oportunidade de se aproximar as seduzem muitas vezes com brinquedos e doces ganham a confiança da criança e as vezes da família também para depois cometer o abuso sexual. A violência sexual pode vir a acontecer de várias maneiras. “Segundo Jefferson Drezett (2002), doutor em ginecologia e consultor em violência sexual do Ministério da Saúde Brasileiro, as características dos crimes sexuais atestam que o estupro não é o crime sexual mais frequente entre as crianças”.(F HISGAIL,2007,p.18)

De modo geral as vítimas de pedofilia passam por diversos tipos de abusos com caricias em parte intimas, masturbação da vítima e do agressor a pedofilia virtual faz parte do comportamento de muitos praticantes de abusos sexual, os abusadores aproveitam da inocência e ingenuidades das crianças desse modo a criança e enganada por um tempo só após muito tempo toma consciências as verdadeiras intensões do pedófilo.

Os fatos acima até agora fazem parte de uma triste e perigosa realidade, sem contar de que muitos pedófilos são extremamente violentos e cruéis com as vítimas. “As psicopatias surgem no campo jurídico crimes de violência sexual, a psicopatia refere-se as práticas eróticas incomuns, por se tratarem de pessoas que tentam dominar o outro, com a intenção de gozar com o da vítima.” (F HISGAIL,2007,p.60). Crianças são vítimas todos dias desses criminosos.

Caso meninos desaparecidos no Maranhão

No início dos anos 2000, uma série de desaparecimentos de meninos em uma periferia nos arredores de são Luís capital do Estado do Maranhão começa, vários garotos desapareceram e mais tarde foram encontrados mortos com requintes de crueldade, o primeiro a desaparecer se chamava Hermógenes ele desapareceu dia 03 de setembro do ano 2000 a mãe dona Maria Idalba conta que começou a sair de casa todos dias com a foto do filho fazendo buscas individual, em uma dessas buscas dois meses depois do desaparecimento do garoto Maria Idalba e o pai Antônio Batista relatam que bateram na casa do Francisco das Chagas o homem que foi apontado pela investigação policial como autor dos crimes.

Dona Idalba relata que Francisco estava na porta ela então mostrou a foto do filho deu as características da roupa que ele usava no dia em que desapareceu e perguntou se ele havia visto o garoto Francisco responde que não, então ela pergunta se ele pode dar um copo de água e Francisco se nega a dar, responde que na casa não tenha água, mais dona Idalba diz que de onde ela estava conseguiu ver que havia água na casa, então ela passa a desconfiar de Francisco. Logo em seguida ela se dirige a uma delegacia comunica o delegado, Francisco então e preso mas logo após e liberado por falta de provas, o tempo passa e os crimes aumentam na cidade meninos pobres simplesmente sumiram, corpos de alguns foram encontrados com requintes de crueldade, todos tinham em comum os pênis decepados, foram tantos caso que chamou a atenção internacional da OEA Organização dos Estados Americanos, o Brasil acusado pela OEA de não estar se esforçando para resolver o problema com os crimes.

Leia Também:  Frases de psicopatas: Conheça as 14 principais

Quase todos desaparecidos eram adolescentes, exceto o filho de Mônica Regina que foi uma única exceção Daniel Ferreira, o menino tinha apenas quatro anos quando desapareceu no dia 09 de fevereiro de 2003 Mônica relata estava separada do pai Daniel, ele desapareceu enquanto dormia ao passar o final de semana com o pai, a mãe de Daniel diz que a comunicaram ainda de madrugada o primeiro suspeito do crime foi o próprio pai de Daniel. Apenas nove meses após o desaparecimento do menino Daniel foi descoberto que o assassino era Francisco da Chagas o mesmo homem que anos atrás havia levantado a desconfiança de Maria Idalba mãe de Hermógenes a polícia desconfio pois Francisco era tio do menino. A polícia não fazia ideia que eram tantos crimes e nem que o autor era o mesmo.

O desaparecimento

O delegado Sebastião Uchoa diz que muitos corpos eram encontrados, mas não sabiam de quem eram, na época os corpos encontrados não eram devidamente catalogados e os meninos eram muito pobres de periferia muitas vezes a polícia nem mesmo tinha conhecimento do desaparecimento assim muitos passaram despercebidos. Francisco morava em uma região de pobre de muitas áreas de mata o mesmo lugar onde os garotos mortos moravam, era constantemente visto pelos moradores locais andando de bicicleta com um facão no varão da bicicleta, era um homem aparentemente comum, mas por trás dessa aparência se escondia um assassino que não poupava ninguém nem mesmo os parentes pois Daniel era sobrinho de Francisco. O assassino só foi descoberto depois que matou Jonathan Silva desaparecido dia 06 de dezembro de 2003 filho de Rita de Cássia que diz quando iria sair ao trabalho pela manhã Jonathan com quinze anos na época disse a mãe que iria sair com Francisco para a mata para colher Juçara uma fruta típica da região ele foi e nunca mais voltou.

Francisco então foi ouvido pela polícia, mas negou tudo. Mais uma vez não havia provas suficientes contra ele, e logo após foi liberado novamente. As mães se união para pressionar o suspeito, dona Idalba fala que chegou conversar com Francisco e perguntar se ele estava envolvido nas mortes dos meninos e ele negou. Mas de quarenta dias após o desaparecimento do filho de dona Rita Jonathan, o corpo de foi encontrado em uma cova rasa na mata, Jonathan foi a última vítima do assassino. Uma equipe de investigação foi formada para descobrir por que tantos garotos estavam desaparecendo e mais tarde sendo encontrados mortos, perito Wilton Rêgo foi de grande importância no caso, no dia 16 de janeiro de 2004 chega à informação no Instituto de Criminalista de São Luís que uma ossadas humanas haviam sido encontradas em um terreno, nesse dia era a equipe de Wilton que estava de plantão, ele se dirige até o local e marca no GPS a localização que se encontrava, o GPS nessa época era um equipamento de alta tecnologia.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Um exame de DNA foi feito e apontou que a ossada era de Jonathan filho de dona Rita, junto a ossada foi encontrada também uma camiseta cortada ao meio, o perito então se recordou de outro caso que tinha periciado anos atrás com as mesmas características, que foi o corpo de outro garoto o filho de dona Idalba Hermógenes, ao fazer buscas nos arquivos ele percebeu que em 2002 outro menino tinha sido encontrado só com metade da camiseta Wilton percebeu que não era coincidência. A cada corpo que era encontrado Wilton marca no GPS para facilitar se fosse preciso que a equipe voltarem ao local, sem perceber ele montou um mapa dos locais dos crimes, e percebeu que os crimes aconteciam nas proximidades da casa de Francisco até as proximidades onde ele trabalhava, somente um dos crimes foram cometido em um locais diferentes mas ficava perto da parada onde Francisco trocava de linha para ir trabalhar, em 2002 a polícia fez um retrato falado do homem que sumiu com um dos garotos, dois anos depois quando Francisco foi preso as semelhanças dele com o retrato falado deixa todos abismados pois era muito parecido com ele, era o que comprovava que ele estava envolvido nos crimes, então ele foi finalmente preso. 3. como o criminoso agia.

    Análise do caso de pedofilia

    Ao analisar o caso surgem muitas perguntas como de quantos assassinatos estamos falando? Quem eram os garotos? Onde estavam os outros corpos? Mais pistas foram descobertas na casa de Francisco, que ainda estava em construção com paredes de barro e sem piso. A polícia descobriu pedaços de cartilagem humana, um dos quais era um pedaço de saco escrotal. Outro fato chamou a atenção dos investigadores parte do solo do chão estava desnivelado, como se tivesse mexido recentemente, com esse detalhe os investigadores de decidem mandar fazer uma escavação, então a polícia encontra outro corpo que eles não tinha conhecimento do desaparecimento que se chamava Emanuel Diego foi encontrado também o corpo de Daniel que era sobrinho de Francisco, no quintal da casa em ele morava a polícia encontra mais uma camiseta cortada ao meio, com isso Francisco não tem mais como negar que ele era o assassino.

    No dia 01 de abril de 2004 Francisco pede para ser levado na casa em que morava para ver como havia ficado após as buscas, os policiais atendem seu pedido, para a surpresa de todos ele aponta onde tinha outra vítima, a polícia faz outra escavação e encontra outro corpo fora da casa a poucos metros do interior da residência, Francisco também enterrou um garoto na rua onde morava, em um buraco onde os moradores jogado lixo, ele colocou o corpo de madrugada dentro do buraco e logo pela manhã ele pegou lixo e jogou em cima e mais tarde ele jogou restos matéria de construção. Novos casos foram descobertos incluindo de dois garotos que nunca foram identificados outros foram encontrados em estado avançado de decomposição alguns dos corpos tinham dedos e mamilos cortados, mas todos tinham em comum os pênis e testículos arrancados, ele chegou a admitir trinta assassinatos entre os anos de 1991 a 2003, mas a polícia e o mistério público do estado do Maranhão o acusaram de vinte e oito assassinatos por que dois dos garotos não foram identificados.

    Leia Também:  Transtorno Opositor Desafiante (TOD)

    Francisco enganou pais de algumas crianças e desviou a atenção da polícia, chegou até a colaborar nas buscas pelo assassino junto com o pai de uma de suas vítimas, na rua onde ele morava não despertava suspeitas de ninguém, era visto pelos moradores como o melhor vizinho como uma pessoa prestativa, ele se juntou com a população para fazer buscas, quando foi preso os vizinhos achavam que ele estava sendo injustiçado. Apesar de não ter concluído nem o ensino fundamental, o assassino foi considerado pela polícia uma pessoa de inteligência excepcional de muita premeditação, muita frieza moral e não tinha empatia de nenhuma das vítimas.

    O transtorno parafílico

    Francisco das Chagas além de ter Transtorno Parafílico de Pedofilia foi considerado Psicopata e Serial Killer. “A psicopatia e a atribuição dada a um indivíduo caracterizado em parte por um comportamento antissocial, diminuição da capacidade de empatia e baixo controle comportamental ou pela presença de uma atitude de dominância desmedida” (WIKIPÉDIA). “A essência do transtorno se manifesta principalmente nas relações disfuncionais, sendo identificada não apenas pelos aspectos transgressores e criminosos, mas, sobretudo, por uma série de características afetivas, interpessoais e comportamentais definidas” (DAVOGLIO et al,2011). O Doutor Carlos Leal examinou Francisco na época no laudo a conclusão foi que ele tinha “Personalidade Psicopática, com Homoerotismo fixado no infantil”, ou seja, o assassino e um psicopata com atracão erótica por crianças do mesmo sexo.

    A polícia nunca encontrou os órgãos sexual dos garotos e Francisco nunca confessou aos investigadores o que ele fazia com os órgãos, ainda há a suspeita que Francisco fosse um canibal pois alguns pedaços de corpos como um pedaço de cartilagem foram encontrados com cloreto de sódio ou seja salgado. Mas os investigadores na época não puderam comprovar se ele consumia a carne das vítimas. Francisco está preso desde do ano de 2003 na penitenciária de Pedrinhas em São Luiz foi condenado há 580 anos em regime fechado. As autoridades do estado do Maranhão são contundentes em afirmar que Francisco fez outras vítimas no estado do Pará na cidade de Altamira. O primeiro garoto a desaparecer foi Jurdiley de treze anos idade em 01 de janeiro de 1992, ele banhava em um rio com os irmãos quando decidiu voltar para casa de a pé o percurso que ele iria fazer seria de pouco mais de um quilometro quando desapareceu, depois de três dias encontraram o corpo.

    Maurício desaparecido no dia 27 de dezembro de 1992, a última vez que ele foi visto com vida foi no quilômetro quatro da rodovia transamazônica uma rodovia de movimento intenso ele foi visto acompanhado de um homem. Assim como Maurício e Jurdiley a partir dos anos de 1989 outros meninos desapareciam na cidade e eram encontrados mortos com os órgãos sexuais arrancados alguns eram crianças a maioria eram adolescentes, no início dos anos 1990 a população vivia com medo as crianças não andavam mais sozinhas os pais procuravam acompanhá-las, mas mesmo assim os crimes continuavam acontecendo, como foi o caso do garoto de Klebson Ferreira desaparecido em 1992.

    Investigações e a pedofilia

    A última vez que Klebson foi visto com vida foi em um ponto da cidade onde era muito comum garotos irem pegar mangas foi nessa região que ele foi visto de bicicleta, a família então vai a polícia registrar ocorrência, mas não pode fazer a denúncia, a família foi informada que precisam aguardar 24 horas, ele ficou desaparecido seis dias e foi encontrado no matagal a bicicleta e o corpo mais a frente, só foi encontrado por causa dos urubus que sobrevoavam e chamou a atenção o local era de difícil acesso. Os investigadores trabalhavam com algumas linhas de investigação a mais provável seria de um serial Killer outra linha era do tráfico de órgãos ou até mesmo de rituais religiosos, no total foram contabilizadas 14 mortes, todos os garotos desaparecidos eram de famílias muito pobres que ajudavam de alguma forma na renda de suas famílias.

    Um suspeito foi aprendido em Altamira e logo depois morreu em de forma misteriosa, as autoridades encarregadas pela custódia do preso declararam que ele foi encontrado morto na primeira refeição do dia na cela em que estava só, depois da morte desse suspeito mais garotos apareceram mortos. As investigações continuam e outra versão é apontada, a versão de que uma ceita que rapta crianças para rituais macabros. Com essa nova linha de investigação cinco suspeitos foram a júri popular, dois médicos um policial, um filho de fazendeiro e uma líder de uma ceita religiosa. No final de 2003 os quatro homens são julgados culpados por cinco assassinatos, e a suposta líder religiosa e declarada inocente. seis meses após as condenações Francisco das Chagas e preso no estado do Maranhão, confessa 28 mortes no Maranhão ele também admite uma série de assassinatos em Altamira com riqueza de detalhes ele admite 42 vítimas no total entre os dois estados.

    Francisco morou no Estado do Maranhão e no Estado do Pará em períodos alternados, os peritos do Maranhão montaram uma tabela com as datas das mortes que coincidiam que quando ele estava morando no Maranhão havia mortes e não havia no Pará e vise e versa. Apesar de confessar os assassinatos de Altamira, Francisco não foi condenado por eles, pois para isso acontecer precisaria haver outro julgamento o que até o presente momento não ocorreu, depois de confessar os crimes em depoimentos anos mais tarde ele negou tudo.

    A infância do assassino

    Os investigadores dos Estados do Maranhão e do Pará entram em divergência em relação ao caso, os investigadores do Estado do Maranhão afirmam que Francisco tem participação nos assassinatos que ocorreram em Altamira, já os investigadores de Altamira afirmam que os devidos culpados pelos crimes de Altamira foram devidamente condenados e que Francisco seria uma espécie de laranja, dos quatro condenados o ex-policial morre na prisão vítima de câncer o filho de fazendeiro conseguiu um habeas corpos em 2004 está foragido desde então , o médico Anísio está em prisão domiciliar dês de 2016 o médico Secio está em regime semiaberto.

    Leia Também:  Doenças psicossomáticas: o que são, lista das 40 mais comuns

    Segundo Sigmund Freud tudo que ocorre na vida adulta em relação a nossa sexualidade começa na infância o que ele chamou desenvolvimento Psicossexual, no que se refere a Psicossexualidade é importante para o desenvolvimento da personalidade de um indivíduo por outro lado, se ela não for desenvolvida adequadamente pode fazer mal ao sujeito. Freud em suas obras mostras as fases desse desenvolvimento Psicossexual pelas quais passamos na infância para chegar à vida adulta. O sujeito que não consegue se desenvolver-se nessas faces do desenvolvimento Psicossexual de maneira adequada da forma como deveria ser, pode ocorrer fixação, e o que ocorre quando o indivíduo não consegue naturalmente esse desenvolvimento, a maturação Psicológica pode não ser completa trazendo prejuízo a saúde do sujeito em sua vida adulta.

    Dessa forma a infância nos acompanha ao logo de nossas vidas e na infância que o indivíduo tem sua personalidade formada e na infância também que o inconsciente se divide e dar origem a outras instâncias da Psique. Isso nos leva se questionar o que ocorreu na infância de indivíduo como Francisco? Pessoas como Francisco não conhecem o medo e não possuem piedade em sua percepção distorcida existe um único desejo o desejo de fazer atos perversos para satisfazer seus prazeres. Mas quem é Francisco das Chagas Rodrigues de Brito? Maranhense também conhecido pelo apelido de chagas nascido em 1965 foi criado em um ambiente familiar totalmente desestruturado a mãe o abandonou quando ele tinha cerca de quatro anos de idade seu pai foi embora dois anos mais tarde e o deixou com a avó uma mulher rude e violenta.

    Ainda sobre a sua infância

    A avó Maria do Carmo que usava de muita violência para punir os quatro netos que criava entre eles Francisco, usava um papel colado na parede para anotar as traquinagens do garoto em uma lista, quando a lista chegava em oito travessuras a sua avó o mandava ir para mata escolher o galho com que iria apanhar e assim ele fazia, ele sempre o batia com galhos de jatobá, se ele reclamasse de dor ela o deitava no chão pisava em seu pescoço levantava sua perna e batia mais. Nas feridas ela ainda jogava água com sal, segundo ele essa era a maneira que sua avó sabia de como educar uma criança quando e perguntado por sua mãe ele relata que mesmo no pouco tempo no qual ficou com ela não era muito diferente da avó.

    Seu pai às vezes aparecia para vê-lo acompanhado de uma mulher, mas a madrasta não o aceitava como filho, morando com a avó Francisco trabalhava vendendo bolos na rua para ajudar na renda da casa. segundo ele aos seis anos de idade foi abusado sexualmente por um homem que ajudava sua avó em alguns serviços domésticos que se chamava Carlito, ele declara que se sentia um garoto solitário apesar de ter irmãos, sua maior diversão era ficar consigo mesmo a noite jogando pedras nos gatos da vizinhança.

    Não há muitas informações sobre a transição da vida de Francisco entre sua adolescência e a vida adulta, mas sabe-se que chegou a morar junto com uma mulher com a qual tivera duas filhas no Estado do Pará onde confessou em depoimentos seus primeiros crimes o assassinato de doze garotos. Ainda com relação a vida de Francisco é evidente que ele teve uma infância de muito sofrimento não foi amado como deveria ser e nem aprendeu a amar, com o abandono dos pais a violência da avó e abusos sexuais que sofreu ao longo da infância e fato que esses acontecimentos contribuíram muito para prejudicar sua saúde mental. Os fatos citados acima nos traz outra pergunta a mente será que todo sujeito que foi criado em um ambiente familiar desestruturado e violento mais tarde viria ter de patologias graves como as de Francisco? Esses fatores contribuíram muito para o desenvolvimento das patologias abrigadas em sua mente.

    Conclusão sobre a pedofilia

    É importante mostrar que o Transtorno Parafílico de Parafilia é um perigo não só para as crianças, mas para a sociedade em geral, indivíduos desse tipo são lobos disfarçados em pele cordeiro que trazem dor as vítimas as famílias das vítimas prejuízo financeiro ao governo. No caso dos crimes dos de São Luiz o Estado do Maranhão e o Governo Federal admitiram que foram negligentes, pois foi um período de treze anos de crimes sucessivo, com isso o Governo maranhense se comprometeu a indenizar as famílias das vítimas reconhecidas como forma de reparação pela omissão do Estado em relação a vida das vítimas, com esse acordo de reparação às famílias das vítimas receberam uma casa e uma pensão de um salário mínimo por mês vitalício.

    Ainda com relação ao assunto no caso das vítimas na cidade de Altamira não foram indenizadas com casa em um primeiro acordo foi oferecido um valor de quinze mil reais por mês, mas as famílias não aceitaram em um segundo acordo foi oferecido o valor de um salário mínimo por mês de forma vitalícia no qual foi aceito, mas dinheiro nenhum é capaz de aliviar a dor emocional dessas famílias. Ao analisar casos de pedofilia pode-se perceber que a maior parte das vítimas são de vulnerabilidade social são crianças de famílias humildes que passam muito tempo na rua ou brincando ou ajudando de alguma forma na renda da família, Francisco se aproveitava desses garotos para atrai-los de várias formas chamava para empinar pipa para colher frutas na mata para andar de bicicleta.

    Isso serve de alerta para os pais de não permitir que os filhos passem muito tempo na rua e estar sempre alerta com quem as crianças estão brincando pois em um momento de descuido nossas crianças podem se tornar vítima de um portador de Transtorno Parafílico de Pedofilia. O Governo do Maranhão fez projetos para melhorar a vida de garotos pobres como os que foram vítimas de Francisco, mas infelizmente crianças são vítimas diariamente desse tipo de crime não só em São Luiz mas em todo o Brasil.

    Referências bibliográficas

    DAVOGLIO,Tárcia; Gauer, Gabriel; Vasconcellos, Silvio; Luhring, Guinter. Medida Interpessoal de Psicopatia (IM-P): Estudo preliminar no contexto brasileiro,2011. HISGAIL,Fani.Pedofilia um estudo Psicanalítico. São Paulo: Editora Iluminuras,2007. RECORD, Repórter record investigação emasculados Parte1 ((165) Repórter Record Investigação – Emasculados P1 – YouTube) consulta abril de 2022. RECORD, Repórter record investigação emasculados Parte 2 ((165) Repórter Record Investigação – Emasculados P2 – YouTube) consulta abril de 2022.

    Este artigo sobre pedofilia foi escrito por Fernanda Guedes de Sousa.

    One thought on “Pedofilia: o que é este transtorno parafílico em Psicanálise

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.