Poemas de Bertolt Brecht

Poemas de Bertolt Brecht: os 10 melhores

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Eugen Berthold Friedrich Brecht foi um grande poeta, encenador e dramaturgo alemão século XX. Mesmo em sua juventude já escrevia poemas se voltando contra os padrões impostos na arte e na vida. A partir daqui, te mostraremos 10 poemas de Beltolt Brecht e as mensagens que podemos tirar deles.

“A máscara do mal”

Em minha parede há uma escultura de madeira japonesa

Máscara de um demônio mau, coberta de esmalte dourado.

Compreensivo observo

As veias dilatadas da fronte, indicando

Como é cansativo ser mal.

Começamos os poemas de Bertolt Brecht fazendo uma reflexão a respeito do esforço significativo em fazer o mal. Embora pareça simplista, a concepção do bem e do mal é tão antiga quanto à própria razão. Basicamente, Brecht expõe que fazer o mal sempre é um exercício cansativo e desgastante.

Tendo em mente que a sociedade repudia comportamentos assim, quem pratica ações ruins vê todo o resto como inimigo. A sensação de isolamento, raiva e revolta drena constantemente a sua força vital e a sua própria razão. Ser uma pessoa má é fácil, mas apesar do esforço, vale muito mais a pena seguir o caminho oposto.

“A troca da Roda”

Estou sentado à beira da estrada,

o condutor muda a roda.

Não me agrada o lugar de onde venho.

Não me agrada o lugar para onde vou.

Por que olho a troca da roda

com impaciência?

Sendo mais atento ao trabalho de Bertolt Brecht, poemas fazem uma reflexão profunda a respeito da própria vida. Neste caso, o mesmo expõe o descontentamento de uma pessoa com o seu próprio lugar no mundo. Ela não se encaixa em qualquer lugar que esteja também porque não sabe para qual lugar ir.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Existe uma certa pressa de chegar a lugar nenhum porque as adversidades no caminho pouco agregam à reflexão. Atentando-se ao pequeno trajeto do personagem, fica nítido que ele não possui um objetivo, uma meta a seguir. Por conta disso, se distrai com tão pouco, ainda que anseie por mudanças. Você já se sentiu assim?

“As boas ações”

Esmagar sempre o próximo não acaba por cansar?

Invejar provoca um esforço que inchas as veias da fronte.

A mão que se estende naturalmente dá e recebe com a mesma facilidade.

Mas a mão que agarra com avidez rapidamente endurece.

Ah! que delicioso é dar!

Ser generoso que bela tentação!

Uma boa palavra brota suavemente como um suspiro de felicidade!

Os poemas de Bertolt Brecht esclarecem uma dinâmica muito importante da vida sobre saber doar. Isso porque é comum a muitas pessoas se agarrarem ao que tem, demonstrando avareza e ignorando a ideia de compartilhamento. Por outro lado, saber o significado de generosidade ajuda a alimentar:

Reciprocidade

Pessoas que reconhecem a generosidade do outro tem uma aula particular de como mudar a sua postura e multiplicar o que têm. Nesse caminho, sabem como se portar com reciprocidade e harmonicamente entre eles e os demais. Especialmente as crianças, que já crescem em meio a esses bons exemplos.

Gratidão

Ser grato a quem nos ajudou e doou é uma resposta quase iluminada, pois você reconhece o amor do outro. Quando estiver em situação mais próspera e festiva, naturalmente lembrará das pessoas que te ajudaram a chegar lá. Ademais, é um modo de ser respeitoso e creditar quem deposita fé em você.

Leia Também:  Interpretação de desenhos infantis em Psicologia

“Das elegias de Buckow”

Viesse um vento

Eu poderia alçar vela.

Faltasse vela

Faria uma de pano e pau.

Ainda que carregando uma beleza literária clássica, os poemas de Bertolt Brecht tinham a sua ponta de humor. Nas palavras acima, Brecht incentiva a todos nós sermos criativos e improvisar quando necessário em qualquer situação.

Porém, vendo em outras perspectivas, tiramos também que não devemos nos acomodar e precisamos aproveitar as oportunidades. Mas não espere o momento perfeito para fazer algo em relação a si mesmo. O momento certo é quando dispomos da certeza do que precisamos para alcançar nossos sonhos.

“Eu sempre pensei”

E eu sempre pensei: as mais simples palavras devem bastar.

Quando eu disser como é, o coração de cada um ficará dilacerado.

Que sucumbirás se não te defenderes

Isso logo veras.

Podemos olhar para Eu sempre pensei e associar o poema com a ideia da sinceridade e suas consequências. Muitas pessoas não sabem lidar com a verdade dita pelos outros, sendo ela boa ou não. Ainda que sejam coisas simples, podem ser suficientes para causar dores e feridas emocionais em quem ouve.

Todavia, a maneira de expor isso também conta bastante para o recebimento e entendimento da mensagem. Muitos acabam se valendo da sinceridade grosseiramente e a forma de falar dói mais do que a mensagem em si. É importante escolher o que falar, como falar e quando falar para que não hajam desentendimentos e agressões indiretas.

“Lendo Horácio”

Mesmo o dilúvio não durou eternamente.

Veio o momento em que as águas negras baixaram.

Sim, mas quão poucos sobreviveram!

As palavras eram as armas favoritas de Bertolt Brecht, seus poemas sendo a sua munição infinita para as suas críticas. Tratando de arte ou vida, o mesmo não se poupava de fazer uma análise sobre dores e falhas. Em relação a esse trabalho, exibe que nem todos nós conseguimos lidar com os grandes distúrbios que a vida traz.

O “dilúvio” do seu trabalho são todos os problemas que alguém ou um grupo pode experimentar em qualquer etapa da vida. Nem todos estão preparados para lidar com isso ou mesmo se recuperar. Assim, se vale a lição para aprendermos:

Resiliência

A resiliência se trata de, além de se recuperar, saber confrontar seus problemas sem se destruir por eles. Não é se tornar insensível, mas, sim, conseguir lidar e compreender o seu papel nisso tudo. Para o amadurecimento, é um excelente trilho para caminhar.

Paciência

Qualquer situação, por mais ruim que seja, não vai durar para sempre e sua preocupação deve seguir o mesmo caminho. Com isso, aprenda a conviver com os seus problemas enquanto também monta soluções para lidar com eles.

“O nascido depois”

Eu confesso: eu não tenho esperança.

Os cegos falam de uma saída. Eu vejo.

Após os erros terem sido usados como última companhia, à nossa frente senta-se o nada.

Talvez esse se enquadre nos poemas de Bertolt Brecht mais pessimistas já escritos pelo autor. A cegueira descrita não seria algo físico, mas talvez emocional e humano no sentido social. Tratam-se das pessoas que ainda insistem em caminhos que para alguns não levarão a qualquer lugar.

Essa voz pode estar se referindo à ideia de enxergar a realidade como ela é sem qualquer expectativa por cima. Ser direto, sem floreios ou fugir de ser realista e encarar os fatos como são em natureza. Para ela, quem busca uma saída para algo que não tem está se privando de ver a verdade.

Leia Também:  25 perguntas para conhecer alguém

“Os que lutam”

“Há aqueles que lutam um dia; e por isso são muito bons;

Há aqueles que lutam muitos dias; e por isso são muito bons;

Há aqueles que lutam anos; e são melhores ainda;

Porém há aqueles que lutam toda a vida; esses são os imprescindíveis.”

Em suma, pessoas que não se esforçam continuamente nunca poderão ser a melhor versão de si que poderiam. Isso é um trabalho de construção de vida onde cada novo dia ensina uma lição importante. Não glamorizamos o sofrimento, nada disso, mas não devemos nos acomodar com o que vemos e sempre devemos ir atrás de crescimento.

“Quem não sabe de ajuda”

Como pode a voz que vem das casas

Ser a da justiça

Se os pátios estão desabrigados?

Como pode não ser um embusteiro aquele que ensina os famintos outras coisas

Que não a maneira de abolir a fome?

Quem não dá o pão ao faminto

Quer a violência

Quem na canoa não tem

Lugar para os que se afogam

Não tem compaixão.

Quem não sabe de ajuda

Que cale.

Dentre os poemas de Bertolt Brecht, esse nos ensina o valor máximo adquirido com a empatia. É preciso se colocar no lugar do outro, de modo a entender suas necessidades, dor e sofrimento. Quando não escolhemos fazer isso, deixamos um dos pilares fundamentais do que é ser um humano.

“Expulso por um bom motivo”

Eu cresci como filho

De gente abastada. Meus pais

Me colocaram um colarinho, e me educaram

No hábito de ser servido

E me ensinaram a dar ordens. Mas quando

Já crescido, olhei em torno de mim

Não me agradaram as pessoas da minha classe e me juntei

À gente pequena.

Por fim, Expulso por um bom motivo revela a insatisfação de Brecht em relação ao comportamento social segregador. O mesmo se coloca como exemplo de uma educação onde existiam pessoas a serem servidas e os que servem. Certamente, é um dos poemas de Bertolt Brecht que mais refletem o momento onde estamos inseridos.

Considerações finais sobre poemas de Bertolt Brecht

Os poemas de Bertolt Brecht revelam a sua percepção única e rica a respeito da própria realidade. Ainda que sejam bonitos, a essência deles aponta as nossas falhas como humanos e cidadãos. É uma crítica ao nosso modo de ser dentro de uma sociedade que valoriza os pilares inadequados.

Com base nisso, temos dois caminhos a seguir com Bertolt Brecht: poemas belos que desafiam nosso modo de vida. Enquanto revemos a nossa maneira de agir, apreciamos um produto cultural da mais alta qualidade.

Além dos poemas de Bertolt Brecht, outro caminho a rever nossa postura é com o nosso curso online de Psicanálise. Ela é a ferramenta de que precisa para lapidar sua postura, rever seus empecilhos, mas também alcançar seu potencial. Através do autoconhecimento bem trabalhado, pode enxergar melhor suas necessidades e refinar suas escolhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 − quatro =