primeiros passos

Primeiros Passos na Psicanálise — Depoimento

Posted on Posted in Depoimentos

No depoimento de hoje, trago a vocês a experiência de um de nossos alunos, que está no início de sua jornada! Quer descobrir como são os primeiros passos desse belíssimo caminho de conhecimento e evolução? Então continue a leitura!

Os primeiros passos

Nesses meus primeiros passos nos meandros do estudo e da compreensão psicanalítica, vejo a amplitude de tudo que faz-se necessário a nível de estudo, pesquisa, aprendizado e publicações das interpretações.

A psicanálise foi um método desenvolvido por Sigmund Freud para, em consenso com sua teoria básica, uma busca ampla de interpretação de seus pacientes. Assim, buscando sempre obter resultado positivo para a cura de seus pacientes.

O percurso inicial da psicanálise é bem interessante. Por vezes, pensa-se em como foi sua criação, pois vemos que muitas outras ciências e métodos foram e são de extrema importância para os séculos passados. Ademais, a psicanálise teve seu início no século XIX. É possível falar do médico Sigmund Freud, que teve sua formação pela Universidade de Viena, em 1881. Ele se especializou em psiquiatria e mostrando-se um renomado neurologista. 

Ademais, foi em meio a sua clínica médica que ele começou a observar pacientes acometidos de problemas nervosos. Isso foi fazendo com que ele começasse a se fazer alguns questionamentos em relação aos problemas nervosos desses pacientes.

Os primeiros passos da teoria

Outrossim, a hipnose foi empregada para o tratamento de alguns sintomas de doenças mentais. Ela era apenas feita de forma a induzir os pacientes, para, a partir daí, começar uma investigação dos sintomas apresentados. Ou seja, tanto psíquicos quanto físicos. Esses sintomas tendem a se apresentar no estado de hipnose do paciente, para logo em seguida desaparecerem quando o paciente não está mais sob o efeito da hipnose. 

Porém, isso acabava por não ter muito êxito. O estudo sobre a histeria (1893-1895), foi uma publicação conjunta de Sigmund Freud e Josef Breuer, e foi a obra fundadora da psicanálise. Com isso, é como se estuda a origem da doença, o comportamento dos pacientes com este acometimento, seus laços afetivos e todo o conjunto de sintomas físicos e psíquicos.

O método de investigação abordado é fazer com que um retrocesso emocional seja alcançado. Ou seja, fazer com que o paciente em suas primeiras consultas ao psicanalista traga breves resumos de seu cotidiano, o que fará com que ele vá aos poucos despertando seu inconsciente.

As fases da vida e o inconsciente

A vida do sujeito e sua psique são os objetos centrais para a busca do equilíbrio. Tendo em vista que o sujeito guarda em seu interior traumas que sempre tem seu início na primeira infância, e que refletem e conturbam seu comportamento.  Além disso, há a fase mais crítica, que é a adolescência e a preparação para a transição da vida adulta. Levando, muitas vezes, a disparar gatilhos que acabam despertando as neuroses, psicoses e esquizofrenias que vão causar sérias consequências.

Os primeiros passos no processo da psicanálise 

Na entrevista, em que é realizada (psicanalista/paciente), é feito um comparativo em que  o analista tem o direito de escolher se quer ou não fazer o acompanhamento do paciente. Pois faz-se necessário que haja uma empatia por parte de ambos para que o acompanhamento tenha resultado. Ao longo do tempo, o paciente começa a disponibilizar os conteúdos que fizeram seus traumas e frustrações, que lhe causaram sentimento de derrota e, muitas vezes, de autopunição e boicote.

Somente depois é que se começa a aplicar o método investigativo. O que fará com que o paciente faça sua busca interior para aceitação de seus “fantasmas” e, consequentemente, que essa busca em seu inconsciente o faça entender o quanto é necessário o tratamento da doença psíquica a qual muitas vezes o leva às doenças físicas.

Ademais, dentro da análise, vai-se buscando a compreensão e o entendimento de todas as coisas ocorridas durante a infância e adolescência que refletem com mais força na fase adulta, fazendo sempre com que a baixa autoestima impere e nada seja alcançado de forma plena. Isso faz com que o paciente entre num processo de expurgo, e faça com que ele busque o autoconhecimento.

Meus primeiros passos e entendimento nos estudos

Os traumas, abusos, discórdias e culpas gerados durante a primeira infância serão os fantasmas perseguidores por todo sempre. E, na maioria das vezes, vai ser a sombra que vai atingir em cheio o inconsciente. Ademais, de forma inconsciente, isso leva a retroceder sempre que cada passo seja dado. A cada conquista alçada, o sentimento de derrota é maior que o sabor da coisa conquistada. 

Na adolescência, a fase de transição é difícil, deprimente. Porque os fantasmas e as dores psíquicas fazem com que dores físicas se apresentem sem nenhum tipo de explicação. Muitas vezes, essas dores levam a um recalque. A um sentimento de derrota que acabam por levar a caminhos sem volta. É visível sempre a importância da busca de compreensão do aparelho psíquico, do comportamento.

Como na estrutura clínica das investigações de transtornos, as neuroses têm seu desenvolvimento na raiz do histórico infantil e suas fases (oral, anal e fálica). Assim como o interesses sublimados que serão direcionados a áreas culturais, sociais, entre outras. Esse é o período de latência e a da zona erotizada a qual encontra-se na parte externa ao corpo.

Por fim, são fases que não acontecem necessariamente no período cronológico com a idade do indivíduo. Em Sigmund Freud, é visível claramente no Complexo de Édipo e, em Carl Jung, no Complexo de Electra. 

Gostou do artigo? Quer trilhar seus primeiros passos nessa área incrível? Então se inscreva no nosso curso, 100% online, de Psicanálise Clínica. Com ele, você estará apto a clinicar e ser um psicanalista de sucesso!

Autor anônimo.

 



 

Leia Também:  "Por que escolhi fazer psicanálise?"

 

 

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − 11 =