As Pulsões de Vida na Psicanálise

As Pulsões de Vida na Psicanálise

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

Para entender as Pulsões de Vida na Psicanálise, primeiro é necessário abordar o conceito de pulsão. Este conceito deriva da teoria da personalidade de Freud.

Essa teoria sugere que agimos para responder às tensões que nos instigam. Segundo essa corrente, a pulsão está na origem de toda atividade cerebral.

Entendendo as Pulsões de Vida na Psicanálise

A unidade de vida implementa: Em primeiro lugar, uma fonte: É o órgão onde nasce a pulsão. Uma força: Isso é o que impulsiona a ação. Um objetivo: É sobre a satisfação que surge da excitação. Um objeto: Isso é o que dá satisfação. Como já apontamos, a pulsão não é necessariamente uma questão de sexualidade. Ela vai muito além disso. E isso, mesmo que esteja ligado à busca de prazer e satisfação.

A pulsão de vida é aquele impulso que gera ativação e excitação no corpo. Seu objetivo é garantir nossa sobrevivência. Além disso, é uma força dinâmica que vai em busca do prazer . Em seguida, deixa de lado o que não o gera. Funciona quando ativamos mecanismos para reduzir nossas tensões. A vocação da pulsão é realizar-se, descarregar-se. Carrega dentro de si certa carga (tensão), certa quantidade de energia que deve ser liberada para que o aparelho psíquico não seja alterado em seu funcionamento.

No caso em que a pulsão não pode ser satisfeita, existem, segundo Freud, 5 destinos possíveis: a reversão ao seu oposto, a repressão, a sublimação, a reversão contra o próprio sujeito e finalmente a passagem da atividade à passividade. Por todos esses destinos, observamos a existência de 2 polos antagônicos e complementares, 2 componentes principais da vida pulsional.

Pulsões de Vida na Psicanálise e para Freud

Em 1915, Freud definiu a pulsão como “um conceito que limita o psíquico e o somático, enquanto representante psíquico das excitações que vêm do interior do corpo e atingem o psiquismo, como medida da demanda de trabalho que se impõe ao o corpo psíquico como consequência de sua conexão com o corporal ”(Freud, 1915, p. 18).

Sem esquecer em que medida essa noção de pulsão foi objeto de um longo amadurecimento no pensamento freudiano, lembremos que foi em 1920, em “Além do princípio do prazer”, que Freud afirmou pela primeira vez. A existência de dois. movimentos instintivos: “o instinto de vida” e “o instinto de morte”. Freud distingue quatro representações da pulsão de vida: a autopreservação e a sexualidade, o vínculo, a pulsão de repetir em seu aspecto adaptativo e o princípio do prazer.

Se Freud notou em 1920 um claro antagonismo entre a pulsão de vida e a pulsão de morte, ele também insistiu na “ação combinada” dessas duas pulsões originais nunca intervindo sozinhas, esse elo pulsional permitindo a regulação dos processos vitais, explicando de certa forma as manifestações de vida em um indivíduo.

Eros e Pulsões de Vida na Psicanálise

Também é chamada de Eros, pois a psicanálise sempre esteve próxima da mitologia. Freud, costumava usar metáforas ou analogias referentes a certas histórias ou características da mitologia para explicar suas teorias. Essa também é uma ótima ideia para tornar certos conceitos complexos mais compreensíveis. É por isso que o impulso de vida está associado a Eros.

Este deus da mitologia foi associado à atração sexual, amor e fertilidade. Eros está presente em cada um de nós. Ela interfere na relação que temos conosco, com os outros e também com a natureza . Ela se manifesta na forma como agimos, por meio de comportamentos que promovem nossa sobrevivência .

Além das atividades fisiológicas básicas, incluindo a sexualidade, a pulsão de vida está presente nos sonhos, na criatividade, no erotismo e no amor. Também está presente para evitar a dor e o que não nos agrada. Freud sempre enfatizou que as barreiras entre o prazer e o desprazer são um tanto obscuras.

Considerações finais

Na psicanálise, as fronteiras entre certos conceitos são muito estreitas. Isso porque, segundo a psicanálise, o aparelho psíquico é um elemento dinâmico . O impulso de vida não é exceção a este princípio. Vejamos agora, no quadro da teoria econômica com a qual os conceitos estão associados ao impulso para a vida: O princípio do prazer – É isso que visa encontrar satisfação. O princípio da realidade – Este princípio é responsável pela adaptação às circunstâncias.

A pulsão de morte – Inclui os impulsos associados à destruição e agressão. É também sobre a tendência de destruir a vida. O princípio do Nirvana – Teria a ver com a tendência de reduzir o nível de excitação a zero. O conceito de pulsão de vida é um dos conceitos mais importantes da teoria da psicanálise.

Leia Também:  Freud e seu estudo sobre a cocaína

Ele adquire todo o seu significado quando é compreendido no quadro da concepção psicanalítica do aparelho psíquico. Além disso, e embora possa parecer paradoxal, está intimamente ligado à pulsão de morte. Na verdade, não há um momento em que os dois conceitos não estejam presentes juntos. Por definição, a pulsão de vida é aquela pulsão que nos convida e nos motiva a sobreviver. Esse impulso dinâmico de autopreservação que todos temos dentro de nós é a base de muitos comportamentos que adotamos.

O presente artigo foi escrito por Michael Sousa([email protected]). Possui MBA em Gestão Estratégica pela FEA-RP USP, é graduado em Ciência da Computação e especialista em Gestão por Processos e Six Sigma. Possui extensão em Estatística Aplicada pelo Ibmec e em Gestão de Custos pela PUC-RS. Entretanto, rendendo-se aos interesses pelas teorias freudianas, foi formar-se em Psicanálise no Instituto Brasileiro de Psicanálise Clínica, e procura diariamente especializar-se cada vez mais no assunto e na clínica. É também colunista do Terraço Econômico, onde escreve sobre geopolítica e economia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.