Inconsciente Coletivo

Inconsciente Coletivo: o que é?

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

A humanidade compartilha elementos comuns que, segundo a teoria do inconsciente coletivo de Carl Jung, configuram uma espécie de herança psíquica.

Estaríamos, portanto, perante um “baú” de significados que herdámos como grupo social e que, de certa forma e segundo esta teoria, incide sobre o nosso comportamento e as nossas emoções.

Entendendo o Inconsciente Coletivo

Todos nós já ouvimos sobre o que Jung trouxe para o mundo da filosofia e da psicologia na virada do século XX. Essa contribuição motivou sua ruptura com a teoria psicanalítica e acentuou a distância entre ele e Sigmund Freud.

Assim, enquanto para o último o inconsciente era apenas aquela parte da mente que permitia manter todas as experiências que antes eram conscientes e foram reprimidas ou esquecidas, Carl Jung foi um pouco mais longe e transcendeu o plano individual. Jung por meio de sua prática clínica e de sua própria experiência, ele distinguiu um tipo muito mais profundo de consciência universal.

O inconsciente coletivo era mais como a noite cósmica ou esse caos primordial de onde emergem os arquétipos e essa herança psíquica que todos nós compartilhamos como humanidade. Poucas teorias foram tão controversas no mundo da psicologia.

Inconsciente Coletivo e pensamentos de Jung

O pensamento de Jung constitui uma das primeiras tentativas de revelar os mecanismos que atuam, abaixo de nosso nível de consciência, sobre nossos pensamentos e comportamentos. a partir de suas muitas viagens e estudos de diferentes populações, religiões, espiritualidades e mitologias, Jung percebe que em diferentes culturas humanas, através do tempo e do espaço, toda uma bagagem imaginária, mítica, poética comum é encontrada, embora apresentada de diferentes formas, marcada por estruturas e tipos de caracteres semelhantes.

Essa bagagem, por suas especificidades, constitui o substrato das culturas. Tomo, é claro, a palavra “cultura” em seu sentido amplo e seria a ferramenta com a qual um grupo humano percebe o mundo, entende o mundo e age no mundo. Jung observa que, quando os humanos deixam sua interioridade falar, eles entram em contato com essa bagagem comum. Isso acontece, por exemplo, por meio de sonhos.

Para ele, para além da experiência estritamente individual do sonhador, os sonhos integram e expressam elementos que pertencem a esta bagagem imaginária comum à Humanidade. Esse inconsciente coletivo seria composto de certos elementos: os arquétipos. Esses fenômenos psíquicos são como unidades de conhecimento, imagens mentais e pensamentos que todos nós temos sobre o que nos rodeia e que surgem instintivamente.

A maternidade

Um exemplo seria a “ maternidade ” e o significado que tem para nós, a “pessoa”, outro arquétipo entendido como aquela imagem de nós mesmos que queremos partilhar com os outros, “a sombra” ou o que, pelo contrário, queremos esconder ou reprimir. Sabendo disso e pegando na pergunta que nos perguntamos sobre a utilidade dessa teoria, é importante pensar no seguinte. O inconsciente coletivo de Carl Jung sugere que sublinhamos um fato.

Nunca nos desenvolvemos isoladamente e separadamente neste envelope que é a sociedade . Somos as engrenagens de uma máquina cultural, de uma entidade sofisticada que nos transmite padrões e nos incutem sentidos que herdamos uns dos outros. os arquétipos seriam os órgãos da psique. Por isso, é importante zelar pela saúde dos seus órgãos e o facto de lhes prestar atenção, colocar consciência nos nossos arquétipos, integrá-los na nossa vida, desempenha um papel fundamental em relação à nossa saúde mental.

Leia Também:  O Erro e o Dado em linguística e psicanálise

A saúde é vista aqui muito mais do que a ausência de patologia, mas como a capacidade de liberar todo o potencial que se carrega para poder viver a vida como uma obra-prima. Para integrar essa consciência de arquétipos, para deixar a energia fluir livremente, o homem sempre viveu com referência à mitologia, aos contos, às lendas, às religiões e aos sonhos, em particular. Eles parecem constituir toda uma parafernália de “construção – reparo” que é preciosa para os humanos, tanto individual quanto socialmente.

Inconsciente Coletivo e os instintos

Além do ambiente “simples” sensível, objetos de conhecimento intelectual como os números, por exemplo, sempre nutriram a imaginação e a mente dos homens mais despertos. Eles são carregados com vários sentidos. Também as cartas, que antes – ou além – de servirem de instrumentos de comunicação entre os seres humanos, constituíam suportes para certas práticas rituais, mágicas ou de adivinhação (isto é, outra forma de comunicação, tanto interna como externa).

Sabemos bem pelas runas dos nórdicos ou pelo uso que se faz das letras hebraicas na Cabala. A teoria de Carl Jung e sua proposição sobre o inconsciente coletivo na verdade refletem muito de nossos instintos, nossos impulsos mais profundos como seres humanos: é aí que o amor, o medo, a projeção social, o sexo, a sabedoria, o bem e o mal.

Assim, um dos objetivos da psicóloga suíça era garantir que as pessoas construíssem um “eu” autêntico e saudável, dentro do qual todas essas energias e todos esses arquétipos vivessem em harmonia.

Conclusão

Um aspecto não menos interessante do inconsciente coletivo de Carl Jung é que, como ele explicou, essa energia psíquica muda com o tempo. A cada geração, encontramos variações culturais, sociológicas e ambientais. Tudo isso teria um impacto em nossa mente e nessas camadas inconscientes onde novos arquétipos são criados.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    O presente artigo foi escrito por Michael Sousa ([email protected]). MBA em Gestão Estratégica pela FEA-RP USP, é graduado em Ciência da Computação e especialista em Gestão por Processos e Six Sigma. Possui extensão em Estatística Aplicada pelo Ibmec e em Gestão de Custos pela PUC-RS. Entretanto, rendendo-se aos interesses pelas teorias freudianas, foi formar-se em Psicanálise no Instituto Brasileiro de Psicanálise Clínica, e procura diariamente especializar-se cada vez mais no assunto e na clínica. É também colunista do Terraço Econômico, onde escreve sobre geopolítica e economia.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.