Pulsões de Morte na Psicanálise

Pulsões de Morte na Psicanálise

Posted on Posted in Psicanálise

Freud teorizou as Pulsões de Morte na Psicanálise em 1920 em um texto importante intitulado Além do princípio do prazer.

Ele muda sua visão da vida psíquica, acompanhando os estragos observados nos soldados da Primeira Guerra Mundial e em meio ao surgimento da propaganda nazista.

Freud e as Pulsões de Morte na Psicanálise

Ele inicialmente se baseou em uma hipótese biológica, a de um retorno ao inanimado de qualquer organismo vivo, o princípio da entropia, que ele postulou primeiramente como especulação, na posição de referente principal, e que ele expandirá posteriormente em hipótese a um impulso de destruição, ativos em nossas sociedades.

O trabalho desses dois tipos de pulsão, subsumidos no par teórico-clínico do vínculo-desatamento, situa-se o mais próximo possível do nó da vida e da morte. Esses impulsos de morte ou destruição raramente são vistos em si mesmos, livres e soltos como o impulso de repetir, porque são silenciosos, silenciosos e muitas vezes ligados a uma noção erótica. Spielrein em seu texto de 1912, “A destruição como causa do devir”, texto que inspirou Freud.

A pulsão de morte não opera a partir da abolição das formas, mas do silêncio, através da repetição das experiências negativas do trauma, e esse encontro ruim com a realidade; opera a partir da construção de formas para aboli-las. A pulsão de morte e a repetição trabalham juntas até o âmago do desejo humano.

Pulsões de Morte na Psicanálise e o princípio do Nirvana

No curso da evolução de seu pensamento, Freud verá sucessivamente na pulsão de morte, na compulsão à repetição, o princípio do Nirvana – do termo sânscrito emprestado do budismo que significa “escapar da dor” – levando à extinção, apaziguamento das tensões, redução dos investimentos ao nível zero tendendo ao narcisismo primário absoluto, depois a tensão e a tendência à destrutividade, predominante em nossa civilização, que ele chama de pulsão de destruição.

Freud, então, não o vincula mais apenas à busca da inércia, mas à destruição ativa do outro, um ataque ativo a tudo que se interpõe nas satisfações instintivas, ou que produz satisfação se for eliminado. Essa noção se tornará fundamental para as tentativas de aplicar a psicanálise à sociedade, religião e cultura. Para a psicanalista Melanie Klein, uma segunda figura da psicanálise pós Freud, a pulsão de morte e a pulsão de vida existem desde o nascimento e são anteriores a qualquer experiência vivida.

Outros seguidores da obra de Freud considerarão a pulsão de morte de um ângulo teórico ligeiramente diferente. Jacques Lacan fará da pulsão de morte o ex nihilo (o surgimento primordial) de onde se origina o sujeito. Articula uma pulsão de morte em uma pulsão de destruição, uma pulsão que desafia o que existe, mas que também é um desejo de criar do nada, um “desejo de começar de novo”, evocando aqui mitologia e conceitos arquépticos.

Pulsões de Morte na Psicanálise e Thanatos

Um lugar especial deve ser feito no que diz respeito a Thanatos e a pulsão de morte. A expressão das pulsões de morte encontrará um caminho, por exemplo, em atos de destruição. Destruição do objeto após tentativas de autodestruição. As tentativas de suicídio geralmente são pouco mencionadas, pouco verbalizadas. Muitas vezes as pessoas preferem tentar esquecer esse momento em que a pulsão de morte os invadiu a ponto de obrigá-los a agir.

Esta pulsão de morte estará inscrita em ideias mortais, fantasias, pesadelos que podem ser depositados em um lençol e ser declinados em temas mortais, em movimentos descendentes, em cores escuras, em subterrâneos escuros, em uma sensação de vazio, incapaz de visualizar o futuro, em palavras negativas etc. Em todo ser humano existe essa pulsão, mais ou menos ativa.

Leia Também:  A menina que roubava livros: lições do filme

Geralmente é colocado à distância, negado da melhor forma possível, esquecido, reprimido. A morte é o único momento em nossa vida que nosso inconsciente não consegue rastrear. Não pode ser simbolizado, irrepresentável em sua interrupção do fio da vida. Certos mitos e contos tentam nos dar imagens disso. As religiões procuram dar-nos explicações e atribuir-lhe um papel que possa tranquilizar ou tentar dar sentido a este corte final.

Considerações finais

Para as pessoas deprimidas, as tentativas de suicídio são meios de pedir ajuda e devem ser colocadas em outro contexto. Esse fascínio potencial pela morte, também pode incluir o horror, a estranheza, o bruto, o primitivo, é uma dificuldade encontrada por qualquer terapeuta. Teorização, supervisão, criatividade profissional, podem ser formas de sublimação e possível metamorfose de toda essa cota de energias sombrias, de desvinculação, de fragmentação decorrente do inconsciente humano.

A pulsão de morte nos leva a nos perguntarmos a questão do luto. É claro que é o momento da perda de uma pessoa real, de um ente querido, mas também feito de pequenos momentos de renúncia, como o luto por uma ideia, um projeto, uma ilusão. Melanie Klein acredita que a capacidade de lidar com o luto depende de quão bem as primeiras perdas foram superadas.

A criança chora no peito ao desmamar. Essas experiências estão amadurecendo. Esse processo é fundamental para os sujeitos neuróticos e depressivos, entra no campo da aceitação da perda, da separação, do vazio.

O presente artigo foi escrito por Michael Sousa([email protected]). MBA em Gestão Estratégica pela FEA-RP USP, é graduado em Ciência da Computação e especialista em Gestão por Processos e Six Sigma. Possui extensão em Estatística Aplicada pelo Ibmec e em Gestão de Custos pela PUC-RS. Entretanto, rendendo-se aos interesses pelas teorias freudianas, foi formar-se em Psicanálise no Instituto Brasileiro de Psicanálise Clínica, e procura diariamente especializar-se cada vez mais no assunto e na clínica. É também colunista do Terraço Econômico, onde escreve sobre geopolítica e economia.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    One thought on “Pulsões de Morte na Psicanálise

    1. Muito bom artigo! A morte é um assunto que poucos querem falar. Que segundo a religião cristã, as pessoas não foram criadas para morrer”, deve ser por isso que temos um sentimento de sermos eternos.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.