Sobre Melanie Klein

Sobre Melanie Klein: vida e conceitos

Posted on Posted in Psicanálise

Para entender sobre Melanie Klein, grande psicanalista austríaca que viveu de 1882 à 1960 e que foi pioneira na Teoria das Relações Objetais (TRO) e se dedicou a Psicanálise infantil, sendo um contraponto a Ana Freud, também temos que entender que TRO Deriva da teoria Pulsional de Freud. Contudo, se diferencia em três pontos chaves que serão explicados:

  • Dá uma ênfase menor aos impulsos Biológicos e uma ênfase maior aos padrões de relacionamentos que as crianças desenvolvem;
  • Destaca a intimidade e o cuidado da mãe com a criança como chave para vida psíquica em contraponto a figura protagonista paterna freudiana.
  • A busca pelo contato e os relacionamentos são os norteadores do comportamento humano e não o prazer sexual como na literatura freudiana.

As relações objetivas e as reminiscências sobre Melanie Klein

As Relações Objetais são as relações entre os objetos ligados a satisfação dos desejos e as necessidades de alguém. Estes objetos podem ser desde pessoas ou parte de pessoas, como uma mãe e o seu seio, ou ainda a coisas inanimadas. Assim como Freud, Klein parte do princípio básico de que o homem busca reduzir a tensão provocada por desejos insatisfeitos.

No caso da criança muito pequena, o objeto que reduz essa tensão é a pessoa (Mãe) ou a parte da pessoa que atende sua necessidade (Seio Materno). A dinâmica da relação da mãe/seu seio e o bebê servirá como base para os relacionamentos futuros da criança através de Reminiscências, que são restos de memorias inconscientes.

Todo relacionamento está permeado de símbolos que, por sua vez, estão ligados a objetos que foram representativos no decorrer da infância, incluindo as pessoas. Enxergamos parcialmente esses objetos em nossos parceiros, em reminiscências que projetamos em relação ao presente.

O ego nos bebês

Klein ainda tem uma visão de que o aparelho psíquico de desenvolve de forma precoce, se comparado a teoria freudiana, onde o Ego do bebê se desenvolve antes mesmo do 6º mês de vida.

Para teoria kleineana, a instância do ego se desenvolve a partir de um processo de clivagem, onde o mesmo é dividido em dois, uma parte boa e outra má. Isso porque, enquanto novos, não somos capazes de lidar com os impulsos destrutivos (pulsão de morte) que trazemos conosco desde as fases mais primitivas do nosso aparelho psíquico.

Aparece então a figura do Seio Bom e Seio Mal. Enquanto um representa a satisfação das nossas necessidades e o prazer, o outro representa todo processo destrutivo que busca acabar com o seio bom.

Sobre Melanie Klein e a divisão entre bem e mal

Essa divisão entre bem e mal tende a se resolver de acordo com o crescimento da criança, de forma que a mesma passa a observar que algo, ou alguém, não é unicamente bom ou mal, mas sim uma mistura de ambos.

Uma mãe pode ser ao mesmo tempo boa e má, por exemplo. Boa quando se faz presente e satisfaz as necessidades da criança e má nos momentos em que não é possível se fazer presente. Resolvido esse processo de clivagem, o Ego se unifica e a criança passa a assumir o que Klein chamou de Posição Depressiva, se sentindo culpada devido as tentativas de destruir a mãe ou o seio materno graças aos impulsos destrutivos primitivos do aparelho psíquico.

Leia Também:  Entendendo a Teoria Cognitiva Comportamental

Essa fase tende a ser resolvida através das fantasias complexas, diferente das apresentadas nas fases mais primitivas da Psique, onde a criança passa a se redimir frente a figura materna.

A identificação projetiva sobre Melanie Klein

Klein se dedicou também ao estudo dos processos projetivos, conceito freudiano chave para o desenvolvimento de sua teoria. A projeção é o mecanismo de defesa pelo qual projetamos no ambiente ou outras pessoas características ou estímulos que não somos capazes de aceitar em nós mesmos.

Melaine, por sua vez, cunhou o conceito de Identificação Projetiva, que é o processo pelo qual o ambiente é moldado pela projeção recebida. Vamos imaginar que o chefe de um trabalhador frequentemente o tacha como incompetente devido ao não atingimento de uma meta da equipe. A princípio, a culpa é da equipe como um todo e todos são igualmente responsáveis por não atingir a meta.

Contudo, devido a incapacidade do chefe de aceitar sua parcela de culpa o mesmo a projeta nesse trabalhador o tachando de incompetente que, por sua vez, ao receber esse estimulo passa a se enxergar dessa maneira e ter um rendimento menor do que tinha antes.

A identificação projetiva

Esse processo de alteração do ambiente devido a uma projeção é o que Klein chamou de identificação projetiva.

Contudo, a identificação projetiva não deve ser vista apenas de uma forma negativa, podemos ver a mesma no processo terapêutico também.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Dessa vez vamos imaginar um paciente em um consultório psicanalítico, o mesmo projeta de forma inconsciente constantemente no seu/sua terapeuta que consciente desse processo de projeção pode dar continuidade a análise e devolver esse estimulo ao paciente de maneira que o mesmo possa perceber algo chave para seu processo analítico.

    A técnica do brincar e a análise infantil

    A contribuição mais expressiva de Melanie Klein foi sem dúvidas o desenvolvimento da Técnica do Brincar. Em 1920, Klein passa a desenvolver sua análise com crianças e bebês. Ela percebeu que mesmo sendo impossível realizar a livre associação de palavras a análise ainda era viável através de uma representação simbólica no brincar.

    Klein observou que as crianças representam de forma simbólica suas ansiedades e fantasias nas suas brincadeiras, então passou a reconhecer o ato de brincar como um equivalente a expressão verbal. A partir daí, Klein equipou seu consultório com brinquedos e jogos infantis para poder realizar o processo de análise com crianças.

    Com isso, Klein criou uma ponte para a comunicação buscando falar as crianças em uma linguagem compreensível a ela, uma brincadeira. A ênfase dada a Melanie a importância dos processos de socialização das crianças com o meio teve efeitos para além da psicanálise, sendo uma base para o desenvolvimento de diversos procedimentos adotados nos dias de hoje em áreas como a pediatria, educação e serviço social.

    Conclusão

    A teoria desenvolvida por Melanie é de suma importância na formação de um psicanalista, mas além disso a mesma carrega consigo uma representatividade muito grande para as mulheres.

    Sendo uma das pioneiras na Psicanalise e tendo desenvolvido princípios pra psicanalise infantil, quando mesmo Freud não dava muito atenção a isso, Klein certamente merece um local de destaque nos cursos de formação em psicanálise.

    O presente artigo foi escrito pelo autor Augusto Souza ([email protected]). Psicanalista em formação, Resende-RJ.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *