Sublimação: significado em Psicanálise

Posted on Posted in Curso de Psicanálise, Psicanálise

Veremos o que é sublimação, significado deste conceito tão difundido da Psicanálise. Para Freud, sublimação seria uma forma de transformar uma pulsão em algo socialmente aceito. Por exemplo, quando trabalhamos, estamos transformando nossa libido ou nossa pulsão sexual ou de vida em algo “produtivo”. Seria como se convertêssemos uma energia (interessante ao indivíduo) em outra (interessante à sociedade).

Mas existem outras formas de entender o significado da Sublimação. Vamos ver com mais exemplos?

Conceituando a Sublimação

Sublimação é o mecanismo de defesa que transforma algum desejo ruim e inconsciente em determinados impulsos que são bem vistos pela sociedade. Ou seja, geram atitudes aceitas pela sociedade. São meios que o nosso inconsciente usa para amenizar:

  • dor
  • angústia
  • frustração
  • conflitos mentais

Além do que foi mencionado, são meios de lidar com o que leva a sentir angústia. Isto é, pensamentos ou sentimentos provocados por impulsos indesejados e transformados em algo menos prejudicial. Resumindo, o que pode ser peça construtiva de trabalho.

A Sublimação pode se tornar algo patológico

A Sublimação é uma energia de atos destrutivos e não é aceitável socialmente. É uma criatividade que se torna eficaz, e tem a função de promover o esquecimento das lembranças dolorosas. Ela é direcionada para a nossa realização e também para normalidade do indivíduo, no sentido de desviar das metas sexuais para novas metas. Sendo assim, serve para à construção do caráter, na edificação das virtudes humanas, é a defesa que busca a satisfação.

Mas, quando usado em grande quantidade, ela se torna algo patológico, e o desejo sexual ou agressivo tem que ser transformado em algo produtivo. Ou seja, mudado de foco para algo artístico, cultural ou intelectual. Assim, também transforma as emoções que estão causando conflitos em algo bom e criativo. Sem ferir ninguém, canaliza o desejo para algo aceito e que dá satisfação.

O inconsciente e o Ego

O religioso descarrega o impulso com a substituição do cultural ou intelectual de forma desejável, sem deixar sofrimento na pessoa. Desviando o inconsciente, o ego satisfaz o id e a pressão do superego, e o inconsciente aceita a realidade e elimina a tensão.

Porém a energia sublimada é para as pessoas muito útil. Ela transforma o princípio do prazer em benefício, libertação e construção para o trabalho, e assim, pode as deixar livres de pensamentos incômodos.

O inconsciente, o ego com aspiração codificada, se manifesta através de algo que reduz o desejo anterior. A libido, que é a base da vida e que faz a vida reproduzir por meio sexual, é força fundamental e vital. Se assim não fosse, voltaria a vida animal e não existiria a crença na vida após a morte, e nem a religião.

Controlando o prazer

O jogo é a energia canalizada que é a sublimação. Ela dá o desvio para o trabalho, pintura, pois são atos desviados. É uma força que domina o princípio do prazer, porém, obedece ao gozo individual, colocado sobre o princípio da realidade e sociedade. Dá lugar a civilidade, a segmentos da sociedade elancados nos tópicos abaixo:

  • trabalho
  • cultura
  • diversão

A busca da satisfação

A sublimação inclina-se ao bem comum da sociedade, através de atividade sexual, do prazer reduzido com o objetivo da reprodução. Faz com que o homem se sinta útil como reprodutor e que as mulheres estejam livres da histeria psicossocial .

Viver significa trabalhar a concorrência formal, controlar e transformar em algo em bom e útil. Ou seja, é um elemento presente na vida de qualquer ser humano, na busca da satisfação entrelaçado ao recalque, à norma social.

Ao se criar forças culturais, ocorrerá uma diminuição de adoecimento de pacientes neuróticos. E, consequentemente, haverá uma melhor presença da satisfação pulsional.

Conclusão

Assim, devemos transformar nossos desejos recalcados em energia útil, sem prejudicar ninguém. Com a sublimação podemos usar nossas demandas para sermos bem sucedidos nos negócios, além da possibilidade de se tornar um artista.

Há que se transformar nossas energias agressivas em atos para salvar vidas, servir a comunidade. Isto é, em atos e atitudes dignas de reconhecimento.

Este artigo foi criado por Maria Raquel, exclusivo para o site do Curso Psicanálise Clínica (inscreva-se). Curta, comente e compartilhe!

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *