vive dando desculpas

Vive dando desculpas: vítimas algozes

Posted on Posted in Comportamento

Hoje falaremos sobre quem  vive dando desculpas. O significado de vítima no senso comum corresponde à pessoa que sofreu algum tipo de violência ou exploração, seja ela verbal, física, financeira ou psicológica. Numa relação de causa e efeito, a vítima é aquela que é afetada e violada por alguém ou algo que a causou algum tipo de dano.

Entendendo quem vive dando desculpas

Ao longo da história da humanidade, leis foram criadas para proteger as vítimas, para fazer valer a justiça de forma prática e para punir os transgressores. A civilização humana como um todo percebeu a necessidade de haver um tribunal, onde pessoas seriam julgadas por juízes que as declarariam inocentes ou culpadas.

Todas as sociedades são unânimes na constatação de que é necessário um sistema de leis e punições, mas embora ele seja valorizado, nem sempre é eficaz. Em alguns casos, quando a justiça não é feita, a vítima se sente desamparada e envolta por sentimentos de vingança, e é nesse instante que a vítima pode se tornar algoz.

Atualmente muito tem se falado sobre um fenômeno chamado vitimismo. Esse termo vem sendo utilizado recentemente para definir o comportamento de pessoas que por alguma razão sentem algum tipo de prazer ou necessidade de ocupar o lugar de vítima. Já que no lugar de vítima há exploração, dor e sofrimento, não há uma explicação lógica no senso comum do porque algumas pessoas optam voluntariamente por ocupar esse lugar. A grande questão é que quem é adepto ao vitimismo, não percebe que é.

Perfil de quem vive dando desculpas

Na realidade, a pessoa realmente se sente vítima, porque esse processo, na maioria das vezes se dá de forma inconsciente e acaba por aprisionar os indivíduos neste papel, sem que eles estejam conscientes disso. A pessoa que opta inconscientemente ou não por ocupar o lugar de vítima, não somente tem prejuízos como se possa imaginar numa reflexão primária, mas também possui alguns ganhos. Um desses ganhos é a atenção.

A vítima da história sempre recebe atenção, apoio, aconchego e acolhimento, todos se revoltam com o agressor e se movem de compaixão com quem foi agredido. A dor do outro muitas vezes desperta nos indivíduos em geral um sentimento de empatia e identificação, a vítima sempre atrai olhares repletos de cuidado e amor.

A vítima é sempre a parte mais frágil, é a parte que necessita de amparo. Ou seja, estar no lugar de vítima fornece benefícios e confortos também. Enquanto outras pessoas cuidam da vítima, não há necessidade de que a mesma se responsabilize pelas suas ações.

A zona de conforto

Permanecer no lugar de vítima é sempre encontrar culpados para sua situação de vida atual, é ficar preso ao passado, é usar desculpas para não sair da zona de conforto, é se esconder num lugar supostamente seguro que aparenta entregar algum tipo de proteção contra as exigências do mundo.

A psicanálise explica como isso funciona através dos mecanismos de defesa do ego. Um deles é a racionalização, que é utilizada quando o sujeito usa de argumentos lógicos para explicar suas decisões e atitudes. Logo, nesse mecanismo de defesa, o ego se reconforta ao racionalizar. O grande problema dele é porque o mesmo sempre atribui a responsabilidade por tudo aos outros e a fatores exteriores, sendo assim, a auto responsabilidade é anulada.

Um exemplo claro disso são aquelas pessoas que passam a vida inteira dizendo que não conseguiram alcançar o sucesso ou a felicidade, porque seus pais eram ruins e os prejudicaram no passado.

Vítimas de eventos traumáticos

Muitas pessoas realmente foram vítimas de eventos traumáticos e dolorosos em suas vidas, foram afetadas por pessoas, foram torturadas, violadas, e esses fatos são marcantes e influenciam o modo de vida após os acontecimentos. Mas a grande questão não é o fato de ter sido vítima, mas o fato de permanecer ocupando este lugar mesmo após a resolução dos eventos. Isso é extremamente prejudicial, e está na lista de causas da distimia (depressão de menor severidade).

Decidir permanecer sendo vista como vítima, é optar por paralisar a vida no momento traumático e não desenvolver potencialidades, habilidades, e consequentemente não alcançar o sucesso.

Outra situação que pode surgir a partir disso é a revolta da vítima que por muitos anos se manteve remoendo os acontecimentos do trauma, e nutriu um sentimento de injustiça tão forte que chegou à conclusão de que deveria vingar-se de alguma forma de quem a prejudicou.

A infância de quem vive dando desculpas

É nesse caso que a vítima se torna algoz. Ela é tomada por sentimento de ódio e intolerância, e procura fazer justiça ou consertar os fatos do passado de modo próprio e calculado. Porém, mesmo que não seja possível vingar-se de quem causou o dano, o desejo por vingança procura por outros meios de se concretizar.

Exemplos disso são os estupradores que foram estuprados, os filhos que presenciaram violência doméstica e quando se tornam adultos praticam agressões iguais ou piores às que vivenciaram na infância:

  • crianças que foram violentadas e se tornam abusadores na vida adulta,
  • pessoas que viveram um relacionamento tóxico com seus pais na infância e se tornaram tóxicos quando adultos,
  • os escravos que quando foram libertos passaram a escravizar, e a lista segue de forma indefinida.

A propagação de dor

As vítimas algozes são aquelas que se utilizam de suas vivências passadas para justificar suas atitudes no presente. Elas dizem: “Você não sabe o que eu passei, eu sou assim porque fizeram uma injustiça comigo”.

QUERO INFORMAÇÕES PARA ME INSCREVER NA FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Esses indivíduos não conseguem perceber que estão perpetuando um padrão terrível, e que estão sendo tão terríveis quanto as pessoas que lhes causaram danos. As vítimas algozes fazem parte do ciclo da propagação da dor e da violência, da retribuição do mal com mal, e da perpetuação do sofrimento.

    Esse ciclo inicia com o ressentimento, que evolui para rancor, que cria raízes e promove a instalação do ódio, que impele o indivíduo a querer descarregar esse sentimento de alguma forma, já que é um sentimento altamente prejudicial. Porém a forma que eles encontram para descarregar essa energia é através da vingança, e quando essa opção é escolhida, o sofrimento não cessa, ele apenas é compartilhado.

    O trauma

    O processo de ressignificação de um trauma não é fácil, por isso a vítima muitas vezes opta pelo caminho aparentemente menos árduo, que é o de permanecer como vítima, ou de partir para a revolta. Mas a melhor decisão a se tomar é decidir trabalhar as dores, as perdas, os danos causados de maneira a compreendê-los e sublimá-los, fazendo com que eles cooperem para um amadurecimento e fortalecimento pessoal (Nesse processo é importante buscar ajuda de profissionais qualificados que estejam aptos para tratar essas questões).

    É usar a dor para curar, não para produzir mais dores. A vítima precisa chegar à compreensão de que: “O que fizeram comigo é tão ruim, tão pernicioso, que não desejo a mais ninguém, e não farei isso com nenhum outro ser humano”. Outro caminho possível é buscar ajudar pessoas que passaram por dores semelhantes através do acolhimento.

    Organizações voluntárias de ajuda comunitária são normalmente criadas por pessoas que foram vítimas de algum tipo de injustiça, e lutam de forma incisiva para que essas injustiças não mais ocorram. Chega-se à conclusão de que quando a vítima resolve retribuir o mal com o mal, só está perpetuando um ciclo de maldades.

    Conclusão sobre quem vive dando desculpas

    É fato que a justiça deveria ser feita, e que todos deveriam pagar pelas suas ações transgressoras, mas embora a justiça falhe muitas vezes na execução do seu papel, é sempre bom recordar que a pessoa que cometeu algum crime, que praticou maldades, é uma pessoa que já não é feliz e provavelmente tem uma série de transtornos psicológicos que as mantém numa vida medíocre e sem significados, ela já está condenada antes mesmo do juiz bater o martelo.

    É necessário não se embaraçar no destino de infelicidade dessas pessoas, e seguir a vida buscando a paz interior. A vingança não produz justiça, pode-se compreender isso através de uma metáfora que promove uma reflexão profunda:

    “Se o meu inimigo estivesse numa cela trancado comigo, e eu tivesse uma bomba escondida e pronta a explodir, e acionasse essa bomba na cela, eu o destruiria, no entanto, eu também seria destruído.”

    Este artigo sobre gente que vive dando desculpas foi escrito pela psicanalista Ivana Oliveira. Quem quiser entrar em contato, só enviar um email para: [email protected].

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *