o que é agirofobia

Agirofobia: medo de ruas ou de cruzamentos

Posted on Posted in Fobias

Dentre os diversos tipos de fobias, existe a chamada agirofobia que se caracteriza pelo medo excessivo e irracional de rua, atravessar rua ou cruzamento, ainda que a pessoa esteja andando sob faixas de pedestres. Como as fobias em geral, o fóbico age de forma involuntária sobre seus medos.

As pessoas que sofrem com a agirofobia costumeiramente ficam reclusas em casa, fato este que atrapalha significativamente sua vida cotidiana. Ou seja, até os atos mais comuns, como, por exemplo, trabalhar e ir ao mercado, tornam-se intoleráveis emocionalmente.

O que é agirofobia?

Em suma, agirofobia é o medo desmedido que a pessoa tem de atravessar ruas ou cruzamentos. Nos casos mais sérios, pode desencadear problemas psicológicos sérios, como depressão, síndrome do pânico e transtorno de ansiedade.

Nesse sentido, esta categoria de tem como principal o medo persistente e involuntário que a pessoa tem de ser atropelada. Então, evita ao máximo todos os lugares em que circulam veículos.

O medo passa a ser anormal quando começa a atrapalhar diversas situações da vida. Ou seja, é comum se tomar todos os cuidados necessários ao se atravessar a rua, principalmente em locais com alto tráfego de veículos. Mas passa a ser considerada uma fobia quando esse receio se torna um medo excessivo.

Quais são os sintomas da agirofobia?

Ao deparar-se com ruas, até mesmo as que estejam vazias, o agirofóbico passa a ter sintomas como:

  • ansiedade;
  • falta de ar;
  • calafrios;
  • taquicardia;
  • tonturas;
  • formigamento;
  • ataques de pânico.

Em sua maioria, as pessoas que sofrem desse medo patológico não costumam sair na rua. Preferem ficar em suas casas, evitando a qualquer custo enfrentar novamente sensações como essas, já experimentadas.

Quais são as causas da medo de rua ou medo de atravessar rua?

Sobremaneira, as causas que normalmente desencadeiam a agirofobia são as relacionadas a traumas passados envolvendo acidentes de trânsito. Desse modo, esta fobia sobrevêm de circunstâncias de sua mente, consciente ou inconsciente, em razão de fatos como, por exemplo, ter sofrido um atropelamento.

Em outras palavras, este medo patológico é originado de eventos traumáticos que envolveram acidentes de veículos. Fato este que faz com que o fóbico, assim, assimile estar em ruas ou cruzamentos a esses eventos que lhe causaram sofrimento.

O primeiro passo para quem está desenvolvendo esta fobia, é procurar ajuda de um profissional especializado na mente humana. Ou seja, ele descobrirá quais são as causas desse medo, utilizando de técnicas específicas para que, assim, seja possível encontrar um tratamento.

Quais são as consequências da fobia de atravessar rua?

Conforme dito anteriormente, a primeira consequência da agirofobia é a evitação. Desse modo, o indivíduo passa a viver em isolamento, sem convívio social, pois, nos casos mais graves, fica meses, ou anos, sem sequer sair de casa.

O isolamento é utilizado pelo fóbico como seu meio de defesa, assim, faz com que seus pensamentos ou comportamentos sejam bloqueados. Portanto, exclui de sua consciência qualquer situação que remeta ao ato de sair para rua.

Além disso, quem sofre de agirofobia também utiliza um mecanismo de defesa chamado de negação. Em suma, o indivíduo nega a realidade exterior, a substituindo por uma realidade alternativa. Que, nesse caso, por exemplo, faz da sua moradia, a sua vida, como se nada estivesse acontecendo fora dela.

Qual o tratamento para fobia de rua?

Em sendo um distúrbio psíquico, a agirofobia deve ser tratada por um profissional, principalmente por ser um dos tipos de fobias mais limitantes. Que, assim, podem resultar em diversos transtornos psicológicos. No pior dos casos, a pessoa também deverá fazer tratamento psiquiátrico, com uso de medicamentos ansiolíticos.

Nesse sentido, para quem tem agirofobia, não é suficiente alguém dizer coisas como: “Pegue em minha mão, vamos atravessar juntos.”; “Você não está em perigo, nada de ruim vai acontecer.”. Portanto, é importante lembrar ser um medo patológico, ou seja, totalmente irracional e involuntário.

Contudo, os tratamentos mais comuns para fobias são os terapêuticos, onde o profissional trabalhará na origem do medo para, utilizar de técnicas para cura.

Leia Também:  Claustrofobia: o que é, como age, o que fazer?

Como saber se é fobia?

Em geral, a característica principal das fobias é o medo contínuo e irracional em meio a estímulos específicos, como, objetos e determinadas situações. Em outras palavras, perante aos gatilhos mentais, a depende do tipo de fobia, a pessoa apresenta uma compulsão para evitá-los.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Desse modo, é visto um medo desproporcional diante do fato, em meio ao perigo real que a mente do fóbico reproduz. Nesse sentido, acaba criando um círculo vicioso em sua vida, que, gradativamente, aumenta o nível de seu isolamento social.

    Agora, vale destacar que os sintomas da fobia, como ansiedade e crise de pânico não surgem repentinamente. Sendo assim, possuem diversas causas, que, em sua maioria, são:

    • insegurança;
    • autocobrança exagerada;
    • sensação de incapacidade;
    • críticas sobre seu valor pessoal;
    • traumas passados.

    Se você sofre de alguma fobia, é essencial que você respeite como funciona sua mente, o que dificilmente conseguirá aprender sozinho. Assim, procure ajuda profissional para que, desse modo, consiga compreender como funciona nosso cérebro e como ele “interpreta” os medos e situações que entende como perigosas.

    Em resultado a esse “perigo” iminente, o corpo reage de forma instintiva, respondendo automaticamente com comportamentos de enfrentamento ou de fuga.

    Dica importante controle da crise de fobia

    Você já deve ter ouvido muito que a respiração é essencial para momentos de crise. Através de técnicas de respiração trará equilíbrio ao seu cérebro, reduzindo os níveis de ansiedade.

    Quando em crise, as pessoas que sofrem de fobias, respiram de modo superficial, alterando a química do seu sangue. Desse modo, o cérebro entende que você está em um estado de emergência, causando intenso medo e ansiedade.

    Então, primeiro, atenção a sua respiração, aprenda técnicas para conseguir respirar profundamente. Isso fará toda diferença para poder, naquele momento, equilibrar a sua mente.

    Você já teve medo de ruas, de uma maneira totalmente exagerada? Isso está atrapalhando sua rotina? Conte para nós nos comentários logo abaixo e tire suas dúvidas. Ainda mais, sua experiência também pode ajudar alguém em sofrimento.

    Por fim, se gosta desse tipo de conteúdo, curta e compartilhe em suas redes sociais. Isso nos incentiva a continuar sempre gerando conteúdos de qualidade para nossos leitores.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.