Quem foi Anna Freud?

Posted on Posted in Formação em Psicanálise, Psicanálise

Neste artigo, trazemos informações sobre Anna Freud. Você descobrirá quem ela é, além de entender qual foi a sua contribuição científica, obras e citações.

Se você chegou até aqui, provavelmente quer conhecer um pouco mais sobre essa grande mulher. Assim, sendo, esperamos que este texto contribua nessa sua empreitada.

No final da sua leitura deixe sua opinião e dúvidas nos comentários. Esse seu feedback é muito importante para gente!

Biografia e curiosidades

Anna Freud nasceu em 03 de dezembro de 1895 na cidade de Viena na Áustria-Hungria. Ela era a caçula de 6 filhos de Martha Bernays e Sigmund Freud. Talvez quando você ouviu falar nela, pensou que era a esposa e não a caçula de Freud, não é?

Anna Freud e seu pai

Outra curiosidade sobre a Anna é que seus pais não a desejavam! Caso você não saiba, após seu nascimento Freud manteve-se casto para não ter outros filhos. Nesse contexto, a castidade foi a opção escolhida, pois ele não podia usar contraceptivos.

Havia muita rivalidade entre ela e suas irmãs. Segundo seu próprio pai, Anna era muito desobediente. No entanto, mesmo sendo reprovada muitas vezes, a garota adorava o seu pai. Assim, queria seguir sua carreira. O problema é que, por ser mulher, não poderia estudar para medicina.

Independente disso, a adoração de Anna Freud por seu pai foi se tornando algo recíproco com o passar do tempo. Ela cuidou do seu pai quando esse estava enfermo e foi sua confidente. Freud, inclusive, analisou sua filha por duas vezes e disse não conseguir renunciar sua presença.

Formação

Anna Freud terminou sua formação básica para pedagogia em 1912 em sua cidade natal. Quando a guerra começou, em 1914, ela estava em Londres aperfeiçoando seu inglês. Estar na Inglaterra nesse momento era ser uma estrangeira inimiga. Você consegue imaginar estar nessa situação com apenas 19 anos? Dessa forma, fica evidente o quanto desde muito nova a jovem escolheu ser forte diante de situações desfavoráveis.

Ainda em 1914 Anna Freud começou a trabalhar como educadora infantil. Ela exerceu essa profissão até 1920.

Dada a proximidade de Anna Freud e seu pai Sigmund Freud, ela já estava intima da corrente psicanalista. Essa aproximação resultou na entrada dela na área em 1920, ao assistir um Congresso Internacional sobre o tema. Seu ingresso se deu na psicanálise infantil, o que se justifica com base em sua formação. Iremos aprofundar sobre sua teoria e importância a seguir.

Apesar de sua paixão pelas crianças, Anna Freud nunca se casou para gerar seus próprios filhos. Contudo, assumiu seu sonho da maternidade com a ajuda de Dorothy Burlingham. Como Dorothy tinha quatro filhos que apresentavam distúrbios psíquicos, Anna os assumiu como seus.

Além de seu grande trabalho na psicanálise, se encarregou de publicar as obras de seu pai e familiares. Fundou escolas, centros de psicanálise, orientou estudantes e teve um papel decisivo na psicanálise. Teve decepções com a evolução do movimento, mas nunca deixou de defendê-lo. Morreu em 09 de outubro de 1982 na cidade de Londres na Inglaterra.

Uau! Que mulher batalhadora, não é? Vamos agora entender um pouco mais sobre suas propostas teóricas.

A teoria de Anna Freud

Os estudos de Anna Freud foram guiados a priori por seu pai, como já vimos. No entanto, ela se aprofundou na infância das crianças e isso abriu horizontes para ampliar a teoria inicial. Assim sendo, ela foi a fundadora do campo da psicanálise infantil.

Psicanálise infantil?

Tal teoria contribuiu e contribui para a compreensão da psicologia infantil. Em seus estudos, ela observou que há diferenciação entre os sintomas vistos em crianças e em adultos. Com isso, há como pensar em estágios de desenvolvimento. Ademais, conseguiu desenvolver técnicas diferentes para tratamento, podendo assim ter mais sucesso.

Todo o desenvolvimento da teoria foi baseado no fato de Anna Freud não acreditar que a criança devia ser analisada. Como assim? Para ela, é preciso analisar o contexto e as relações que podem marcar os problemas infantis. Afinal, as crianças ainda estão se desenvolvendo e conhecendo. Ainda mais se você considerar que as crianças tem alto nível imagético.

É preciso considerar ainda que as crianças não tem entendem as relações afetivas em totalidade. Assim sendo, sua personalidade está sendo construída e por tudo isso a terapia não pode ser nos moldes dos adultos. Dessa forma, para ela é importante que os pais conheçam a psicanálise para poderem educar seus filhos. Porém, essa educação não pode ser aplicada exclusivamente aos pais, apenas.

Leia Também:  Três vantagens do coaching psicanalítico

Ego

Sua teoria também focaliza a importância do ego na personalidade do indivíduo. Ela desassociou este do id e restrições do superego. Na obra “Ego e os mecanismo de Defesa”, Anna Freud diz que o ego procura se defender das forças internas e externas. Assim, essas forças das quais o ego se defende são dívidas por ela em três:

  • Forças vindas do ambiente externo (citando principalmente as ameaças no caso das crianças);
  • Força do poder instintivo;
  • Forças do poder punitivo do superego.

Considerando isso, Anna Freud estabeleceu 10 movimento do ego para se defender:



  • Negação: Recusa consciente de perceber fatos que o perturbam;
  • Deslocamento: Deslocar um impulso para outro alvo;
  • Anulação: Tentar cancelar uma experiência primeira desagradável por uma ação;
  • Projeção: Atribuir a outro os sentimentos ruins de si mesmo;
  • Racionalização: Substituir um motivo assustador por uma explicação razoável e segura;
  • Formação Reativa: Fixação por uma pessoa, desejo, ideia que se opões a um impulso temido pelo inconsciente;
  • Sublimação: Direcionar a energia sexual para a realização de atividades que a sociedade aceita;
  • Introjeção: Incorporação de valores dos outros para si próprio;
  • Repressão: Repreensão de afetos, desejos e ideias considerados perturbadores;
  • Regressão: Retorno a posição infantil em situações problemáticas.

Obras publicadas

As obras de Anna Freud contribuem muito ainda hoje para a psicanálise. É através da obra de um cientista que conhecemos suas pesquisas, sua própria maneira de ver o mundo. Isso além de termos acesso a algumas análises e casos específicos. Deixamos aqui uma lista com as obras mais famosas de Anna Freud em ordem de publicação:

  • “O Normal e o Patológico na criança” (“Le Normal et le Pathologique chez l’enfant”): traduzido do inglês para o francês pelo Dr. Daniel Widlöcher, Editora Gallimard, Paris, 1968;
  • “A criança na psicanálise” (“L’enfant dans la psychanalyse”): traduzido do inglês para o francês por Daniel Widlöcher, François Binous et Marie-Claire Calothy, prefácio de Daniel Widlöcher,Editora Gallimard (Coleção Connaissance de L’inconscient), Paris, 1976;
  • “O Ego e os mecanismos de defesa” (“Le Moi et les mécanismes de défense” ): Editora Presses universitaires de France, 2001;
  • ”O tratamento psicanalítico das crianças” (“Le Traitement psychanalytique des enfants”): Editora Presses universitaires de France, 2002;
  • “Correspondência”(“Correspondance”): de Eva Rosenfeld – Anna Freud, Editora Hachette, 2003;
  • “Na sombra do pai : Correspondência 1919-1937” (“A l’ombre du père : Correspondance1919-1937”): om Lou Andreas-Salomé, Editora Hachette, 2006.

Citações de Anna Freud

Entre as citações de Anna Freud podemos citar algumas. Tais frases se relacionam as ideias e teorias que ela apresentou ao mundo.

  • Quando os sentimentos dos pais são ineficazes ou muito ambivalentes ou quando as emoções da mãe estão temporariamente comprometidas em outro lugar, as crianças se sentem perdidas.
  • Às vezes a coisa mais bonita é precisamente a que vem inesperadamente e não merecida. Por isso, é algo visto verdadeiramente como um presente.
  • Se algo não te satisfaz, não se espante. Chamamos isso de vida.
  • O que sempre quis para mim é muito mais primitivo. Provavelmente nada mais é do que o afeto das pessoas com as quais estou em contato, e sua boa opinião sobre mim.
  • Que maravilhoso é que ninguém precise esperar nem um só momento antes de começar a melhorar o mundo.
  • Quando o erro se torna coletivo, adquire a força de uma verdade.
  • Mentes criativas são conhecidas por sobreviverem a qualquer tipo de mau treinamento.
  • Estamos aprisionados no reino da vida, como um marinheiro em seu pequeno barco, em um oceano infinito.
  • Eu estava procurando fora de mim por força e confiança, mas elas vêm de dentro. E estão lá o tempo todo.

Conclusão

As contribuições cientificas de Anna Freud são inestimáveis. Isso sem contar todo o seu esforço para manter o desenvolvimento das teorias de seu pai. Assim, diante de tudo o que foi dito, fica evidente que a psicanálise deve muito para essa grande mulher e seu legado é incalculável.

Esperamos que este artigo tenha te ajude a conhecer um pouco mais dessa grande cientista. Assim, se você foi tocado por esta história, deixe nos comentários suas dúvidas, sugestões. Queremos também conhecer a sua opinião sobre a Anna Freud e seu legado!

Ademais, te fazemos um outro convite. Caso tenha sido impactado pela psicanálise de modo geral, venha fazer o nosso curso de Psicanálise Clínica! É uma oportunidade de aprender como impactar vidas e tornar-se resiliente e forte diante de adversidades, assim como Anna Freud.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *