instinto

O que são Instintos segundo Freud?

Posted on Posted in Formação em Psicanálise, Psicanálise

Você sabe o que são instintos? Se você chegou até aqui ou você não sabe, ou quer saber um pouco mais, não é?
Neste artigo, vamos trazer algumas informações sobre os instintos. Além de uma visão geral, vamos conversar sobre o assunto do ponto de vista da Psicanálise, mais especificamente, como Freud vê os instintos.

Ademais, para enriquecer ainda mais a questão, vamos conversar um pouco sobre Freud e a Psicanálise. Afinal, conhecimento nunca é demais, não é?

Não esqueça que no final do artigo temos um espaço para você deixar sua dúvida, comentário, ou sugestão. Ficaremos felizes de saber o que você achou do artigo e também sobre o que você entende sobre instintos.

Qual o conceito geral sobre instintos

Podemos pensar sobre os instintos como noções divididas em duas esferas: os animais e os humanos.

Animal

A discussão sobre a parte animal é um pouco mais simples. Os instintos são os comportamentos típicos que os animais apresentam. No entanto, são comportamentos principalmente ligados à sobrevivência. O que isso quer dizer? Quer dizer que nos momentos em que o animal se sente ameaçado ele agirá de uma forma que é esperada.

Assim, a ameaça nem sempre é sobre ele diretamente, mas pode ser também uma ameaça ao seu grupo, espécie.

E, no caso dos animais, o comportamento acontece em decorrência de um estímulo. Quando o comportamento é provocado, o animal não para até fazer o que sente ser necessário. Assim, podemos dizer que ele precisa de algo para começar a agir, mas seu desenvolvimento é automático e seu final não pode ser manipulado.

É preciso dizer que esses comportamentos seguem determinados padrões. Por exemplo, um leão não começará a ter cem filhotes em uma ninhada para não acabar com a sua espécie, como fazem os insetos. Da mesma maneira,  os insetos não vão matar zebras para se alimentarem.

Não há ensinamento. Oanimal nasce sabendo o que fazer quando chegar o momento. Dentre os vários tipos existentes de comportamento instintivo, podemos destacar os migratórios, os de defesa, de proteção aos filhotes e os de ataque.

Humanos

Agora, os instintos humanos apresentam maior complexidade. Considerando que os seres humanos são racionais e vivem em comunidades culturais, determinar como funcionam é mais difícil.

É preciso se questionar se os padrões de comportamento são algo inato, ou se foram aprendidos. Ou até, se o ser humano consegue de alguma forma controlar os seus instintos. Há padrões que não variam, por exemplo: uma mãe amamentar um filho. E em situações de extremo perigo a pessoa irá buscar sobreviver. Contudo, será que é só isso?

Sigmund Freud foi uma das pessoas que mais se debruçou sobre o assunto. A seguir vamos falar dele, do que constitui suas pesquisas e sobre como ele vê os instintos.

Quem é Sigmund Freud

Biografia

Sigmund Schlomo Freud nasceu no dia 6 de mais de 1856, em Freiberg in Mähren no antigo Império Austríaco. Era filho de Jacob Freud e Amelie Nathanson e sua família seguia os preceitos judeus. Freud entrou começou a cursar medicina na Universidade de Viena com apenas 17 anos.

Sua especialização foi voltada para o tratamento de doenças mentais, de onde partiram seus estudos. A partir desses estudos, uma nova teoria foi criada, que é de grande importância para a psicologia. Tal teoria será discutida nos próximos tópicos.

Freud se casou com Martha Bernays em 14 de setembro de 1886 na cidade de Hamburgo. Conhecer e desejar se casar com Bernays foi um fato importante para Freud. Não apenas pelas questões sentimentais, mas pela sua carreira.

Como a pesquisa não proporcionava muito retorno financeiro, Freud começou a trabalhar em hospitais. Tal situação abriu horizontes para Freud, como o trabalho em um renomado hospital psiquiátrico que promovia estudos sobre a histeria. Assim, com isso, seu foco de atendimento mudou e ele começou a ter mais contato com conjunto de sintomas aparentemente neurológicos.

Vida durante e pós-nazimo

Durante o nazismo, cinco irmãs de Freud morreram nos campos de concentração. Em 1938, por causa deste problema, Freud se refugiou na Inglaterra onde permanece até morrer em 1939 com 83 anos. Sua morte foi decorrente de um cancro que o fazia sentir muita dor.

Durante o casamento teve seis filhos: Mathilde (1887), Jean-Martin (1889), Oliver (1891), Sophie (1893) e Anna (1895). Anna não teve o seu nascimento desejado e Freud se manteve casto para não ter mais filhos depois dela. Apesar de não ter a desejado inicialmente, Freud manteve laços estreitos com Anna durante a sua vida.

Leia Também:  Personalidade histriônica: significado na psicologia

Não se sabe muito sobre o início da vida de Freud, porque por duas vezes ele destruiu seus escritos. Foi seu biografo oficial, Ernest Jones, que protegeu os posteriores. O que a gente tem certeza é que Freud é um dos principais estudiosos sobre os instintos humanos. E a sua nova teoria chamada de psicanálise veio para abrir caminhos no que diz respeito a esse conceito.



O que é Psicanálise

Freud estabeleceu que as pessoas que não colocavam seus sentimentos para fora ficavam com suas mentes doentes. Essas pessoas, para ele, conseguiam fechar esses sentimentos de tal forma em suas mentes que se esqueciam deles. No entanto, esquecer não é fazer desaparecer. Sendo assim, esses sentimentos reprimidos poderiam ressurgir e ter impacto negativo.

A psicanálise vem para tentar explicar o funcionamento da mente, com o objetivo de desenvolver uma terapia para distúrbios mentais e neuroses. Essa linha teórica busca relacionar os desejos do inconsciente com os comportamentos e sentimentos das pessoas.

Dessa forma, se para Freud é o reprimir dos sentimentos que causa a mente doente, então a psicanálise vem com o propósito de analisá-los. Não só analisar, mas colocar isso para fora e entender como funciona e como tratar.

Dado esse foco na mente, a teoria também é conhecida como a “teoria da mente”. Como a gente disse lá em cima, instintos estão diretamente ligados a comportamentos. E se a psicanálise analisa comportamentos, então como ela vê os instintos sob essa visão? No próximo tópico nós te contaremos.

O que são os instintos para Freud

Para Freud, o pai da psicanálise, os instintos não são herdados, mas são estímulos internos do corpo. Ele dividiu os instintos em duas categorias:

  • Vida: Nessa categoria estão os comportamentos como o sexo, a fome e a sede. Eles dizem respeito a sobrevivência, ou seja, forças criativas para sustentar a existência da espécie.
  • Morte: Aqui estão comportamentos como masoquismo, suicídio, agressão e ódio. Tais comportamentos são resultados de forças destrutivas e podem ser direcionados a própria pessoa ou aos outros.

Apesar da divisão classificatória, para Freud, os dois tipos de instintos tem algum tipo de união. Para ele, um dos fatores estimulantes dos instintos é a libido. Por exemplo, o comportamento sexual para preservar a vida tem sua válvula na libido.

Seus estudos tiveram como foco a libido por muito tempo, estudando inclusive como certas reprimendas podem interferir nesse comportamento. Já os estudos sobre os instintos de morte foram mais analisados depois da primeira Guerra Mundial e do início da sua doença.

Freud percebeu uma tendência de destruir a vida orgânica para conseguir voltar para um estado inorgânico. Ou seja, destruir a dor para que a dor acabe. Porém, como muitas dores são internas, essa destruição seria destruir a si mesmo.

Instintos Descontrolados

Como acabamos de ver, para Freud, quando os instintos acontecem de maneira fora no normal, eles precisam de cuidado. Afinal, somos seres racionais e temos certo controle sobre os instintos. Contudo, quando não conseguimos controlá-los, isso pode significar que algo em nossa mente está errado.

Por exemplo, não é porque temos um instinto sexual que podemos realizá-lo independente de qualquer coisa. Uma pessoa que não consegue controlar esse instinto, ou que o reprime a todo custo, pode ter algum trauma relacionado a ele.

É indicado que sejamos conscientes e busquemos ajuda quando nos vemos em situações descontroladas. Há pessoas que estudaram incansavelmente sobre isso e estão dispostas a ajudar. É o caso dos professores do nosso curso de Psicanálise Clínica. Sugerimos que você confira sua proposta!

Somos pessoas pensantes e precisamos buscar agir como tais. Os instintos são importantes e essências para a preservação da vida e da espécie humana e animal. Isso é um fato. O que você acha? Você concorda com o Freud? Você já estudou sobre o assunto? Conta aqui pra gente nos comentários.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 4 =