ansiedade no amor

Ansiedade no Amor: como a ansiedade afeta o relacionamento amoroso

Posted on Posted in Conceitos e Significados

A ansiedade atrapalha muitas áreas da vida, principalmente nos relacionamentos quando falamos em ansiedade no amor. O pensamento acelerado, a falta de paciência e o querer resolver tudo na hora atrapalha demais.

A ansiedade no amor

O ansioso quer resolver tudo e ao mesmo tempo sem plano algum. Às vezes é sensível, outras vezes é agressivo ou desligado. Mil pensamentos surgem e arrastam a pessoa para um furacão de emoções. Uma lembrança que surge, um mal entendido, algo que nem foi naquele momento pode arrastar para uma crise.

O pensamento fica no passado, ainda que nem seja tão um passado remoto,e entre segundos atrás ou anos o ansioso volta ao que o fez mal por alguma lembrança ou ação do outro. O tempo passa, mas a ferida fica e com ela o medo de acontecer de novo vai gerando crises de ansiedade. Quando uma crise vem, ele esquece do espaço do outro.

Esquece até do próprio espaço, e acaba sendo levado por um redemoinho de lembranças e incertezas. O medo vem, a fragilidade vem, a tristeza e a insegurança. O casal só percebe o caos quando a crise passa, e os envolvidos ficam machucados. Palavras que não querem dizer, atitudes que não querem tomar, pensamentos que não querem ter em mente.

A grandiosidade da ansiedade no amor

Quando a ansiedade vem parece um caminhão atropelando tudo, levando tudo pela frente. É necessário ter as rédeas do próprio pensamento e não se deixar abalar, porém, a dificuldade é a tempestade de pensamentos dentro. Quando um ansioso não sofre por algo do passado, acaba sofrendo por aguardar o futuro. Ele consegue pensar em mil coisas ao mesmo tempo, e se tiver pressão no momento isso pode mudar pra pior.

Quando surge um desentendimento ao invés de deixar a poeira baixar e dar espaço pro outro, os ansiosos acabam querendo dizer tudo na hora, resolver tudo na hora e por consequência pioram toda a situação. Quem é ansioso costuma não respeitar o espaço e o tempo do outro. Fora o costume de guardar os mínimos detalhes de coisas faladas ou situações.

Quem está de fora nem sempre consegue ver o sofrimento nisso, e julga um ansioso como uma pessoa grudenta, descontrolada, ou até fria por causa de algumas ações. Nem todo ansioso é explosivo ou consegue demonstrar o que sente e pensa. Existem pessoas que se fecham dentro de um casulo, e não deixam ninguém se aproximar dos seus sentimentos e pensamentos. Isso não significa que essa pessoa também não sofra, é apenas uma defesa.

A ansiedade no amor e as emoções reprimidas

A pessoa sofre também, mas nada é externalizado. Ela guarda o furacão de emoções dentro dela, e por ser mais calada o parceiro pode julgar como uma pessoa fria. Principalmente porque uma hora a bomba explode, e pode ser de forma bem fria. Para se relacionar com um ansioso é necessário o parceiro tentar compreender todo o furacão de emoções dentro. O sofrimento é real, não é vitimismo ou cena.

É importante entender que os assuntos não resolvidos vão martelar nos momentos mais impróprios, e uma hora vira uma bola de neve. É importante dar espaço para entender as emoções e digerir o ocorrido, sem pressões, com limites bem claros. Discordâncias são comuns num relacionamento, mas com um ansioso além dos pensamentos dele, ele vai tentar imaginar os do parceiro, e se adiantar, e atropelar tudo mesmo sem querer, e se arrepender. E talvez se sentir culpado por tudo ter dado errado.

Leia Também:  Psicologia Fenomenológica: princípios, autores e abordagens

Deve haver muita compreensão dos dois lados, tentar apaziguar os ânimos e as emoções, e juntos decidir o melhor momento para conversarem. Um ansioso pode ser mais carente por não saber lidar com o que sente e pensar demais no futuro, e achar que ele sempre tem culpa de algo.

O relacionamento tóxico

Depois de uma briga, a vontade enorme de resolver tudo e ficar em paz, porque nem sempre a paz é uma opção. Muitos pensamentos e incertezas rondam, agitação e inquietude. Às vezes é algo do passado que martela e pune, e o parceiro nem se dá conta disso. Um ansioso pode acabar entrando num relacionamento tóxico por ter sua autoestima abalada.

Ele acaba aceitando situações que não deveria por amar a pessoa e não se imaginar longe dela. Limites são ultrapassados, gerando mais ansiedade e traumas, e sempre um novo ciclo de abusos recomeça. Um parceiro tóxico pode acabar se aproveitando da vulnerabilidade emocional de uma pessoa ansiosa.

Geralmente uma pessoa ansiosa tem uma autoestima baixa e é uma dependente emocional, e acaba entrando facilmente em relacionamentos abusivos. O que pode ser considerado vitimismo ou manipulação pelo parceiro pode ser uma angústia ou sofrimento.

Conclusão

O parceiro ansioso(ou casal) pode procurar ajuda profissional para conseguir ter uma relação saudável e evitar sofrimentos. Tente evitar brigas por acontecimentos passados, o que passou não volta mais e deve ser deixado no passado.

Mantenham o sentimento vivo, e o motivo pelo qual ficaram juntos. Lembre-se das qualidades do parceiro(a), e o que fez você se apaixonar.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Nos momentos de tensão nem sempre é bom conversar, o melhor é esperar os ânimos se acalmarem. Evitem falar as coisas no calor do momento, pois algumas pessoas esquecem mas os ansiosos não.

    O presente artigo foi escrito por Thaís de Souza. Estudante do IBPC, Carioca, 32 anos, Instagram: @th.thaissouza.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *