o que é autopreservação?

O que é Autopreservação? Significado e exemplos

Posted on Posted in Comportamento

Provavelmente você sente medo de algo e por mais que esse sentimento seja comum, muitos ainda não sabem como dosá-lo. Nós podemos aprender a conviver com medo, entendendo que nem sempre ele pode ser algo tão negativo. Entenda melhor o significado de autopreservação e alguns exemplos para compreendê-la melhor.

O que é autopreservação?

A autopreservação é uma tendência que uma pessoa tem de conservar a própria integridade ou existência. A fim de se manter a salvo, uma pessoa fará de tudo para assegurar a sua sobrevivência em qualquer situação. Logo, vai se manter distante de todos os perigos ou eventos que possam arriscar sua vida.

Os indivíduos que preservam-se têm um desejo inato de se manterem vivos. Essa sensação é comum para a humanidade, algo que contribuiu diretamente para a nossa sobrevivência ao longo do tempo. Tanto que o medo que nós sentimos é o responsável por evitar algumas tragédias em nossas vidas.

Entretanto, o medo deve ser lidado com equilíbrio para que não tome conta de nossas vidas ou nos faça arriscar demais. Por exemplo, uma pessoa que tem medo de viajar de avião ou que arrisca dirigir bêbada. Se por um lado um indivíduo se preserva, por outro ele se arrisca desnecessariamente.

O papel da dor

A autopreservação em Psicologia foi estudada para entender melhor a relação do indivíduo com seus sentimentos. A dor é parte fundamental desse mecanismo de sobrevivência na pessoa, evitando exposições arriscadas.

Por meio da dor uma pessoa tem o incentivo que precisa para se afastar de qualquer perigo. Já que sente que a sua integridade pode estar em risco, dificilmente enfrentará a causa do seu medo. Mais ainda porque tem medo de se machucar e não quer sentir dor.

Assim, o indivíduo se afasta do perigo para evitar ferimentos, novas experiências dolorosas e se curar.

O medo

Assim como a dor, o medo é o responsável por fazer um indivíduo procurar segurança rapidamente. Por isso que essa sensação influencia no seu organismo, de modo que cause mudanças químicas para garantir a sua sobrevivência. Por exemplo, as pessoas em situação de risco cuja adrenalina no corpo aumenta a sua força de forma impressionante.

Além disso, os sentidos do ser humano que está com medo ficam mais ampliados. A visão, o tato, o olfato e audição se tornam mais sensíveis a fim de proteger o indivíduo. E a própria percepção da pessoa fica mais aguçada para antecipar perigos e outras ameaças.

Quando a criança é amedrontada, nunca cresce

Certamente você já presenciou a superproteção de algum adulto sobre os próprios filhos. Quando somos crianças nós sempre carregamos alguma insegurança emocional em relação a tudo e a todos. Ainda que essa insegurança seja comum, ela é combatida agressivamente por uma autopreservação distorcida.

Para lidar com essa insegurança uma pessoa pode se reprimir emocionalmente de modo exagerado. Inconscientemente é um modo dela proteger-se do que acredita ser uma ameaça. Assim, cresce sem entender as próprias emoções e desejos, canalizando essas forças externamente de modo ineficaz

Contudo, se o instinto de autopreservação do indivíduo for saudável, certamente ele lidará melhor com suas restrições. Logo, atividades que seriam positivas para ele são vistas e experimentadas de modo construtivo. Ainda que preze por sua segurança, uma pessoa com equilíbrio emocional saberá como se comunicar e interagir com o mundo.

Leia Também:  O que é Anedonia? Definição da palavra

Quando o instinto se descontrola

A vontade por autopreservação de uma pessoa não deve limitar o seu relacionamento com o mundo exterior. Por causa do instinto de se preservar distorcido, muitos indivíduos acabam deformando a própria personalidade. Tanto que demonstram em seu comportamento em:

  • preconceito, especialmente com pessoas bem resolvidas;
  • avareza;
  • ideias preconcebidas a respeito de diversos temas;
  • apego excessivo aos bens materiais;
  • repressão constante das próprias vontades, gerando frustração.

Ninguém é obrigado a servir o outro

Ainda que uma pessoa com instinto de autopreservação não note, ela busca pela segurança dos outros. Em muitos casos, o indivíduo quase obriga os demais a cuidarem dele sob diversos aspectos. Não só deixa de investigar os erros que comete, o que seria mais saudável, mas também se torna alguém tóxico para os demais.

Nós podemos concluir talvez que esse indivíduo tem um medo muito grande no que diz respeito à mudança. Por isso que reluta em amadurecer e investir no próprio desenvolvimento com o intuito de ser sempre amparado. Tal qual uma criança pequena faz, ele deve receber cuidados e proteção sempre.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Analisando sob outra perspectiva, esse indivíduo tem uma busca por poder em relação as pessoas que o rodeiam. Ele se torna exigente, de modo que os seus desejos e caprichos devam ser atendidos prontamente. Sabendo que as outras pessoas estão à disposição, abusará do impulso de poder com agressividade para ter o que deseja.

    Exemplos

    Encontrar exemplos de autopreservação em nosso cotidiano não é uma tarefa difícil como possa imaginar. Na verdade, todos nós temos um instinto parecido, mas que se manifesta de formas variadas conforme a nossa personalidade. Por exemplo:

    Beber e dirigir

    Se você vai de carro com amigos para uma festa e todos bebem, retornar para casa embriagado é extremamente arriscado. Assim, muitas pessoas decidem ir e/ou voltar com o auxílio de táxi ou veículo por aplicativo. Sabendo que as chances de se machucar ao dirigir bêbado são altas, certamente você vai preferir se preservar assim.

    Por outro lado, existem pessoas que ignoram os sinais de perigo tanto quanto for possível. Logo, dirigem alcoolizadas, deixando de lado os sinais de preservação que o corpo manda e causando acidentes graves.

    Interação com animais estranhos

    Provavelmente você já encontrou algum animal estranho dentro de casa, como um escorpião ou cobra. A fim de se manter vivo, buscou se livrar do animal para que ficasse o mais distante possível do lugar. Contudo, muitas pessoas ainda insistem em ignorar os perigos de manipular animais selvagens ou peçonhentos sem qualquer tipo de instrução prévia.

    Alguns casos de internação envolvendo mordidas e picadas aconteceram por causa do manuseio inadequado desses bichos. Se a pessoa tivesse seguido o seu instinto de preservação, com certeza estaria bem e o animal longe dela.

    Considerações finais sobre a autopreservação

    A autopreservação é uma ferramenta de sobrevivência natural da humanidade e de outros animais. Por meio dela conseguimos nos afastar do perigo, garantindo que ameaças não cheguem até nós. Entretanto, é preciso saber dosar esse medo quando ele passa a te controlar e ditar as regras da sua vida.

    Ter medo é saudável, recomendável e faz parte de nós, pois assim situações que certamente nos causariam algum mal são evitadas. Contudo, essa vontade de se preservar não deve impedir a sua interação com o mundo exterior. Viva, experimente, erre e acima de tudo, faça cada segundo seu valer a pena ser sentido.

    Leia Também:  10 Habilidades Interpessoais para a Psicologia

    Já conhece o nosso curso online de Psicanálise, o mais completo do mercado? Com as nossas aulas você pode aprimorar o seu autoconhecimento e garantir o seu pleno desenvolvimento pessoal. Além de construir um senso de autopreservação amadurecido, transformará a sua vida, encontrando uma versão de si ainda melhor.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *