freud e o homem dos lobos

O Homem dos Lobos: caso interpretado por Freud

Posted on Posted in Psicanálise

O Homem dos Lobos é sobre um jovem russo de vinte e dois anos, Sergei Pankejeff, que Freud tratou entre 1910 e 1914. Ele havia acabado de herdar a imensa fortuna de seu pai, falecido dois anos antes. Na idade de dezoito anos, a saúde mental do paciente entrou em colapso como resultado da gonorreia.

Sua adolescência se desenrolou normalmente e ele havia concluído o ensino médio. Mas sua infância foi dominada por graves distúrbios neuróticos que começaram antes de seu quarto aniversário na forma de uma fobia animal. Depois, se transformaram em neurose obsessiva com conteúdo religioso.

Entre dezoito e vinte e dois anos, o paciente ficou internado em sanatórios na Alemanha, com o diagnóstico de estado maníaco-depressivo (patologia de que padecia seu pai). Freud lidou apenas com as sequelas da neurose infantil obsessiva.

Análise clínica

Na verdade, toda a análise gira em torno de um sonho que a criança teve alguns dias antes do Natal, que marcou seu quarto aniversário. Este é o famoso sonho dos lobos. Nele, a criança sonha que está em sua cama, de repente a janela se abre e ele vê, nos galhos de uma grande nogueira, 6 ou 7 lobos brancos com grandes caudas de raposa. Com medo de ser comida por lobos, a criança grita e acorda.

Por meio de um trabalho de associações de ideias, Freud aproxima esse sonho a um acontecimento que ele viu quando tinha um ano e meio de idade. Essa “cena primitiva” foi quando ele viu seu pai ereto e sua mãe curvada, ambos vestidos de branco. Os terríveis lobos, portanto, representavam o pai e seu pênis ereto. A cena primitiva, realidade ou fantasia, é objeto de discussão deste sonho.

Todo o material clínico que possibilitou a reconstituição da neurose infantil foi entregue pelo paciente nos últimos seis meses de tratamento. De fato, para forçar a resistência e a passividade do paciente, Freud pôs fim a essa análise que durou quatro anos sem resultado.

O caso do homem dos lobos

O homem do lobo considerado curado, voltou à Rússia em 1914. Mas a guerra e a Revolução de Outubro o arruinaram. Os sintomas recomeçaram na forma de constipação persistente. Ele voltou a Viena, mas não podia mais pagar uma cura com Freud.

Este último, então, organizou uma coleção da Sociedade Psicanalítica para pagar uma anuidade de seis anos ao homem-lobo em compensação por sua contribuição à teoria psicanalítica.

Revolução psicanalítica

Conforme a condição do paciente piorava, Freud o encaminhou para Ruth Mack Brunswick para tratamento gratuito. Ele estava sofrendo de um delírio hipocondríaco centrado no intestino, depois no nariz e nos dentes.

R.M. Brunswick diagnosticou paranoia. Após alguns meses de tratamento, o estado do paciente melhorou sem nenhuma nova informação sobre o material infantil entregue. Tratava-se de resolver a transferência do paciente com Freud, o que não pôde ser feito no horário desejado devido ao prazo por ele fixado.

Esse forçamento por parte de Freud, aliado ao erro da pensão paga ao paciente e às dolorosas circunstâncias de sua vida, precipitaram uma recaída, o início de um episódio psicótico.

Homem animal o senhor dos lobos

É em relação ao homem-lobo que Freud apresenta pela primeira vez o termo verwerfung, que significa rejeição. Neste caso, rejeição da castração sobre a qual o paciente nada queria saber, mesmo no sentido de repressão.

Leia Também:  Interpretação de sonhar com ponte

Lacan continuará este comentário e traduzirá verwerfung por foreclosure, ou rejeição definitiva de um significado primordial, o significante Nome-do-Pai.

Para Lacan, a  exclusão é o mecanismo central da psicose. Os psicanalistas Maria Torok e Nicolas Abraham desenvolveram, a partir de um trabalho sobre a linguagem do homem com os lobos, o conceito de “cripta”, lacuna no ego  e falta de inscrição simbólica que participaria do desencadeamento da psicose.

Saiba mais…

Tornado uma espécie de monumento da psicanálise que as pessoas vinham visitar de todo o mundo, o homem-lobo acabou com sua vida em um hospício no subúrbio vienense.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    O caso de Freud coloca a questão das questões teóricas e, por meio dela, a questão da transferência. A transferência de Freud para o Wolfman e a transferência de outros analistas para Freud.

    Em resumo

    Essa análise é de particular importância para Freud, pois lhe permitirá demonstrar a Jung o lugar da sexualidade infantil no desenvolvimento psíquico de um indivíduo. Para isso, deve-se destacar a realidade do trauma e seu impacto direto na criança.

    A questão da sexualidade infantil retorna ao postulado edipiano e talvez nos remeta ao embaraço de Freud em ter de localizá-la na filogenia ou ontogenia do indivíduo. O trauma já está inscrito na memória e surge no momento da reconstrução na memória. O que a memória esconde ou revela sobre essa inscrição na memória? E qual é a natureza do trauma?

    A questão da realidade do trauma poderá ser movida com o conceito de Real. Certamente há uma realidade na visão da criança. Mas também uma fantasia porque é o Real, que aparece por meio dessa cena, que cria o trauma, para usar a expressão de Lacan. Essa questão do trauma também será iluminada de maneira diferente pelo conceito de foraclusão que Lacan extrairá da verwerfung freudiana.

    O trauma

    A exclusão é um mecanismo particular específico para o campo da psicose. Mas no seminário sobre escritos técnicos, Lacan havia mostrado que verwerfungfoi uma época originária, o primeiro núcleo dos reprimidos, em torno do qual se organizarão as sucessivas repressões.

    A questão de Édipo é então transferida para a questão da origem e para a proibição fundamental ligada à nossa condição de seres humanos falantes e sexuados.

    O Real do trauma emerge dessa pergunta não respondida sobre a origem e o núcleo duro. E que torna essa cena vista por um bebê, uma cena primitiva, no rescaldo, na reconstrução quando as palavras foram dadas.

    Considerações finais sobre o Homem dos Lobos

    Embora Freud reconheça não ser possível afirmar como verdadeira sua construção da “cena primária”, feita a partir da interpretação do sonho dos lobos, o fato é que toda a análise do caso está fundamentada nela.

    Gostou do artigo que escrevemos especialmente para você sobre o Homem dos Lobos de Freud? Se inscreva em nosso curso online de psicanálise clínica, é uma ótima oportunidade para aprimorar o seu conhecimento.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *