complexo de castração

Complexo de Castração na Psicanálise

Posted on Posted in Conceitos e Significados

Conceito essencial à psicanálise, o Complexo de Castração é algo fulcral na origem das neuroses, psicoses e perversões. As estruturas clínicas denotam, exatamente, que somos faltantes e tendemos à incompletude. Portanto, logo de início se deve expor que, o “Complexo” de Castração “é encontrado invariavelmente em qualquer análise” (LAPLANCHE e PONTALIS, 2001).

O Complexo de castração

Conceito teórico e clínico construído imerso na teoria freudiana da sexualidade infantil; e em completa intersecção com o Complexo de Édipo e, deste modo, com a fundamental função interditória e normativa das relações sociais e familiares.

Esta função interditória é, além de um entendimento limitante, um processo “natural” e “necessário” de simbolização de uma força impulsora da humanização e socialização da criança.

Imerso na fase edipiana – por volta dos cinco aos seis anos (este período pode variar) – caracteriza importante momento de a criança integrar-se a toda relação familiar (pai, mãe, irmãos, irmãs e ela).

Castração: essencial experiência inconsciente

Esta “etapa”, “fase”, evolutiva da sexualidade infantil não se restringe a um momento ou período cronológico onde, em inconsciente e forte angústia, a criança percebe a diferença anatômica entre os sexos (presença ou ausência do pênis: para a psicanálise, o falo).

Pode, ou deve findar neste momento a ilusão da onipotência até então experimentada pela criança; já que há o reconhecimento enigmático de que o mundo é composto de homens e mulheres; que o corpo – e o mundo – tem “limites diferenciais” de possível interdição para “permitir” todos os seus desejos.

Difere entre meninas e meninos. Neles a angústia ocorre por medo de perder – o falo -; nelas a perda angustiante refere-se a sentida ausência do amor do outro (foram “privadas” do falo pelas mães).

Complexo de castração no menino e na menina

“A estrutura e os efeitos do complexo de castração são diferentes no menino e na menina. O menino teme a castração como realização de uma ameaça paterna em resposta às suas atividades sexuais, surgindo daí uma intensa angústia de castração. Na menina, a ausência do pênis (falo) é sentida como um dano sofrido que ela procura negar, com pensar ou reparar” (LAPLANCHE e PONTALIS, 2001).

A “resolução” ou “tempo final” (termo utilizado por J.-D. Nasio) dessa experiência complexa da castração deveria se dar (“ideal” que assim ocorresse), portanto, de modo diferente no menino e na menina, podendo-se assim, de modo didático, resumir:

  • no menino: separação da mãe; desejo dirigido para outras mulheres; fim do complexo de castração e fim do complexo de Édipo;
  • na menina: separação da mãe; desejo voltado para o pai e outros homens; fim do complexo de castração e nascimento do complexo de Édipo.

Sobre as fases do Complexo de castração

Esta fase é simbolicamente “bem demarcada” na evolução da sexualidade infantil. A fase dos por quês (?); de onde vêm os bebês (?); quem os faz (?); por onde saem (?); qual o papel do pai nisso (?) e demais questionamentos bem representados.

Deve-se expor claramente que, esta fase – da castração -, apesar de, quando ocorre, ser bem demarcada cronologicamente de algum modo, traduz uma experiência inconsciente que é incessantemente “renovada” (em repetição simbólica sintomática) ao longo de toda a existência do sujeito, emergindo “no jogo” da pretensa cura (construção, auto-observação, ressignificação) psicanalítica do adulto.

Nasio (1997) assim corrobora: “um dos objetivos da experiência analítica é, com efeito, possibilitar e reativar na vida adulta a experiência que atravessamos na infância; admitir com dor que os limites do corpo são mais estreitos do que os limites do desejo”.

O conceito em Freud: O caso do pequeno Hans

Uma criança, um menino, de cinco anos de idade quando o seu pai procurou Freud para analisar e intervir no caso, relatando acontecimentos desde os três anos de idade do seu filho. Caso relatado em Freud ESB volume X, 1909.

Hans residia em Viena e sempre gostou de cavalos. Após o nascimento de sua irmã – Hanna – Hans adquiri medo (fobia) dos cavalos: “cavalos mordem”. Hans passa a simbolizar uma ameaça corporal (medo de perder o falo). “Hanna não tem falo” (diferença anatômica). “Minha mãe não tem o falo” (é castrada).

Leia Também:  Mãe presente: o que é ser uma mãe assim?

De férias, por dias sem o pai, Hans se sente “confortável” com o contato com a mãe, mas quando o pai retorna interdita este contato, este afeto, este toque diário que ocorria sem o pai.

Complexo de castração e a angustia de Hans

Hans se angustia, começam sonhos mais intensos, constantes e fóbicos com cavalos! Hans ama o pai, mas surgem sentimentos hostis. Agora, nos sonhos, o cavalo está acoplado a uma carroça (a mãe). “O cavalo pode destruir a carroça”. Hans tem dois encontros com Freud (o “tratamento” ocorre através do pai, nos demais momentos).

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Em um destes encontros Freud pede a Hans que desenhe um cavalo. Hans desenha no lugar da boca do cavalo “um rabisco”. O pai de Hans tem bigode: o rabisco. Eis um momento transferencial! Em outro sonho Hans vê Hanna na banheira cheia de sangue (quando Hanna nasceu). Um encanador, atarraxa e desatarraxa o cano para consertar a banheira (“o encanador irá arrancar meu falo”).

    Neste percurso, dá-se “a castração” de Hans, que se reconcilia com os cavalos; tendo sido o sintoma fóbico, de algum modo necessário, para Hans, em angústia, “entender” seu papel no contexto familiar.

    Freud: pós-escrito (1922) Considerações finais

    Na primavera de 1922 um rapaz se apresenta a Freud: era o “pequeno Hans”. Freud fica feliz, pois dois anos após o término da análise não tivera mais notícias de Hans por dez anos.

    “A publicação dessa primeira análise de uma criança causara uma grande agitação e até indignação, e um futuro dos mais negros tinha sido previsto para o pobre menininho, porque lhe tinham `roubado sua inocência´ numa idade tão tenra […]”. (Freud, 1909) Muito contente, Freud continua seu relato: “nenhuma dessas minhas apreensões tornou-se verdade; o pequeno Hans era agora um forte rapaz de dezenove anos; declarou que estava perfeitamente bem e que não sofria de nenhum problema ou inibição; […] atravessado a puberdade sem nenhum dano…”. (Freud, 1909)

    Há de se bem considerar o complexo de castração “não completado normalmente”, no processo evolutivo da sexualidade infantil, como algo que continuará deslizando a um desajustamento no adulto; uma vez que permanece a ameaça infantil inconsciente de castração pelo pai (ou outra pessoa) ou de separação da mãe (ou outra pessoa) como um constante “apelo” a ocorrência de uma série enorme de transtornos!

    Referências Bibliográficas

    FREUD. S. ESB, v. X, 1909. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

    LAPLANCHE e PONTALIS. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

    NASIO. J.-D. Lições sobre os sete conceitos cruciais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

    O presente artigo foi escrito pelo autor Marcos Castro – Psicanalista clínico, pesquisador, professor, escritor, palestrante. Residente em Ouro Fino – Sul de Minas Gerais. Atendimento presencial e online Contato: Instagram – @marcos_castro_castro

     

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.