Elaborar e Repetir

Recordar, Elaborar e Repetir: funcionamento em Psicanálise

Posted on Posted in Conceitos e Significados

Seguindo o que nos ensina Freud em seu livro sobre Recordar, repetir e elaborar (1914), as pessoas não se recordam do que lhe causa sofrimento, inquietude, ansiedade justamente por ser reprimido pelo subconsciente. Segundo Freud: “aquilo que não queremos lembrar, acabamos repetindo”.

Entendendo sobre Elaborar e Repetir

Na verdade acontece de modo automático uma reedição de todo trauma esperando resultado diferente ; o que ocorre são ações repetidas que causam o mesmo sofrimento sem saber que está repetindo . Por isso, a repetição é um conceito fundamental da psicanalise; e se temos a capacidade de repetir podemos levar o processo ao consciente e obter resultados diferentes sem sofrimento.

A psicanalise pode nos conduzir como um aprendizado, ou seja, toda memorização, aprendizado e habilidade se dá através da repetição. O processo de pensar e aprender que acontece em nosso cérebro, através dos neurônios, se dá por repetição do aprendizado. O processo de repetição segundo a psicanálise, uma vez que acontece no subconsciente, poderá ser automático e até compulsivo.

A compulsão por repetir é uma maneira que o ego encontra de dominar a situação; se essa compulsão do ego for bem orientada através da psicanalise, a pessoa poderá abandonar comportamentos que lhe são nocivos. Segundo Freud , no ato da repetição , se esta for verbalizada pelo analisado e analista ;os atos perdem a consistência porque o aparelho psíquico consegue o equilíbrio que está ligado ao prazer.

“Recordar, elaborar e Repetir”

Seguindo as três ocorrências de “Recordar, elaborar e Repetir”, temos a fase de elaborar. Para um fácil entendimento do que é elaborar para a psicanalise, podemos dar um exemplo sobre uma ideia qualquer, então depois de surgir a ideia, começamos a elabora-la até que se torne um pensamento. Dá-se o nome de elaboração psíquica a esta dinâmica.

Na psicanálise, elaborar é uma função psíquica que requer muito esforço. Elaborar para a psicanalise se refere a uma capacidade de estabelecer uma ligação, ou seja, transformar uma energia livre em uma energia ligada, própria de um adulto com ego equilibrado e capaz de pensar sobre coisas.

Alguns estudiosos e cientistas da mente afirmam que mediante a incapacidade de se elaborar, surgem as doenças psicossomáticas, pois a pessoa conduz a neurose para o próprio corpo físico.

Sobre o processo de analise pelo psicanalista

Durante um processo de analise pelo psicanalista na fase de elaborar, o paciente estabelece uma relação com o psicanalista, ultrapassa a resistência (através da consciência das mesmas) e dos impulsos que causam o ato. A dinâmica acontece quando uma pessoa procura um psicanalista porque precisa de alivio quer seja alivio de uma dor sentimental, estagnações ou impossibilidade de pensar sozinho. É quando o paciente espera ser analisado e transformado.

Elaborar então é se apropriar da própria dor até atingir uma maturidade do ego e uma força tal, que passam a refletir mudança real. E cá chegamos depois de recordar, elabora na fase “repetir”: Espera-se na psicanálise que o paciente esteja transitando livremente do passado para o presente e do presente para o passado, e aqui o analista o esteja escutando livremente também.

Nessa fase, não se espera a cura no sentido de se livrar e/ou eliminar os sintomas; espera-se que o paciente possa produzir mudanças que permitam sua adaptação nas relações afetivas e produtivas. E, por logica se espera interminável esta trajetória, pois enquanto se exista uma pessoa sempre precisará “tornar consciente o inconsciente”, ou seja, a psicanalise deve tornar o paciente independente através do desenvolvimento e amadurecimento do ego.

Leia Também:  Significado da Música Como Nossos Pais de Belchior

Fonte e Bibliografia

https://www.vittude.com/blog/fala-psico/por-que-repetimos-experiencias-que-nos-causam-sofrimento/https://www.vittude.com/blog/fala-psico/por-que-repetimos-experiencias-que-nos-causam-sofrimento/](1914a). Recordar, repetir e elaborar. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud.FREUD, S. (1916/1919), Conferências introdutórias de Psicanálise. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Parte III, vol. XVI, Rio de Janeiro: Imago, 1986.FREUD, S. (1914), Recordar, repetir e elaborar (Novas recomendações sobre a técnica da Psicanálise II). Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. XII, Rio de Janeiro: Imago, 1980.https://clinicahorizontes.com.br/o-conceito-de-sintoma-na-psicanalise-uma-revisao/SINTOMA: A FALA ENIGMÁTICA/DO INCONSCIENTE; Ivanir Barp /Garcia/Professora do Departamento de Psicologia da UFSC, doutora emPsicologia (Psicanálise) pela Universidad del Salvador/Buenos AiresO sintoma em suas dimensões singular e social/(Le symptôme dans ses dimensions singulière et sociale)Paula Chiaretti1/1Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem – Universidade do Vale do Sapucaí[email protected]érgio Laia,Psicanalista,Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise (AMP),Professor titular da Universidade FUMEC (Fundação Mineira de Educação e Cultura),Mestre em Filosofia e Doutor em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG),[email protected]/http://www.isepol.com/asephallus/numero_06/artigo_03.htmÁreas de Conhecimento: CNPQ > CIENCIAS HUMANAS > /PSICOLOGIA/Download Texto Completo:http://tede2.unicap.br:8080/handle/tede/91/Autor/a: Barbosa Neto, Esperidião Dissertação/Programa:Mestrado em Psicologia ClínicaCNPQ /Completo:http://tede2.unicap.br:8080/handle/tede/91/Descrição/Citação:BARBOSA NETO, Esperidião. The concept of repetition in the Freudian psychoanalysis: significance in clinical re-elaboration of symbolic repeated. 2010. 87 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Universidade Católica de Pernambuco, Recife//////Completo:http://tede2.unicap.br:8080/handle/tede/91/Descrição/Citação:BARBOSA NETO, Esperidião. The concept of repetition in the Freudian psychoanalysis: significance in clinical re-elaboration of symbolic repeated. 2010. 87 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2010./http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UCAP_a1591887b06c91b9014efba19057b07d elaborar/https://www.infopedia.pt/$elaboracao-psiquica

O presente artigo foi escrito por Gladis Matteo ([email protected]), nascida em Campinas década de 60. Se dedicou a arte de instrumento musical , teatro e dança . Cursou Engenharia e se dedicou ao ensino técnico por 12 anos. Autodidata desde 1985 , no estudo da mente, religiões, crenças, psicologia . Atualmente aluna do curso de psicanalise clinica .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *