fases psicossexuais

As Fases Psicossexuais humanas

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

Freud em sua obra descreve as fases psicossexuais (desenvolvimento psicossexual) por qual o indivíduo passa durante o desenvolvimento físico e mental, quando ele divulgou sua teoria afirmando que as crianças tinham desejos sexuais, ele foi duramente criticado, mas Freud explicou que na medida em que a criança cresce, ela vai desejando coisas diferentes e também encontrando formas de satisfazer esses desejos.

Ele dividiu as fases do desenvolvimento da criança em cinco etapas que são elas: oral, anal, fálica, período de latência e genital.

Fases psicossexuais

Essas etapas acontecem no decorrer do desenvolvimento do indivíduo, sendo que após passar por todas elas, a pessoa ainda pode regredir em alguma dessas devido a acontecimentos que deixam marcas permanentes.

Para entendermos melhor, vamos falar um pouco e explicar de forma clara e objetiva cada uma delas.

Antes de iniciar é importante esclarecer o que é chamada de zona erógena “é a área na qual se concentra as necessidades do indivíduo e as gratificações”.

Fases psicossexuais: Fase Oral

A fase Oral se dá desde o nascimento até aos 2 anos de idade onde a zona erógena é a boca, essa zona é a primeira que o indivíduo tem contato, através da amamentação e a chupeta.

Indo um pouco mais a fundo, Freud dividiu essa etapa em dois momentos. Oral passivo-receptiva onde o bebê recebe o leite materno diretamente na boca. Oral ativo-incorporativo onde o bebê já é capaz de agarrar objetos de forma espontânea.

Quando o bebê é alimentado pela mãe, as tensões são aliviadas, ele é acalentado pelo adulto que o alimenta, logo o bebê associa o ato de alimentação, a redução da tensão alimentar e sensação de prazer gerada pelo contato afetuoso do adulto. No geral pessoas que apresentam hábitos ligados à boca como comer e beber demasiadamente, fumar, dependência, entre outras questões está regredindo a essa fase onde o prazer se dá através da boca.

Fases psicossexuais: Fase Anal

Na fase Anal a zona erógena são os esfíncteres, ela começa dos 2 anos e 3 anos de vida, essa fase ocorre quando a criança começa a ter controle da evacuação, ela passa a entender que ela consegue controlar as fezes e a urina e isso gera prazer a ela pois ela tem controle sobre isso.

Ela entende que por um lado eliminar as fezes é prazeroso e por outro lado existe a necessidade social de controlar essa eliminação até chegar ao local adequado, este é o 1° conflito que a criança experimenta junto a sociedade, ela quer sentir o prazer da evacuação mas não pode fazer isso em qualquer lugar e nem em qualquer hora, ao mesmo tempo a criança percebe que quanto mais controle ela tem sobre suas fezes, mais ela é elogiada pelos adultos, então por um lado é prazeroso evacuar mas por outro é prazeroso reter, devido aos elogios.

Indivíduos que regridem a essa fase quando adultos, no geral apresentam serem competitivos em excesso, ter desejo de controlar e manipular tudo, essas são algumas de tantas características da regressão à essa fase.

Fases psicossexuais: Fase Fálica

A fase fálica é um pouco mais extensa e complexa, ela ocorre aos 3 anos até 5, 6 anos de idade, a zona erógena são as genitais.

Leia Também:  Conceitos da Psicanálise: Conheça os 8 principais

Nessa fase é onde as crianças têm a curiosidade em relação às genitais, pois descobrem que tem um pênis ou que lhe falta um, surge curiosidade tanto em entender a própria genital, mas também de outras pessoas. Por exemplo, os meninos reparam que a mãe, não tem o pênis e eles começam a imaginar que a mãe acabou perdendo o pênis por algum motivo e isso faz com que eles sintam medo (isso é chamado de angústia da castração).

Nessa fase também ocorre o que chamamos de Complexo de Édipo, resumidamente esse complexo “designa o conjunto amorosos e hostis que a criança experimenta com relação aos seus pais” (ZIMERMAN, 1999, p.94).

Exemplo da Fase Fálica em fases psicossexuais

Vamos usar de exemplo novamente o menino, ele vê que o pai tem a mãe como companheira, o menino passa a desejar ter a mãe apenas para ele, pois sente ciúmes da atenção que seus pais dão um ao outro ao invés de dar a ele, o menino enxerga o pai como um rival pelo afeto com a mãe e as meninas ao contrário, com o passar do tempo, nesta fase o menino passa a achar que o seu pai o vê como rival e começa a ter sentimento de medo de que o pai descubra e queira cortar seu pênis (angústia da castração), o mesmo ocorre com a menina, porém o “objeto” de desejo é o pai e não mais a mãe.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Por outro lado, o menino ainda quer a atenção e amor de seu pai, então passa a enxergar a mãe como rival. Indivíduos que se fixam nas fases anteriores apresentam sinais de uma fase fálica mal resolvida.

    Período de Latência

    Depois das três fases acima citada, ocorre o período de latência que acontece entre 6 anos até a puberdade, essa fase não tem uma zona erógena específica, a criança direciona seu desejo ao desenvolvimento social, a atividades físicas, ao início escolar, onde diversos fatores possibilitam a formação do caráter do indivíduo, nesta fase não se costuma falar muito sobre regressão justamente por não ter um “objeto” específico de desejo.

    Fases psicossexuais: Fase Genital

    Fase genital ocorre a partir da puberdade (adolescência), essa fase acontece o amadurecimento fisiológico do órgão sexual, mudanças pelo corpo entre outras. Podemos ver que os adolescentes quando chegam nessa fase, se tornam mais irritados e passam por várias crises existenciais se sentindo insatisfeitos com o corpo e sentindo necessidade constante de afirmação, buscando descobrir sua identidade individual, grupal e social.

    Como disse VALENTE em 2002 nesta fase para que se tenha um amadurecimento saudável, é importante abandonar as projeções eróticas para com a mãe, e buscar uma identificação com o pai (o mesmo para as meninas, porém invertendo-se o aspecto da mãe e do pai).

    Assim o indivíduo pode ingressar na vida genital adulta e tornar-se capaz de relacionar-se integralmente com outras pessoas. Por essa ser a fase da maturidade, a fixação nela não é visto como algo negativo, tendo em vista que a regressão as fases anteriores, tem as características que acima mencionamos.

    Conclusão

    Cada fase dessas que acima mencionamos influencia na formação do indivíduo e de seu aparelho psíquico, as fixações e regressões vão se dar dependendo de episódios vivenciados durante cada fase.

    O presente artigo foi escrito por Sealtiey Menegassi Mazur. Sealtiey nasceu em Umuarama-PR e atualmente mora em Cianorte-PR. Em 2017 entrou para o curso de Processos Gerenciais onde desenvolveu ainda mais a minha paixão pela área de gestão de pessoas e soube que queria seguir carreira nesta área e me aperfeiçoar cada dia mais. É entusiasta da área e ama falar com pessoas que possuem a mesma paixão que ela. linkedIn https://br.linkedin.com/in/sealtieymenegassi ou no email [email protected]

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *