O mindful eating te pergunta: como está a sua relação com a comida? Por isso, para conhecer melhor sobre essa prática, confira o nosso post!

Mindful eating: significado, benefícios e dicas para aplicar

Posted on Posted in Conceitos e Significados

O mindful eating te pergunta: como está a sua relação com a comida? Comer é um grande desafio para muitas pessoas. Como resultado, muitas pessoas sofrem com transtornos alimentares. Por isso, para conhecer melhor sobre a prática de comer com atenção plena, confira o nosso post!

Mindful eating tradução

Diante de tantas palavras em inglês, é preciso recorrer aos tradutores para compreender o significado de mindful eating. Nesse sentido, em português, a tradução literal significa “comer atento”. Contudo, o termo mindful traz um significado mais específico. Logo, entendemos o mindful eating como “comer com atenção plena”.

Mindful eating significado

Então, para compreender melhor sobre essa ideia de atenção plena, é preciso compreender o conceito de mindfulness. Ou seja, fazer com a sua consciência esteja focada no momento presente. Assim, a ideia é manter o foco em tudo o que você faz.

Dessa maneira, a técnica visa se desligar das distrações que nos cercam a todo o momento. Isso porque, estamos cada vez mais fadados a ser pessoas multitarefas. Logo, não dedicamos a atenção necessária para cumprir as tarefas com atenção.

O que é mindful eating?

Nesse sentido, vamos explorar como o mindful se aplica à alimentação. Ou seja, de que modo a atenção plena contribui para uma alimentação saudável e consciente.

Segundo as nutricionistas Cynthia Antonaccio e Manoela Figueiredo, comer com atenção plena “propõe uma jornada de autoconhecimento e revisão dos hábitos à mesa com o objetivo de dar novos significados e propósitos à relação com a comida.”

Contudo, é importante salientar que o mindful eating não é uma dieta. Ou seja, o objetivo dessa filosofia não é a perda de peso, ou, a restrição de alimentos. Assim, não tem como objetivo controlar os corpos e a aparência física.

Ademais, o mindful eating não promove um jeito certo ou errado de comer. Assim como não há a ideologia de esilo de alimentação, como o veganismo, por exemplo. Portanto, a ideia é repensar os hábitos.

Hábitos alimentares

Segundo as psicólogas Patrizia Collard e Helen Stephenson, os fatores que influenciam nossos hábitos alimentares podem ser:

  • genéticos;
  • recompensa e castigo: comer alimentos menos saudáveis no final de semana, por exemplo;
  • adolescência: a fase mais complicada da vida, visto que esse é um período de transformações. Assim, muitos começam a definir suas identidades nesse período;
  • emoções: comer para aliviar estresse, ansiedade ou tristeza;
  • sedentarismo e preguiça: optar por alimentos prontos de delivery ou industrializados;
  • vícios: compulsão por alimentos, como o chocolate;
  • bebidas alcoólicas;
  • pressão social: deixar de comer ou comer “o que está na moda”.

Por isso, devemos refletir sobre os nossos hábitos na alimentação. Pois, eles impactam a nossa qualidade de vida. Ou seja, podem aumentar o risco de doenças como diabetes e obesidade.

4 princípios do mindful eating

Desse modo, de acordo com o Centro Brasileiro de Mindful Eating, há 4 princípios do comer com atenção plena. Por isso, confira quais são:

  1. Saborear: notar o aroma, a textura e o sabor dos alimentos;
  2. não julgar: ou seja, comer sem culpa;
  3. estar presente: apenas comer, sem estar com o celular em mãos ou assistindo à televisão;
  4. observar: notar sinais no corpo, como o roncar do estômago, fraqueza, satisfação e estresse, por exemplo.
Leia Também:  O que é Socialismo: conceito, história e atualidade

Desse modo, o mindful eating é um processo que envolve diversas escolhas. Sendo assim, nos tornamos conscientes do nosso corpo e das escolhas que fazemos. Ademais, aprendemos também a considerar os modos de produção e preparação das refeições.

Benefícios do mindful eating

Portanto, os benefícios de comer com atenção plena são:

  • autocuidado;
  • bondade consigo próprio;
  • autonomia para comer os alimentos sem culpa;
  • flexibilidade de escolha;
  • aceitação corporal e celebração da diversidade natural dos corpos.

Padrão de beleza e os transtornos alimentares

Nesse sentido, o mindful eating é uma excelente ferramenta para auxiliar no tratamento de transtornos alimentares. Isso porque, somos bombardeados com um padrão de beleza. Isto é, somente o corpo magro é bonito e aceitável.

Por isso, muitas pessoas desenvolvem anorexia e bulimia. Ainda, outras ficam obcecadas com a quantidade de calorias dos alimentos. Então, fazem dietas super restritivas ou deixam de comer. Ademais, muitas outras recorrem a laxantes e remédios para perder peso.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    8 dicas para aplicar o mindful eating

    Dessa forma, no livro “Mindful eating: comer com atenção plena”, as autoras Cynthia Antonaccio e Manoela Figueiredo dão algumas dicas para comer com atenção plena. Confira!

    1. Desconecte-se

    Como mencionamos, comer com atenção plena exige deixar de lado todas as distrações. Por isso, evite levar o celular à mesa. Ainda, mantenha os aparelhos eletrônicos à distância. Então, deixe para assistir sua série ou vídeos depois das refeições.

    2. Prepare-se para comer

    Aqui, envolve tanto a preparação, quanto o olhar sobre os alimentos. Ou seja, observe com curiosidade o formato e textura dos alimentos.

    3. Sente-se à mesa

    Pode parecer óbvio, contudo muitas pessoas não se sentam à mesa. Devido à correria do cotidiano, muitas comem em frente ao computador enquanto trabalham. Mas, ao sentar à mesa, você educa sua mente e corpo para estar focado apenas nas refeições.

    4. Saboreie cada mordida

    Esse é um dos principais princípios do mindful eating. Por isso, é preciso comer com calma e mastigar bem os alimentos para sentir o sabor, cheiro e textura.

    5. Identifique suas emoções

    Ao comer, observe quais sentimentos você tem: conforto, alegria, satisfação etc. Dessa maneira, você poderá cultivar uma relação mais saudável com os alimentos. Ademais, identifica o que causa a compulsão alimentar.

    6. Evite julgar os nutrientes e calorias

    Lembre-se que o hábito de comer não deve focar nas calorias. Ler os rótulos é importante para conhecer os ingredientes que compõem os alimentos. Contudo, não torne esse hábito uma regra rígida. Se não, a sua relação com a comida se torna problemática.

    7. Identifique o grau de sua fome e saciedade

    Nessa dica, a ideia é de que você nãoo deve ignorar a sua fome. Assim como não comer por gula. Por isso, é importante conhecer o seu corpo e seus limites.

    8. Agradeça por cada refeição

    Ao terminar de comer, seja grato pela refeição. Desse modo, você valoriza todo o processo dos alimentos até chegar até você. Ademais, expresse gratidão pelo hábito de comer, já que muitas pessoas não tem as mesmas condições.

    Considerações finais sobre o mindful eating

    Nesse artigo, nós mostramos os principais aspectos do mindful eating. Dessa forma, esperamos ter despertado o interesse de conhecer sobre os hábitos alimentares. Além de refletir sobre a sua relação com os alimentos. Por isso, mais do que propor uma dieta, essa prática valoriza o corpo e consciência de cada pessoa.

    Leia Também:  A queda de Eros: análise de Freud e Marcuse

    Dessa forma, para seguir as práticas do mindful eating, o comer com atenção plena é necessário ter autoconhecimento. Então, faça nosso curso online de Psicanálise para entender o funcionamento da sua mente. Ademais, você terá acesso aos pensamentos e emoções que despertam os seus hábitos alimentares.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *