narcisismo para a psicanálise

Narcisismo para a Psicanálise

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

É importante diferenciar o narcisismo para a psicanálise e do senso comum, pois no popularmente a pessoa narcísica é uma pessoa sem humildade, egocêntrica e até cruel, veremos são conceitos mais amplos a essas características. Inicialmente o conceito de narcisismo não é de Freud e sim de Paul Nacke em 1899, se referindo ao narcisismo um estado de amor por si mesmo, em 1910 Freud se refere ao narcisismo em sua obra “ Três ensaios da sexualidade, como a escolha objetal dos homossexuais.

 O narcisismo para a psicanálise

Havia o funcionamento basal do sexual, o homossexual passaria pelo narcisismo e assim escolheria o objeto sexual ,a pessoa do mesmo sexo para se relacionar, “lembrando sempre uma visão do início do século XX “, com tais concepções seria o narcisismo o desvio do objeto do sexo, então estaria no campo das perversões, todavia Freud não sustenta este conceito e em 1914 em sua obra Introdução ao Narcisismo nos condessa o Narcisismo em basicamente em: libido do eu e Libido do objeto; Narcisismo primário e Narcisismo secundário e eu ideal e ideal de eu.

Observado a oposição no destino entre a diferença na libido do eu e o libido do objeto, tratando do libido indo e vindo para o outro, do objeto e para o eu, do eu para o objeto. E analisar a consequência e suas direções na existência do sujeito é a distinção do libido, a parte do eu e de uma outra que se liga a objetos, a separação e sequências, uma outra pulsão sexual e pulsão eu, pode direcionar transferências impostas (neurose obsessivas, histerias paranoias).

Conforme os estudos de Freud, o narcisismo e o estudo das parafrenias assim como as neuroses de transferências que rastreiam os impulsos instintuais libidinais a paranoia do eu, a partir do exageros e distorções que aparentemente são normais ou simples. Apresentar essa diferença de afeições e neurose de transferência do eu e a força a ligação imediata o libido liberado pelo objeto simbólico, e retornado para eu (sujeito é como se houvesse uma megalomania do psíquico.

O narcisismo para a psicanálise e Freud

A partir de Freud, o narcisismo primário suponho que na criança a teoria do libido confirmado por interferência direta e observação , sabe-se que a nítida superestimação, que na escolha do objeto como estimação narcísica, dominar essa relação afetiva os pais exerce afecções a criança sem limites com a negação de sexualidade infantil, compreender as fases (culturas, defeitos que são dominantes na vida).

As perturbações da criança narcisa e o Complexo de Castração é a oposição de sua vontade e desejos ,mas essencial e ser dependente e com a fixação na infância, muitas relações são mantidas neste contexto. Para entender, Freud cita a força libidinal em situação: Uma pessoa adoecida ,” deixa de amar o outro “, isso porque a preocupação com sua doença e a mesma irá fazer todo investimento libidinal naquele órgão doente /ou quatro clínico que a causa sofrimento, dessa forma este sujeito ao melhorar retira o investimento libidinal da doença e volta a amar, ou seja reverte o libido de si mesmo a outro objeto; como isso certamente a compreensão da vida e sofrimento para o eu e o movimento recolhimento(apoio) não isolamento.

Durante a vida amorosa do narcisista, Freud cita dois tipos a escolha por anaclisia (de ligação) ou narcisa objetal. A escolha amorosa anaclisia ou por ligação a pessoa narcisista escolhe seus parceiros amorosos como argumentos de vivência anterior (pode ser inconsciente), por identificação, que de si importante que reflete no outro ;ou ela seria como o outro que escolheu. Sim, o aspecto seu no outro é importante na representação narcisa e o próprio eu, é como se procurasse a si mesmo como objeto “eu me vejo no Outro”, as relações narcísicas não evoluem para outra fase, geralmente são sujeito com os mesmos sintomas e nisso há unem e residem a escolhas e mesmo o sexo.

Uma definição freudiana

A Definição de freudiana é que os homens parte do narcisismo primário e em sua essência se dirige o amor a parceira na ótica do narcisismo secundário, há um esvaziamento de seu próprio libido a ser amado a (a parceira escolhida a paixão) e o apaixonamento faz o empobrecimento da libido e a desvalorização do eu. Enquanto as mulheres possuem o narcisismo original e na puberdade não o transforma em secundário e sim, existe um super.

Valorização do eu ,um contentamento de si mesmo, no qual as mulheres se colocam em posição a qual a necessidade de ser amada é maior a que amar o outro. Obs. Uma época em que as mulheres não podem escolher.

Leia Também:  Hipnose e Psicanálise

Características de escolha e caminho para a pessoa narcísica escolher o objeto (pessoa amada)

O que é ela mesma (a si mesmo);

O que ela gostaria de ser;

A parte dela foi parte do outro;

A pessoa foi ou seria.

O tipo de escolha anaclisia (de ligação) Uma mulher nutriz (que cuide); Um homem protetor.

O narcisismo para a psicanálise e a relação com o outro

Claramente a formação narcísica coloca de maneira clara a relação do outro a relação, outro e o existir por conta do outro narcísico como objeto o deseja e coloca o como necessidade o objeto de desejo/o ame a afirmação de si narcísico. O narcisista no relacionamento amoroso tem três etapas: a idealização, chamada de Love Bombing (explosão de amor) a desvalorização o descarte.

As coisa começam mudar como o outro já se acostumou com que ele oferecia, tentará manipular ele próprio te ceder outros desejos ,o narcisista é vulnerável vive uma eterna competição consigo mesmo e faz o outro se sentir culpado é uma pessoa mal resolvida; e descarte ocorre quando a vítima ou se iguala e alimentar sua autoestima ou há vazio sem igual da auto estima, a prática é triste abusiva, e não é fácil mudar um narcisista até mesmo dificilmente procuram ajuda, pois não acreditam ter um problema.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Lembrando que o narcisismo pode-se entender como uma nova identificação com a imagem, em três tempos distintos: o sujeito se enxerga em ver a imagem do outro “há um desconhecimento crônico, a distinção entre o eu e o sujeito, há uma indeterminação o sujeito e partido significante simbólico é impossível de se identificar com o modo absoluto; ”o sujeito está conflitivo de se identificar”.

    Conclusão

    Por fim, surge como o reconhecimento de imagem simboliza a relação espetacular, que pode ser dual simbólica ,uma vez que a dualidade na ordem do real não se confunde ,o olhar para si postura ereta a perfeição ,atração ideal e compasso perfeito e não é o real, segundo Lacan, a instância que se chama o “Eu ideal” o estádio do espelho que impotência motora é inalcançável, nem uma segunda instância a identificação onde se encontra pontos partida do eu, pois havendo acréscimos de ideais de beleza, trabalho, padrões, sempre são repostos os objetivos.

    Certamente ,o conceito de eu ideal é ou ideal de eu é atual, tendo em vista que a busca pelo corpo ideal perfeito a necessidade contínua de aprovação do outro ,interligando com a busca incessante do ângulo perfeito em se fie ,as harmonizações em do rosto e corpo perfeitos e buscas de likes na construção da imagem no olhar do outro.

    Resumindo a formação do ideal e sublimação também se relacionam a causa de neuroses, que as exigências do Eu favorece a repressão ,a sublimação dessas exigências a assegurar a satisfação narcísica a partir do ideal de Eu pelo ideal levado à instância de surgimento das doenças paranoides ,doenças isoladas (somáticas), neurose de transferência, histeria ….; a consciência moral reproduz regressivamente (autocrítica ). ”Eu e libido e reconhece o ideal ,mas não o reconhece o exterior e a dinâmicas da consciência”.

    Referência Bibliográfica

    SIGMUND, Freud, (1914-1916) Introdução ao Narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos, vol. 12 ed Companhia.

    Este artigo sobre Narcisismo para a Psicanálise foi escrito por Elane C. de Araújo([email protected]) para o blog Psicanálise Clínica.

    One thought on “Narcisismo para a Psicanálise

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.