a pedagogia e o lúdico

A Pedagogia e o Lúdico: ideias da Psicanálise

Posted on Posted in Conceitos e Significados

Neste presente artigo, você verá sobre a relação entre a Pedagogia e o Lúdico. O lúdico é muito importante para a formação do sujeito uma vez que é a partir dele que a criança externa seus traumas e frustrações, porém também sua criatividade, emoções, se torna ativa, relaciona-se com outros, além de despertar sentimentos positivos como empatia, bondade, amor e felicidade.

A Pedagogia e o Lúdico e Freud

Freud considerava a brincadeira uma tarefa libertadora, onde é possível que as crianças controlem episódios difíceis, desfazendo-se de emoções das quais ela não consegue lidar, tendo no lúdico um aliado fortemente ativo. Ele foi pioneiro na percepção das propriedades psíquicas em um bebê de 1 ano e meio brincando com um carretel, uma vez que o jogava distante e se entristecia por não o ver, porém, ao puxá-lo ficava muito alegre.

Freud logo percebeu que era uma atividade utilizada onde o bebê simulava situações de distanciamento da mãe. O carretel, fazendo a vez de objeto lúdico, permitia ao infante que “jogasse” sua “mãe” para longe, disparando suas frustrações, agressividades e inventividades, posteriormente trazendo para si o amor materno, uma vez que o bebê que comandava a situação, assimilando a angústia a frente de cada separação causada pelo afastamento materno.

É através da brincadeira que a criança aprende sobre os desafios, aprende a ter regras, a dividir, a respeitar e desenvolver equilíbrio. É de suma importância que o psicanalista na área de intervenção e o docente na área da educação estejam atentos à idade e capacidade da criança, disponibilizando materiais adequados para usar o lúdico como método evolutivo.

A Pedagogia e o Lúdico e Winnicott

Para Winnicott, o estudo sobre o lúdico através da música deveria ser aprofundado e relevante nas instituições escolares, pois ela é um espaço de construção e reconstrução do conhecimento, de inúmeras vivências e de trocas ricas de experiências.

É na escola que a música pode estar no alcance de todos. A música é uma das formas mais antigas e valiosas de expressão da humanidade, portanto nas escolas ela deve ser um hábito adquirido pelos educadores, já que nas famílias ela vem perdendo espaço pela rotina do cotidiano e muitas vezes pela mídia que pretende definir o que será ouvido.

Ainda sobre a Pedagogia e o Lúdico

Segundo Vygotsky, o lúdico, as brincadeiras, os jogos, as imaginações, aparecem da tense entre a sociedade e o ser. As crianças utilizam variados objetos com o intuito de representar algo diferente do que realmente é; seus significados, são ilimitados e o faz de conta, apropria-se do papel central na obtenção das habilidades de solução de problemáticas e linguagem das crianças.

Em meio as atividades lúdicas, a criança exprime várias situações vividas no seu dia a dia, de uma forma reestruturada, por meio de situações passadas e novas experiências, todas em sinergia com suas necessidades, afeições, interpretações, desejos e angústias.

A escola vem como instituição formal para resgatar a linguagem musical tão importante para o desenvolvimento das crianças. Através da educação musical, o indivíduo pode desenvolver a atenção, a memória, a concentração, o gosto… E é por isso que a música pode ser utilizada como recurso para alfabetizar e letrar, ela proporciona a ampliação, a aquisição e a construção do conhecimento.

O ludicismo e o o desenvolvimento infantil

Podemos perceber a relevância da música através dessa frase, sendo ela (a música), responsável por ocupar um grande espaço nas nossas vidas, nos contagiando, nos fazendo movimentar ou somente parar para ouvi-la. Ela alcança ricos e pobres, pessoas de todas as idades, homens e mulheres, tribos, pessoas da cidade e do campo, todas as épocas, todos sem distinção.

Leia Também:  Estado de Vigília: o que é, como funciona?

Através da musicalidade e do ludicismo, a criança explana sobre seus sentimentos, recalques, pulsões etc. Logo, podemos dizer que se tornam imprescindíveis para a cognição e desenvolvimento da criança. Relaciona-se com o desenvolvimento infantil, na área motora principalmente, pois permite a criança cantar, ter ritmo, movimento de pés e mãos e todo corpo.

Também permite a criança ter contato com instrumentos musicais. Um dos pontos importantes da música é que ela permite a expressão de sentimentos e de emoções, ultrapassando assim os limites da palavra. Costumamos ouvir músicas de acordo com as nossas emoções e ela tem o poder de transformá-las.

Os ritos com música e dança

Ela faz parte da nossa vida social e individual, pois cada um tem suas preferências e seus gostos. Pesquisas relatam a existência da música na pré-história, estando ligada a rituais religiosos. Representava, junto com a dança, os sentimentos da comunidade, seja alegria, tristeza, preocupações… Os ritos com música e dança eram indispensáveis e constantes, eram feitos de forma simples e cada comunidade possuía suas características próprias.

Para Piaget, o brincar é uma maneira que a criança tem de anexar o mundo externo para que ele se acomode em esquemas organizacionais atuais, logo, tem uma incumbência essencial intelectual no desenvolvimento da criança, se mantendo sempre vigente. O entretenimento lúdico é a expressão afetiva da adequação da criança a sua vida. Para Howard Gardner (2002), Criador da teoria das Inteligências Múltiplas, “todos os indivíduos, em princípio, têm a habilidade de questionar e procurar respostas usando todas as inteligências”.

Assim sendo, os indivíduos possuem em sua bagagem genética habilidades básicas em todas as inteligências. Focando no desenvolvimento da inteligência linguística podemos perceber a sua importância no ambiente escolar, sendo ela merecedora de uma atenção especial através dos anos.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    A linguagem oral e escrita e a Pedagogia e o Lúdico

    A linguagem oral e escrita são aprendizagem essenciais na escolarização em todas as modalidades, desde o Ensino Infantil, passando pelo Fundamental e Médio, sendo a principal base da comunicação entre os homens e uma das ferramentas principais a serem desenvolvidas na escola. Segundo Gardner temos outras habilidades: Corporal – Cinestésica, Interpessoal, Intrapessoal, Matemática, Musical, Espacial, Existencial e Naturalista.

    O primeiro contato sistemático com a escrita ocorre, geralmente, nos bancos escolares, tendo sua iniciação na Educação Infantil, de forma lúdica e sendo introduzido de maneira espontânea. Sendo assim, o professor é responsável pelas primeiras experiências das crianças com um grupo estruturado, onde a criança aprenderá a conviver com novos hábitos e novas regras diferentes daquelas do meio familiar.

    É normal que a criança transfira seu carinho ao docente, trabalhando seu consciente, mesmo que de maneira inconsciente, o que é importante no desenvolvimento cognitivo da criança. Durante o período preparatório alguns pré-requisitos podem ser vistos e estimulados pelo educador como a percepção visual (coordenação motora), percepção gustativa, olfativa, tátil, auditiva e oral e, o lúdico tem grande importância em todo esse processo de desenvolvimento. Assim compreendemos que alfabetizar não é um procedimento pronto e acabado, ele é construído durante os anos.

    A relação do aluno com o lúdico

    O aluno deve ser capaz de dominar a língua, ter habilidade para o registro gráfico e compreender as ideias registradas. Também se faz importante notar que cada educando tem seu ritmo e sua forma de adquirir conhecimentos, cada um se encontra em uma fase e cada um possui uma forma de amadurecimento, logo, é imprescindível que o aluno se sinta estimulado em todo esse processo, o que lhe trará autonomia, autoconfiança, aprenderá de maneira leve e saudável.

    Leia Também:  Amor e paixão são coisas diferentes, complementares, mas distintas.

    Sendo assim, através do lúdico, o professor deve induzir aos alunos que adquiram independência na construção de seu conhecimento e das atividades cotidianas. É um instrumento que auxilia na construção do cidadão pleno e na integração social. Também permite que a criança seja mais autônoma e auxilia na identidade da criança, pois ela vai demonstrando seus gostos e preferências.

    A criança que possuí educação através do lúdico amadurece as capacidades de se socializarem e de interagirem com o meio, experimentam regras e papeis da sociedade, conservam suas raízes culturais e conhecem diferentes vivências musicais e lúdicas, tendo contatos diferentes. A educação musical se torna um facilitador, pois a música está em contato conosco desde os primeiros dias de vida, manifestando-se através das palmas, movimentos, dos brinquedos. Como benefícios podemos citar ainda a motivação gerada na criança, a elevação da autoestima e a ativação de áreas do cérebro que estimulam a criatividade, concentração, a capacidade de reter as informações entre inúmeros benefícios.

    Considerações finais sobre a pedagogia e o lúdico

    Vejamos que vivenciar a escrita, criar diferentes hipóteses, testá-la e permitir a criança contato com ela desde os primeiros anos garante o sucesso na alfabetização, facilitando a criação dos esquemas mentais e estruturando a aprendizagem e o desenvolvimento linguístico e cognitivo.

    Devemos considerar que a educação e a psicanálise fazem parte do processo de desenvolvimento integral da criança, onde cada fase é essencial; é um instrumento transformador sendo base para a construção da autonomia. A música se encaixa nesse processo como forma de linguagem, tornando o processo de alfabetização agradável, eficiente, produtivo e prático, uma vez que ela é um elemento importante na alfabetização, serve como instrumento nesse processo novo na vida da criança.

    A evolução com ênfase na música possibilita interações sociais e culturais, contribuindo para o desenvolvimento de habilidades motoras, visuais, auditivas e lúdicas. Proporciona momentos prazerosos e abre portas para um desenvolvimento psíquico e emocional mais eficaz, facilitando esse processo.

    O PRESENTE ARTIGO FOI ESCRITO POR PATTY TENA THEOPHILO. NEUROPSICOPEDAGOGA, PSICOPEDAGOGA E PSICOMOTRICISTA, COM ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO, TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL, EDUCAÇÃO INCLUSIVA E ESTUDANTE DE PSICANÁLISE. CONTATO [email protected]

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *