Psicanálise na prática

Psicanálise na prática: saiba como funciona

Posted on Posted in Profissões e Psicanálise

No presente texto trabalharemos alguns aspectos da Psicanálise na prática, buscando entender um pouco melhor a psicanalise na prática, possibilidades e impedimentos da atuação do psicanalista. Mesmo que seja um ramo autônomo da psicologia, muitos psicólogos decidem por adotar a técnica psicanalítica em suas clinicas.

Assim sendo, a psicanálise se apresenta como uma maneira de interpretar, estudar e entender o funcionamento da psique, desenvolvido inicialmente por Sigmund Freud e elaborada posteriormente por inúmeros outros teóricos da medicina, psiquiatria, psicologia e assim por diante.

Ao final da leitura, espera-se que seja possível compreender alguns aspectos gerais sobre esta psicoterapia, espera-se que algumas dúvidas que aparecem no senso comum sejam dissolvidas, a fim de esclarecer o que vem a ser a psicanálise e um pouco da atuação do psicanalista. Também se espera que seja possível aclarar um pouco a compreensão do como se dá a dinâmica psicanalítica desmistificando falsas informações acerca desta forma de interpretar, elaborar e lidar com o pensamento.

Psicanálise na prática: Quem pode ser um psicanalista?

Desde as origens da psicanálise nunca houve uma delimitação estrita e pacificada sobre quem poderia ou não ser um psicanalista, considerando que esta é uma profissão livre reconhecida pelos governos federais.

Contudo, escolas de psicanálise sérias, e associações psicanalíticas de respeito vêm aceitando que pessoas com uma visão de mundo mais trabalhada e ampla possam se tornar psicanalistas, ou seja, pessoas com, no mínimo, uma formação técnica, uma graduação em curso superior, que demonstre uma visão de mundo aberta à ciência e ao estudo das teorias Freudianas.

O Psicanalista pode prescrever medicações, plantas medicinais, terapias holísticas na Psicanálise na prática?

Não. Não é tarefa do psicanalista prescrever nenhuma medicação, isso fica a cargo do psiquiatra. Assim como também não pode emitir laudos psicológicos, o que fica a cargo dos médicos psiquiatras e psicólogos.

O psicanalista é uma pessoa que conhece e estuda a Teoria Psicanalítica Freudiana e seus demais teóricos que contribuem para a área, assim sendo, não pode atender com nenhuma outra técnica de análise.

Se o psicanalista não pode ministrar nem receitar nenhum medicamento, ele também não pode indicar tratamentos holísticos que não foram comprovados cientificamente, o máximo que o psicanalista poderá fazer, e discutir sobre isso com o analisando, caso este traga o assunto para a análise, vejamos.

Psicanálise na prática do analisando

Se o analisando chega na clinica falando sobre estes tais tratamentos alternativos, o máximo que o psicanalista fará será debater essa ideia trazida pelo analisando, para que este decida por si próprio o que fará, jamais poderá indicar medicamentos, tratamentos holísticos ou utilizar de outros métodos distintos do método psicanalítico (exceto, claro, se o psicanalista também for psicólogo ou psiquiatra).

O Psicanalista pode me considerar louco?

A clinica psicanalítica deve ser um espaço de acolhimento, de respeito e de cuidado. Não cabe ao psicanalista emitir nenhum tipo de laudo técnico sobre nenhum de seus analisandos.

Muitas pessoas tem uma ideia prévia de que a terapia é feita por aqueles que possuem distúrbios mentais, que a terapia é necessária apenas para pessoas “doentes”, ou pessoas chamadas de “loucas” pelo senso comum, o que não é verdade.

A psicanálise é, antes de tudo, um ato de amor, um momento de autoconhecimento, um investimento que a pessoa faz em si mesma.

A clinica psicanalítica e a Psicanálise na prática

A clinica psicanalítica é um espaço para o autoconhecimento, para que a mente encontre o equilíbrio consigo mesma, para promover uma vida mais funcional, para organizar os vários aspectos que tangem a vida em sociedade, e assim por diante.

Assim sendo, qualquer pessoa pode fazer a terapia psicanalítica. Mas fica a pergunta, se o psicanalista for meu tio, padrinho ou irmão, posso fazer a psicoterapia com ele?

A recomendação é de que o psicanalista recuse o atendimento a parentes e amigos, uma vez que a natureza da sessão analítica e dos processos subjetivos ativados no set analítico podem afetar a natureza da relação anterior, e caminhar para uma situação improdutiva trazendo prejuízos para ambos.

Considerações finais

A psicanalise também pode ser encarada como uma chave de leitura da sociedade, das relações entre as pessoas, que possibilita um maior entendimento dos processos de funcionamento do pensamento. Ela é uma chave de entendimento do funcionamento de nossa personalidade, possibilitando processos terapêuticos com intuito de diminuir o sofrimento psíquico, ansiedade, depressão, autoconhecimento e descobrimento de si mesmo, e assim por diante.

Leia Também:  Psicanálise e Psicologia em SJC São José dos Campos

Aquele que decide se dedicar à terapia psicanalítica pode experimentar a possibilidade de encontrar a si mesmo durante a caminhada da vida, entender melhor suas características, elaborar as memórias dolorosas de modo a transformar as consequências destas vivências, ressignificando o entendimento anterior e colocando a si mesmo em uma posição de maior sabedoria própria de reflexão sobre si mesmo e de paz interior.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Sendo uma chave que permite elaborar memorias recalcadas mas que continuam produzindo seus sintomas na vida atual do paciente, permitindo elaborar estes pensamentos disfuncionais, almejando melhorar a qualidade de vida.

    O presente artigo foi escrito por Túlio Rocha ([email protected]). Túlio possui Mestrando em Educação da UFLA, Pós-graduando em Teoria do Direito e Filosofia do Direito (PUC-MG), Bacharel em Direito (PUC-MG), é escritor, autor, discente do programa de formação em psicanalise do IBPC e artista plástico.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.