sobre esquizofrenia

Sobre Esquizofrenia e suas nuances

Posted on Posted in Transtornos e Doenças

Em definição, quando falamos sobre esquizofrenia, entendemos como uma psicose grave que ocorre em adultos jovens. Geralmente é crônica. É caracterizada porsinais de dissociação mental, discordância afetiva e atividade delirante inconsistente, geralmente levando a uma ruptura no contato com o mundo exterior e retração autista.

Entendendo sobre esquizofrenia

É a partir da demência precoce definida por Emil Kraepelin como uma psicose crônica endógena ocorrendo no final da adolescência e evoluindo em um modo progressivamente deficitário que Eugen Bleuler irá, em 1911, difundir o conceito de esquizofrenia, que ele havia criado em 1908. Usando o ensinamento freudiano que lhe foi transmitido por seu assistente Carl Jung, o mestre da psiquiatria de Zurique escreveu, em 1911, no grande Tratado de Psiquiatria: “Chamo demência precoce, esquizofrenia porque, como espero demonstrar, o deslocamento do várias funções psíquicas é uma de suas características mais importantes.

Por conveniência, uso a palavra no singular, embora o grupo presumivelmente inclua várias doenças. evolução insana apoiada por seus predecessores, Bleuler define o grupo da esquizofrenia como um grupo de psicoses cuja evolução é, contínua ou fásica, e que se caracteriza pelo deslocamento das funções psíquicas, depois por distúrbios de associações de ideias, responsáveis por bloqueios e, finalmente, por distúrbios emocionais acompanhados de discordância e ambivalência.

Posteriormente, Bleuler especificará o aspecto estrutural da esquizofrenia e proporá uma dupla dimensão: por um lado, fundamental, negativa ou deficiente, marcada pela dissociação da vida psíquica, e por outro lado, acessória, positiva, liberada pela dimensão anterior. Então, Bleuler irá, neste grupo de esquizofrenias, desenhar uma divisão em 4 categorias: A forma paranóica: é essencialmente marcada por produções delirantes, difusas e incoerentes.

Sobre esquizofrenia: Catatonia

Catatonia: é a expressão psicomotora. Hebephrenia: onde o enfraquecimento domina. A forma simples: onde existem apenas signos fundamentais evoluindo em um modo menor. É a divisão em formas clínicas que geralmente será assumida por seus sucessores. Alguns, em particular os psiquiatras anglo-americanos, irão além disso estender o conceito nosológico a quase todos os estados psicóticos delirantes agudos e crônicos, com exceção de uma estrutura limitada reservada para a paranoia.

Por outro lado, na França, a noção de alteração dissociadora da personalidade, herdada de Bleuler, permite a Henri Ey definir a esquizofrenia como uma psicose crônica caracterizada por uma “transformação profunda e progressiva da pessoa, que deixa de construir seu mundo. na comunicação com os outros para se perder em um pensamento autista, ou seja, em um caos imaginário”. A Esquizofrenia afeta aproximadamente 1% da população. Ocorre antes dos 25 anos (geralmente na adolescência, por volta dos 15-16 anos), com manifestação de alguns sinais de alerta durante uma fase de 5 a 6 meses.

Esse início corresponde a um sentimento de estranheza, irritabilidade, tendência a se afastar da sociedade, declínio acadêmico e ansiedade. Como essa patologia mental se manifesta: Três sintomas principais se destacam para caracterizar a esquizofrenia: Dissociação: isto é, a perda da unidade da pessoa. Essa fragmentação da personalidade se manifesta no nível do pensamento, dos afetos e no nível do corpo.

Delirium, Retirada e reclusão

No que diz respeito ao pensamento, ele pode parar abruptamente e então retomar ou sobre o mesmo tema ou sobre um tema diferente; ou ainda, a fala pode ser progressivamente desacelerada e o indivíduo psicótico parece ausente. Delirium: é crônico e possui várias características. Na verdade, não apresenta uma organização lógica. Além disso, os mecanismos do delírio são variáveis. Podem ser interpretativos, imaginários, alucinatórios …

Muitas vezes, o esquizofrênico sente-se controlado por fora, sente-se investido de uma missão e as alucinações verbais vêm reforçar esse sentimento. Retirada e reclusão: O indivíduo esquizofrênico tende a perder o interesse pelo mundo externo, a ser indiferente aos que o cercam, a se concentrar em seu mundo interno, em sua imaginação e em seus sonhos. Assim, sua atividade pode ser extremamente reduzida.

Embora os médicos às vezes tenham dificuldade em concordar sobre o conceito clínico e psicopatológico de esquizofrenia, a maioria reconhece um conjunto central de distúrbios que permitem um diagnóstico clínico da doença: distúrbios mínimos. Além disso, Norman Sartorius resume este conjunto de sintomas mínimos em torno de três sintomas principais: Discordância (ou dissociação intrapsíquica): é devido à perda da harmonia, da unidade e da continuidade de toda atividade mental, levando àemancipação dos processos psíquicos que serão ligados por acaso de associações fortuitas.

Leia Também:  Neurose Obsessiva: significado em psicanálise

Sobre esquizofrenia e a expressão psicomotora

Esta discrepância se manifestará por uma ausência de relações entre os sintomas que assim parecem incoerentes e por uma falta de harmonia entre os conteúdos do pensamento e da experiência emocional e sua expressão psicomotora, gestual e mímica. Tolice, maneirismo, riso desmotivado, movimentos estereotipados e catatônicos interferem completamente em um discurso já inconsistente. Além disso, a linguagem em si é muito chocante.

Na verdade, existe uma espécie de independência entre a expressão verbal e a atividade intelectual. Palavras e frases faladas expressar mais verdadeiramente o pensamento do paciente. Isso é a emancipação da linguagem com estereotipias verbais, proverbiais repetidos e neologismos frequentes que podem levar à verdadeira esquizofasia.

Quanto ao pensamento, ele se perde, cada vez mais desorganizado. É caracterizada por desaceleração, bloqueios de estradas, desbotamento. Ambivalência: Segundo Bleuler, corresponde ao deslocamento das faculdades sensíveis que participam da vida afetiva e sentimental.

Conclusão

Na verdade, ele se manifesta nos três registros de sentimentos, volição e inteligência. É a tendência de considerar ao mesmo tempo, sob seu duplo aspecto negativo e positivo, as diversas motivações e ações psíquicas.

É, portanto, uma espécie de unidade paradoxal de julgamentos opostos, ideias ou sentimentos opostos, que normalmente não poderiam ser verdade ao mesmo tempo. O esquizofrênico faz com que coexistam e se expressem juntos, sem tentar rejeitar um dos dois.

Verdadeira fragmentação da afetividade, a ambivalência aparece nas palavras do paciente, em seus atos e impulsos.

O presente artigo foi escrito por Michael Sousa([email protected]). Concluiu MBA em Gestão Estratégica pela FEA-RP USP, é graduado em Ciência da Computação e especialista em Gestão por Processos e Six Sigma. Possui extensão em Estatística Aplicada pelo Ibmec e em Gestão de Custos pela PUC-RS. Procura diariamente especializar-se cada vez mais no assunto e na clínica.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.