tratamento da depressão

Tratamento da Depressão: como a terapia psicanalítica atua?

Posted on Posted in tratamento, Uncategorized

Saiba como a Terapia Psicanalítica pode ajudar no tratamento da depressão.

Entendendo sobre o tratamento da depressão

O tema depressão sempre foi motivo de muito destaque em mídias, livros, artigos e pesquisas. O espaço do assunto em nossa sociedade é presente e muito debatido, aliás, podemos dizer que o tema depressão é um assunto recorrente a nível mundial.

O assunto é presente tanto em profissionais da saúde quanto no público em geral, afinal, todo mundo sabe ou pensa que sabe quando o assunto é esse. Porém, será que a população realmente sabe identificar se um indivíduo está com a sua saúde mental afetada?

É por isso, que resolvi escrever esse artigo para poder colaborar com algo que é tão sério, pois geralmente encontro nas pessoas muitas dúvidas em relação a esse tema, sendo assim, espero poder ajudar com esse pequeno artigo, vamos lá?

Como surgiu a depressão

A depressão é uma doença relativamente antiga. Na psicanálise, ela foi relacionada nos debates sobre a melancolia. Para Freud: A depressão caracteriza-se, contrariamente à melancolia, pela possibilidade de o sujeito realizar o trabalho de luto.

FREUD (1917, 1957) De acordo com Julien : “(…) no período da Idade Média, quaisquer sentimentos ligados à tristeza, como o sofrimento e o desespero, eram fortemente condenados pela Igreja Católica, que pregava que os crentes deveriam ser felizes por saberem do amor e da misericórdia divina. Se Deus amava os seus filhos e lhes prometia o paraíso quando finda a vida, só havia espaço para tristeza se esta fosse fruto de inspiração divina. (2013, p. 60).”

No entanto, foi no ano de 1995 que a depressão passou a ser tratada realmente como uma doença e como um transtorno de humor. Porém, mais contemporaneamente, ela surge como um grande quadro epidêmico. Nos dias atuais, a depressão é considerada como um transtorno frequente em nossa sociedade.

Depressão atualmente e o tratamento da depressão

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 5,8% da população brasileira sofre de depressão. Estima-se um total de 11,5 milhões de casos. O índice é tão alto que ficamos somente atrás dos Estados Unidos com 5,9% da população, chegando a um total de 17,4 milhões de casos.

Estima-se que entre 10 anos a depressão será a principal causa de afastamento do trabalho. Na psiquiatria, esse sintoma é chamado de Anedonia que é a incapacidade ou a dificuldade da experiência de prazer.

A pessoa depressiva antes de tudo, perde o tônus da vida, isto é, perde o desejo de viver. De acordo com BALLONE (2002), a depressão é um termo que surgiu na psiquiatria, no entanto, diferente da melancolia, que pode ser considerada como um sintoma.

A origem da melancolia e seus conceitos

A Melancolia é uma das formas mais antigas de sofrimento. De acordo com Hipócrates, ela seria uma espécie de desistência do existir e, com isso, apresentava vários sintomas tais como: aversão à comida, falta de sono, irritabilidade dentre outros.

Segundo Abraham : “As pessoas melancólicas sofrem uma decepção insuportável por parte de seu objeto de amor, elas tendem a expelir esse objeto como se ele fosse fezes, e a destruí-lo. Temos razão para supor que esse período de auto- tormento dura que até o decorrer do tempo e o apaziguamento gradual dos desejos sádicos tenham afastado o objeto amado do perigo de ser destruído. Quando isso acontece o objeto amado pode sair de seu esconderijo do eu e o melancólico pode restaurá-lo em seu lugar no mundo exterior. (Abraham,1924/1970, p.124)”

O que você precisa saber sobre o tratamento da depressão e Tristeza

Antes de entrar nesse tema vamos falar um pouco da tristeza? Bom, grande parte das pessoas chega a pensar que a tristeza é o principal sintoma de alguém que está com depressão, já observou? Pois é, vira e mexe eu escuto: – Ah, acho que estou depressiva / depressivo porque ando TRISTE ou, minha filha está depressiva porque aconteceu tal coisa. Bom, será que é bem por aí mesmo? Claro que não!

Leia Também:  Lupus: causas e sintomas físicos e emocionais

Veja, existe uma GRANDE diferença entre estar triste e estar depressivo. A tristeza é um acontecimento passageiro, são pontos isolados na vida do indivíduo, dessa forma, não se trata de uma doença, mas sim, de um sentimento psíquico normal, pois você pode ficar triste, desanimado por algo que aconteceu em sua vida, mas, com certeza esse sintoma vai acabar passando.

A pessoa que ficou triste por um determinado motivo, depois de um tempo, ela consegue “tocar” a vida. Já a depressão é bem diferente, pois pode estar relacionado a diversos fatores, às vezes, o motivo do quadro pode não estar aparente, ou seja, o próprio indivíduo muitas vezes não sabe por que está vivendo aquela situação.

Ainda sobre o tratamento da depressão

É frequente as queixas como: Por que está acontecendo isso comigo? Minha vida é perfeita, não quero ficar assim! Pois é, isso acontece muito, sabia? Mas, o importante é saber diferenciar ambos e identificar os sinais, vamos lá?

TRISTEZA: Existe um MOTIVO como: acontecimentos desagradáveis, decepções, falecimento de algum animalzinho de estimação, perda de um emprego, reprovação em uma prova etc. O importante é que essa tristeza tende a melhorar com o tempo. Esse fato na vida do indivíduo raramente acaba interferindo na sua rotina e, seu funcionamento mental é preservado.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    DEPRESSÃO: O motivo pode ou não estar aparente. Os principais sintomas são: tédio, desesperança, angústia, desespero, desanimo, dificuldade de sentir prazer nas coisas normais da vida, irritabilidade, falta de higiene pessoal, negativismo ou pessimismo em relação a tudo, ideação de morte, desejo de desaparecer, sentimento de baixa autoestima, sentimento de incapacidade, diminuição da fala, lentidão de pensamento, falta de concentração, enfim, a lista é extensa, mas esses são os principais sinais e as principais queixas recorrentes.

    A tendência natural de viver

    No entanto, você deve estar me perguntando:- Mas Ana, eu tenho isso! Às vezes eu não tenho vontade de viver, às vezes estou triste…será que estou começando a ficar depressivo? Ou será que já estou com depressão? Veja, o mais importante de tudo é ficar atento aos sinais e, se os sintomas e as alterações de comportamento estão se agravando com o tempo, fique atento!

    Todo ser humano carrega em seu interior a tendência natural de viver. No entanto, quando falamos da depressão essa vivencia não está presente na vida do sujeito. De acordo com Mendes, Viana& Bara: O depressivo fica paralisado, distanciado em relação ao seu desejo, o que pode ser interpretado como uma resistência a suas demandas sociais. Neste caso, podemos articular a posição depressiva como fruto de uma sociedade na qual impera a exigência do gozo, uma sociedade que não tolera a falta, a dor, o sofrimento.

    O depressivo se vê imobilizado diante das possibilidades que as escolhas envolvem. Ele não sabe lidar com as pedras, fica paralisado. (2004, p.430)” Vamos ser mais objetivos? Bom, toda pessoa com depressão não consegue aproveitar as oportunidades, ela não sente vontade de seguir o percurso da vida. Mas, como que uma pessoa chega a esse ponto e perde completamente o prazer de viver a vida?

    A depressão

    Bom, como já mencionei, às vezes, pode não ter nenhuma razão aparente para tal quadro, mas podem existir outras situações que desencadeiam a depressão, são elas:

    Evento Traumático

    É quando o indivíduo passa por um acontecimento extremamente traumático na vida. Sabe quando você escuta:- Fulano levou uma “pancada” da vida ou a vida aplicou um “golpe”, pois é, muitas pessoas entram em um quadro depressivo justamente por passarem por algo agressivo e difícil em suas vidas.

    Sendo assim, essas pessoas não suportam tal trauma e acabam caindo em depressão. Para simplificar ainda mais vamos aos exemplos? São eles: Perda de um familiar por assassinato, perda de um filho, doença grave, abuso de medicamentos, enfim, existem diversas hipóteses que podem desencadear uma depressão.

    Eventos Frequentes

    A segunda forma que uma pessoa pode cair em depressão é quando em pouco tempo acontece vários traumas repetitivos. A pessoa se torna depressiva depois de passar vários episódios dolorosos que não deram certo.

    Medicação e Psicoterapia Psicanalítica

    Sabemos que a depressão é uma doença que deve ser levada a sério e deve ser tratada. É importante dizer que, dependendo do caso, o uso de medicamentos se torna imprescindível. Porém, em se tratando de fármacos é importante saber que, apenas um médico psiquiatra é o único profissional autorizado a isso. Importante mencionar que nenhum psicanalista, psicólogo ou qualquer outro terapeuta é autorizado a prescrever, suspender ou manipular medicamentos.

    Leia Também:  O complexo de Édipo mal resolvido

    No entanto, apenas a medicação não é o suficiente para o tratamento da depressão. É necessária uma outra intervenção que seja capaz de ajudar a pessoa a voltar a vida novamente. É preciso fazer com que essa pessoa se sinta viva, volte a ter alegria nas pequenas coisas e volte a sonhar, realizar tudo o que sempre quis. A medicação pode ajudar, mas, é necessária uma mudança interior e, não apenas amenizar os sintomas dolorosos.

    Sendo assim, a busca por uma psicoterapia especialmente, psicoterapia psicanalítica é fundamental. A saúde mental é algo importante e, o tratamento é imprescindível, por isso, não negligencie!

    O que fazer para sair de uma depressão e o tratamento da depressão

    Caso você esteja sofrendo de depressão, inicialmente eu preciso dizer: Procure ajuda! Porém, você pode começar a grande mudança da sua vida a partir de AGORA! A melhor forma de quebrar esse ciclo é rompendo com atitudes!

    Então, faça as suas atividades mesmo sem vontade, pois com essa atitude você está mostrando para si mesmo que algo já começou a mudar. É obvio que esta pequena dica, talvez, não seja o suficiente, porém, é um sinal para você sentir que as coisas estão mudando!

    A Cura através da Psicanálise

    O processo psicanalítico já foi comprovado que é uma forma de terapia que FUNCIONA! Sim, funciona! Mas, por que eu afirmo que a psicanálise funciona? Bom, inicialmente meu caro leitor saiba que a Psicanálise é considerada a mãe das psicoterapias! “(…) O que a análise pode fazer pelo seu filho tem sentido diferente. Se ele é infeliz, dilacerado por conflito, inibido em sua vida social, a análise pode trazer-lhe paz de espírito. (Carta de Freud a uma mãe inglesa anônima, 1935)”

    A psicanálise é uma terapia comprovada cientificamente, isto é, possui comprovação científica. Já que estou falando nesse assunto, não posso deixar de mencionar a Obra de Nasio “A psicanálise cura”. Em sua obra, ele narra casos clínicos que tiveram sucesso com a psicanálise, como por Exemplo o Homem negro, que era um sujeito que usava apenas vestimentas negras e sofria com diversos traumas do passado e que esses traumas os atormentavam no presente.

    Nesse caso clínico Nasio afirmou: “O trabalho com esse analisando permitiu que eu comprovasse mais uma vez que a imersão do psicanalista no interior de si mesmo para ali encontrar o inconsciente do outro é o mais poderoso agente de CURA que conheço”. (pag. 46)”. O resultado de um tratamento com a psicanálise é a remissão de sintomas que gera no indivíduo um alívio, transformação e aceitação dos seus sentimentos e traumas.

    Considerações finais sobre o tratamento da depressão

    Finalizo este artigo com o poema retirado da obra de Nasio, feito por um paciente pag.74 “O sossego. Hoje já não sonho Com outra vida nem com o obsoluto. Hoje já não sofro De um intenso sofrimento desconhecido. Hoje estou reconciliado Com minhas ânsias esquecidas. Hoje fui libertado E posso reinventar-me”.

    A importância da identificação dos sintomas e a informação correta, nos permite agir de forma imediata. A abordagem do assunto deve permanecer sempre recorrente, haja vista, que o mundo ainda possui indivíduos com altos índices depressivos.

    A psicanálise possui um papel relevante no tratamento da depressão. A abordagem psicanalítica tem como objetivo o foco dos desejos, sentimentos recalcados, angústias, traumas, medos, lutos e, até mesmo, as miudezas do cotidiano que partem do indivíduo.

    Referências Bibliográficas

    Abraham, K. (1970). Teoria Psicanalítica da libido. Sobre o caráter e o desenvolvimento da libido. (C.M. Oiticica, Trad). Rio de Janeiro (Trabalho originalmente publicado em 1927) BALLONE, G. (2002). Depressão. Retirado da Web no dia 18 de Agosto de 2021 (http://www.psiqweb.med.br/deptexto.html). CAMPOS, Érico Bruno Viana. Uma perspectiva psicanalítica sobre as depressões na atualidade. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina: v. 7, n. 2, p. 22-44, dez. 2016. FREUD, S. (1905) Sobre a psicoterapia. In: Obras completas de Sigmund Freud. Rio de janeiro: Imago, 1972. FREUD, S. (1917). A história do movimento psicanalítico, artigos sobre metapsicologia e outros trabalhos – Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol.XIV). Rio de Janeiro: Imago Editora / Edição Eletrônica. FREUD, S. (1957). Mourning and melancholia. In J. Strachey (Ed.), The Standard Edition of the Complete Psychological Works of Sigmund Freud (Vol.XIV, 1914-1916, pp.237-260). London: The Hogarth Press / The Institute of Psycho-Analysis. LAMBOTTE, M-C. O discurso melancólico: da fenomenologia à metapsicologia. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1997 JULIEN, Maria Claudia Gomes. Depressão pós-parto: Um olhar psicanalítico. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC. São Paulo: PUC, 2013, 129 p MÉNÉCHAL, J. (2002). Introdução à psicopatologia (2ªed.). Lisboa: Climepsi Editores. MENDES,E.D ; VIANA, T.C.; BARA, O. Melancolia e depressão : um estudo psicanalítico. In : Revista Psicologia : Teoria e Pesquisa. Out-dez 2014, v. 30, n.4, p. 423-431. Brasília – DF.. Disponível em : http://www.scielo.br/pdf/ptp/v30n4/v30n4a07.pdf. Acesso em : 06 de Setembro de 2021. NASIO, J.D (2019, pág. 46). A psicanálise Cura (1ª ed.) Editora ZAHAR

    Leia Também:  Especial dia do Livro: 5 Livros que falam sobre Psicanálise

    O presente artigo foi escrito por Ana Bortolin([email protected]). Psicanalista e realiza atendimento on-line através do site : www.anabortolin.com.br

    One thought on “Tratamento da Depressão: como a terapia psicanalítica atua?

    1. Parabéns pelo trabalho! Ajudará muito, as pessoas terem ciência que a depressão é uma doença perigosa. Eu também passei um quadro depressivo, por causa da morte da minha mãe. Mas até então, não sabia o que era depressão. No dia do velório, várias vezes meu filho me perguntava “me abraçava e perguntava: “tudo bem pai?” Eu respondia que estava! Só que quinze dias, depois estava num quadro depressivo. A depressão é uma doença que surge SILENCIOSA!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.