freud e o caso anna o

Caso Anna O interpretado por Freud

Posted on Posted in Psicanálise

Berta Pappenheim mais conhecida como “Anna O” foi a primeira paciente da psicanálise. Freud fez dela a mulher histérica mais famosa da história.

Este ficou conhecido como o caso de Anna O e tornou-se o início de uma disputa de um século entre a psicanálise e o feminismo sobre o significado da feminilidade.

Antes de mais nada, Berta Pappenheim nasceu em 27 de fevereiro de 1859, em Viena como a terceira filha de Recha e Zygmunt Pappenheim.

Suas duas irmãs mais velhas morreram na infância. Assim, ela cresceu em uma família judia rica, que já negociava no comércio de grãos por duas gerações

Doença do pai de Ana O

Em julho de 1880, seu pai ficou doente. Embora a família pudesse pagar por uma enfermeira, a tradição ditava que as responsabilidades da enfermagem fossem divididas entre a esposa e a filha.

Então, Recha ficava com o doente durante o dia, enquanto Berta, de 21 anos, ficava de plantão com o pai à noite.

Dessa forma, isso transformou sua vida em um pesadelo de insônia pelo contato constante com uma doença incurável.

Inicio da doença de Anna O

Sobretudo, acredita-se que foi nessa época que deu início à doença de Berta. No entanto, as biógrafas feministas dessa personagem enfatizam que as fontes da doença ocorreram muito mais cedo.

Em outras palavras, quando ela, aos dezesseis anos, teve que terminar seus estudos e iniciar a vida monótona de uma moça esperando para se casar na casa burguesa de seus pais.

Segundo O Dr. Joseph Breuer, Anna O. tinha uma inteligência notável, era capaz de combinações mentais incrivelmente complicadas e intuição aguçada.

Não é uma doença, mas um sintoma

Em 1885, Freud recebeu uma bolsa para passar vários meses na clínica de Charcot, que naquela época criou uma comunidade científica funcional ao seu redor.

Freud lidou principalmente com a histeria em mulheres e tentou fundamentar cientificamente sua intuição de que a causa da histeria era uma disfunção sexual psicologicamente determinada.

Desse modo, não era tanto uma doença quanto um sintoma. Nesse ponto, a compreensão psicanalítica da histeria coincide com as visões das feministas para quem a histeria também não é uma doença, mas uma defesa.

Teoria de Freud

Com o tempo, a intuição de Freud resultou em uma teoria que vincula a histeria principalmente a conflitos não resolvidos da primeira infância, principalmente com base na fantasia ou em experiências incestuosas.

Em sua prática e reflexão, Freud frequentemente retornava à história de Anna O que Breuer lhe contou em 1882 e 1883.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    A certa altura, Breuer se tornou a única pessoa que Berta ainda reconhecia. Ele a acompanhava principalmente como ouvinte.

    A teoria da psicanálise ainda não existia, e seu método estava apenas sendo testado pelo paciente e pelo médico experimental. O meio de alcançar os paranormais inconscientes nesta fase da história da psicanálise era a hipnose.

    Da hipnose a cura pela fala, o caso Anna O

    A filha dos Pappenheims foi naturalmente hipnotizada. Na segunda metade do dia, sua consciência perdeu a intensidade, até que finalmente se diluiu tanto que Berta caiu em uma espécie de transe que chamou de “nuvens”.

    Leia Também:  Outubro Rosa: Um alerta sobre o câncer de mama

    Nesse estado semi-inconsciente, ela descobriu a origem de seus sintomas. A situação era urgente à medida que o paciente gradualmente parava de falar.

    Bruer ajuda Ana O a voltar a falar

    Breuer intuitivamente adivinhou que Berta Pappenheim estava, portanto, se defendendo de dizer algo essencial, e insistiu que ela superasse sua resistência. Como resultado desses esforços, a fala voltou, mas na língua inglesa.

    Mais tarde, Berta também usou o francês e o italiano alternadamente, muitas vezes fazendo traduções rápidas e simultâneas de suas declarações para duas ou três línguas estrangeiras simultaneamente.

    O estado de Berta se agrava

    O pai de Berta morreu em abril de 1881, o que piorou temporariamente seu estado. Mais tarde, a doença de Berta se alternou com estados normais, mas um conjunto de sintomas persistiu até por volta de dezembro de 1881.

    Contorcendo-se de dor, Berta estava prestes a exclamar: “o bebê do Dr. Breuer está chegando ao mundo!”

    Tal declaração foi percebida como um escândalo moral e amedrontou Breuer a tal ponto que ele imediatamente parou de visitar os Pappenheims passando a paciente problemática para um amigo.

    Freud desaprovou a decisão de Breuer, que ele acreditava ter desertado em um momento crucial.

    Mais tarde, Berta recebeu tratamento em muitos sanatórios, até que em 1888, seis anos após a rendição de Breuer, ela e sua mãe se mudaram definitivamente para Frankfurt. Ela estava então com 29 anos.

    Mudanças na vida de Anna O

    Frankfurt foi uma nova etapa em sua vida. Ela começou publicando seus contos de fadas e contos sobre o pseudônimo de Paul Berthold, e mais tarde também artigos e uma peça sobre a situação social da mulher.

    Em 1899, como Paul Berthold, ela traduziu para o alemão a “Vindicação dos Direitos das Mulheres” de Mary Wollstonecraft.

    Incentivada a fazê-lo pelos parentes de sua mãe, ela viveu com os assuntos da comunidade judaica de Frankfurt, enquanto se envolvia cada vez mais nas atividades do movimento de mulheres alemãs.

    Anos importantes para Berta

    Em 1890, ela organizou uma cozinha para refugiados do Oriente. Posteriormente, em 1895, assumiu a liderança de um orfanato judeu e fundou a Weibliche Fuersorge uma comunidade que cuida dos pobres em 1902.

    No ano de 1904, ela fundou a Juedischen Frauenbund (União de Mulheres Judaicas) em todo o país e em nome desta organização, como sua presidente e delegada, ela participou de vários congressos de mulheres.

    No incio de 1917, ela se tornou uma importante ativista no centro do bem-estar social judaico na Alemanha e dedicou grande parte de sua riqueza pessoal ao trabalho social.

    Considerações finais

    Berta morreu em 28 de maio de 1936 em Frankfurt. A casa que ela fundou em Neu Isenburg foi fechada pelos nazistas em 1942 e todas as mulheres que ainda estavam lá foram deportadas para Auschwitz.

    É difícil acreditar que esta seja a mesma pessoa que em Viena, no final do século, atormentou a si mesma e a seus arredores com ataques de histeria.

    A coragem de Anna e o ímpeto visíveis em suas atividades sociais são mais que suficientes para mostrar uma psique saudável. É possível encontrar o caso anna o nas obras completas de Freud, caso queira obter mais detalhes acerca desse caso.

    Preparamos esse artigo com muito carinho para você mergulhar nas histórias psicanalíticas segundo Freud. Convidamos você para aprofundar seus conhecimentos fazendo o curso online de psicanálise. Dessa forma, você aproveitará para enriquecer seus conhecimentos nesse assunto tão profundo.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    dezessete − doze =