método catártico

Método Catártico: definição para a Psicanálise

Posted on Posted in Psicanálise e Cultura

Você conhece o método catártico? Muitas áreas de conhecimento utilizam algum método num sentido de provocar a catarse. Por exemplo, a psicanálise e a medicina moderna. Porém, a diferença está na forma como cada uma usa, e como oferece resultados para seus pacientes. Ficou interessado? Continue acompanhando nosso artigo e descubra como a psicanálise define e usa o método catártico!

O significado de catarse

Na arte clássica e na teoria da arte de Aristóteles, a catarse significa uma grande revelação trazida por uma obra artística, normalmente pelo caminho do pathos (uma paixão ou sentimento forte trazido pela obra de arte).

Mais de um século depois de sua criação na Psicanálise, continuamos a nos ocupar do método catártico. Segundo Aristóteles, uma peça de teatro tem a capacidade de nos libertar de nossas paixões através da representação do personagem. Reviver  os acontecimentos traumáticos, e fazer ligações entre eles, provoca purificações e limpeza na nossa vida psíquica. Essa exteriorização pode acontecer na forma verbal, emocional, e por meio de ações, o que para Aristóteles seria uma catarse. 

Assim, a catarse é identificada com a ideia de uma forte descarga de emoção que traz um profundo aprendizado sobre a condição humana, é uma racionalização indireta que parte de uma experiência ou de uma emoção, para depois se revelar como aprendizado. Para além das artes e da crítica literária, essas ideias seriam aproveitadas em outras áreas do saber, como a psicanálise.

Como funciona o método catártico para Freud

O método catártico é considerado, por muitos estudiosos, como uma transição entre a sugestão hipnótica e a associação livre (este último, o método definitivo de Freud). Outros estudiosos consideram como o mesmo (ou quase o mesmo) método da sugestão hipnótica.

O método catártico pode ser visto no caso da paciente retratatada no filme “Freud, Além da Alma“, que basicamente retoma o caso de Anna O. abordado na obra “Estudos Sobre a Histeria” (Freud & Breuer, 1895).

Como na sugestão hipnótica, no método catártico continua a ideia de que o analista sugestiona o paciente (ou analisando), mas não no sentido de sugestionar que o paciente melhore. Mas sim que o paciente reviva um acontecimento traumático que esteja na base de uma dor psíquica ou dos afetos patonênicos (isto é, as emoções que ligam o paciente aos primeiros momentos que teriam originado seu mal-estar).

Por este método, a forte descarga emocional (catarse) de reviver este acontecimento traumático permitiria a sua superação.

Uma técnica aplicada no método catártico, com o objetivo de simular o estado hipnótico e expandir a consciência, seria a chamada técnica da pressão: Freud pressionava com os dedos a testa do paciente e solicitava que, de olhos fechados, ele se concentrasse, a fim de recuperar a lembrança aparentemente perdida.

Comparando os métodos freudianos

Esse mesmo método é usado de forma relativa, também, por outras áreas do conhecimento. Por exemplo, na medicina moderna. Nela, o conceito está associado ao sistema digestivo, e indica o esvaziamento do intestino do que o está fazendo mal. Portanto, o método catártico se expressa em diferentes fórmulas que, na sua essência, são equivalentes.

O procedimento do método catártico é de denominação da psicanálise. Ele não tem o objetivo de curar os sintomas, mas saber o que eles têm a dizer. Na psicanálise, esse método ganha força quando Freud recusa o método hipnótico que Josef Breuer usava e retoma esse procedimento com uma nova técnica. Com associação livre,  o método catártico é criado.

Além disso, o método continua a ser empregado para quem procura por psicanálise, que é a cura pela fala para Sigmund Freud. E, portanto, tem o objetivo de parir o que se esconde no inconsciente humano, com o intuito de expurgar. Ou seja, por para fora e até anular os efeitos patogênicos, os quais são emoções recalcadas, que foram impedidas de serem manifestadas.

Em apertada síntese, podemos apontar três grandes métodos da psicanálise usados por Freud:

  • Método da Sugestão Hipnótica: o analista conduziria o paciente por sugestões, a fim de rememorar eventos traumáticos. Foi usado por Freud na fase inicial de sua trajetória, junto com Charcot, embora Freud depois defendesse a não necessidade da sugestão hipnótica pelo analista.
  • Método Catártico: o papel do analista é despertar as emoções que estariam na base dos sintomas. De certa forma, o analista tem um papel ativo (como na sugestão hipnótica) de conduzir o analisado por uma jornada emocional. Este método combinava a técnica da pressão (que explicaremos abaixo) e foi usado por Freud como decorrência de seu trabalho com Josef Breuer.
  • Método da Associação Livre: é o método por excelência de Freud. Trata-se de permitir ao analisado dizer tudo o que lhe vem à cabeça, sem censuras. Na associação livre, cabe ao analista o papel de inter-relacionar os fatos trazidos e debater com o analisado o que isso pode indicar sobre crenças, valores e eventos do inconsciente. Daí decorre a necessidade muitas sessões de terapia, pois o ritmo é determinado pelo paciente, numa relação de idas e vindas das resistências, transferências e contratransferências.

O método catártico na psicanálise

O método catártico de Josef Breuer basea-se na hipnose e na sugestão hipnótica. Foi gradativamente
alterado a partir das intervenções diferenciadas da clínica psicanalítica. Até, por fim, resultasse no método de associação livre, em que a sugestão hipnótica e a técnica da pressão deixaram de ter relevância.

Leia Também:  O que é honra: significado

Ao desenvolver com Breuer e aplicar o método catártico, Freud depara-se com algumas limitações:

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    • Freud percebia que nem todos os seus pacientes eram hipnotizáveis ou influenciáveis pela emoção;
    • Freud percebia a dificuldade em alcançar uma condição de “cura” efetiva; isso porque o método catártico atuava apenas com os sintomas e não a etiologia da neurose (isto é, não estudava as razões originárias das neuroses).

    Após abandonar a hipnose, Freud passa a se usar a técnica da pressão: consistia em pressionar a testa do
    paciente e solicitar que, de olhos fechados, se concentrasse, a fim de recuperar a lembrança perdida.

    A técnica da pressão simulava o estado hipnótico, o que nesta fase da teorização freudiana era visto como uma
    forma de expansão da consciência.

    Desta forma, a construção do método psicanalítico perpassa as fases da sugestão hipnótica, do método catártico e, por fim, firmaria na terapia mais gradativa e dialógica da associação livre.

    A filosofia e o método catártico

    Na Psicologia, o termo está relacionado com a liberdade e a cura de traumas, medos e doenças. O método é usado com o objetivo de fazer com que o paciente se libere dessas perturbações psíquicas. 

    A Filosofia tem uma perspectiva da psicanálise, por ser também um trabalho de representação que se submete à dúvida e à incerteza num mesmo modo teórico. Nela, cada uma quer afirmar suas próprias perspectivas que permanecem na obscuridade.  Ao pensar na psicanálise como parteira, sobre e sob esse efeito de estranhamento, os analisando, ela se aproxima daquilo que pode ser considerado uma atividade filosófica.

    Ademais, na filosofia, o efeito catártico já era gerado através das revelações alcançadas pelo dialogar Socrático. Ele significa saber discernir sobre o correto e o incorreto, quando o pensamento é liberado através da fala.

    Por fim, para Aristóteles, a forma de purificar a alma é através dos sentimentos. Eles são afetados ao assistir um teatro trágico, capaz de obter acesso as emoções inconscientes, o pathos. Esta teoria aristotélica presente em sua Poética inspirou (e inspira até hoje) as teorias das artes e os artistas.

    A Catarse e Freud

    Junto disso, o método catártico Freudiano é especificidade do analista psicanalítico, que busca descobrir e desmontar, pacientemente, todas as armaduras do inconsciente. Freud formulou o método catártico quando tratava pacientes com histeria, depois que ouviu de um amigo sobre a catarse Aristotélica. 

    O método catártico tem sua origem na escuta do sujeito que sofre. E, agindo assim, Freud cria um método privilegiado para o conhecimento psicanalítico. Esse método da cura pela fala dá inicio à trajetória da psicanálise, na qual Breuer e Freud reconheciam a expressão verbal:

    “É na linguagem que o homem encontra um substituto para o acto, graças ao qual o afecto pode ser ab-reagido quase da mesma maneira”.

    Assim, o ato pode ser substituído pela linguagem, permitindo que as relações e o nossos afetos sejam compreensíveis através das palavras. Além disso, o pensamento e a linguagem, mesmo sendo de ordem distinta, são o que dá sentido às expressões linguísticas. Assim, para Freud, a linguagem é um fenômeno necessário para a realidade humana, a psicanálise seria uma cura pela palavra.

    Com base nisso, fica evidente a importância e a eficácia que o método catártico tem no tratamento terapêutico. Isso em um processo de transformação na vida psíquica das pessoas.

    Conclusão sobre o método catártico na psicanálise

    Em resumo, entender o que é Psicanálise significa entender os métodos terapêuticos que a psicanálise usou: sugestão hipnótica, catarse e associação livre.

    Assim, por exemplo, no que toca à psicanalise, no método catártico, o analista está atento à fala do paciente num sentido de extrair e abrir uma via para os pensamentos recalcados, para, assim, alcançar a cura emocional.

    A partir da importância do método catártico apresentado nas diferentes áreas do conhecimento, podemos observar que ele é um dos melhores métodos usado pela psicanálise. Para o equilíbrio psíquico, num estado de liberação dos traumas e outras perturbações que o ser humano vivencia, ele dá ao indivíduo a libertação através da fala, que é o meio pela qual estes afetos são eliminados.

    Esse é um conceito muito amplo, uma vez que é utilizado em diversos ramos do conhecimento para o exercício da catarse. Gostou do artigo e se interessa por assuntos relacionados à psicanálise? Acompanhe nosso blog e se inscreva no nosso curso, 100% online, que irá te transformar em um psicanalísta de sucesso! Nosso curso é completo e te capacita a clinicar!

     

    Leia Também:  Bob Esponja: análise comportamental dos personagens

     

    One thought on “Método Catártico: definição para a Psicanálise

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *