Análise da música Desconstrução de Tiago Iorc

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Você por acaso já ouviu a música Desconstrução de Tiago Iorc? Se não, em qual caverna você esteve nesses últimos meses? Brincadeiras à parte, é muito difícil encontrar alguém não ouviu falar sobre essa música, uma vez que pertence a um álbum de sucesso do cantor.

Neste artigo nós vamos analisar essa música e falar um pouco sobre o Tiago Iorc e esse CD tão comentado. Vamos lá?

Quem é Tiago Iorc

Primeiramente, quem é Tiago Iorc? Para os indivíduos jovens da população brasileira, mesmo para quem não curte a música do cantor, fazer essa pergunta é um pouco estranho. Em pouco tempo, sua carreira decolou e ele é um dos nomes mais comentados no que diz respeito à nova geração da música popular brasileira.

Iorc é um cantor, compositor e produtor musical brasileiro. Ele nasceu dia 28 de novembro de 1985 em Brasília. Durante sua carreira, lançou 5 álbuns, sendo os dois primeiros em inglês. Já foi indicado ao Grammy Latino e fez várias parcerias musicais de sucesso.

Álbum visual da música Desconstrução de Tiago Iorc: Reconstrução

Falando agora em Reconstrução, trata-se de um álbum de Iorc que foi lançado após uma pausa de mais de uma ano por parte do cantor nas redes sociais. Nesse contexto, é importante falar dessa pausa porque, como veremos mais abaixo, a pressão das redes sociais é tema de Desconstrução.

Reconstrução foi lançado no dia 5 de maio de 2019 e é o primeiro álbum visual do cantor. No entanto, você deve estar se perguntando o que raios seria um “álbum visual”. Nós explicamos.

Diferente dos álbuns anteriores, esse contém 13 faixas inéditas e todas com videoclipes. Por sua vez, cada um desses videoclipes foi lançado no mesmo dia do lançamento do disco. Ademais, o CD tem um conceito específico. É como se uma grande história fosse contada ao longo das faixas, em que ele e uma atriz encenam cada parte dela.

Uma curiosidade: horas após o lançamento, as 13 faixas do álbum entraram na lista das 50 mais tocadas do Spotify. Esse fato fez com que Tiago Iorc batesse recordes neste streaming no dia.

Por fim, as 13 faixas do álbum são:

  1. Desconstrução;
  2. Hoje Lembrei do Teu Amor;
  3. Deitada Nessa Cama;
  4. Fuzuê;
  5. Faz;
  6. Tangerina;
  7. Laços;
  8. Nessa Paz Eu Vou;
  9. Tua Caramassa;
  10. Me Tira Pra Dançar;
  11. A Vida Nunca Cansa;
  12. Bilhetes;
  13. Sei.

Como você já deve ter percebido, o tema deste nosso post, Desconstrução de Tiago Iorc é a primeira música do álbum. Em seguida, no próximo tópico, finalmente vamos analisá-la.

Análise da música Desconstrução de Tiago Iorc

Como já comentamos, Desconstrução de Tiago Iorc é a música que abre o CD.

Para começar essa discussão, entenda que desconstruir significa, a priori, quebrar padrões. Será que é disso que o Tiago fala?

“Quando se viu pela primeira vez / Na tela escura de seu celular”

Quando nossos celulares estão ligados, você já percebeu que vemos os outros e não a nós mesmos. Contudo, quando a tela fica escura, ou desliga, é nossa face que fica refletida. Nessa estrofe, o Tiago fala sobre esse momento que deixamos de ver o outro e nos vemos. Muitas vezes estamos há tanto tempo vendo os outros que, quando nos vemos, é como a primeira vez.

“Saiu de cena pra poder entrar / E aliviar a sua timidez / Vestiu um ego que não satisfez”

Já nessa estrofe, o autor não está mais referindo-se a pessoa que vemos na tela escura. Aqui é a persona que criamos para as redes sociais. E nem sempre essa persona é quem queremos ser, mas é quem agrada os outros.

“Dramatizou o vil da rotina / Como se fosse dádiva divina”

Quem já não fez, não viu, ou admirou a glamorização do banal? Ou que elevou o normal a uma perfeição impossível? Provavelmente é disso que o Tiago está falando.

“Queria só um pouco de atenção / Mas encontrou a própria solidão / Ela era só uma menina”

Aqui ele relaciona essa glamorização com a necessidade de chamar a atenção. Necessidade que nada mais é do que reflexo da solidão de uma pessoa que ainda está aprendendo sobre a vida.

“Abrir os olhos não lhe satisfez / Entrou no escuro de seu celular”

Nesse caso, o abrir dos olhos significa estar na vida real. Já o escuro do celular é o mundo criado nas redes sociais. E, nesse contexto, estar na vida real é triste para essa pessoa, por isso fica no mundo inventado.

“Correu pro espelho pra se maquiar / Pintou de dor a sua palidez”

O ato de se maquiar aqui é uma ferramenta para esconder aquilo que não é perfeito. Essas imperfeições correspondem a tudo que ela acredita não ser bom para a persona que ela vive.

“E confiou sua primeira vez / No rastro de um pai que não via / Nem a própria mãe compreendia”

Segundo Freud, podemos entender o comportamento humano a partir do complexo de Édipo, tema que já discutimos aqui no blog. Assim, de acordo com essa referência, em situações em que falta uma figura paterna, a menina sobre de forte carência, desorientação. Somada a isso, a história relata uma grande incompreensão da mãe.


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ


“No passatempo de prazeres vãos / Viu toda a graça escapar das mãos / E voltou pra casa tão vazia”

”Prazeres vãos” são aqueles prazeres imediatos que não preenchem, sabe? É aquilo que se faz quando está desesperado pelo sofrimento de vazio e que funciona na hora. Contudo, depois que passa, você sente que era nada, não havia sentido naquilo. Nesse contexto, muitas vezes, pode acabar se tornando um problema mais para frente.

“Amanheceu tão logo se desfez / Se abriu nos olhos de um celular / Aliviou a tela ao entrar”

Essa estrofe fala sobre o vício de acordar e já se vestir da persona que será retratada em um celular. Assim, mostra que isso é um vício realmente, pois a pessoa repete a ação assim que acorda. Ademais, seu alívio provém dessa ação.

“Tirou de cena toda a timidez / Alimentou as redes de nudez”

Aqui, novamente, ele fala sobre a incorporação da persona e dos atos dela. Nesse contexto, podemos dizer que “as redes de nudez” são uma analogia a “redes sociais”.

“Fantasiou o brio da rotina”

Aqui podemos retomar a mesma glamorização do banal que comentamos mais acima.

“Fez de sua pele sua sina / Se estilhaçou em cacos virtuais”

Fazer na pele seu destino é acreditar que sua aparência é tudo que se é. Dessa forma, cada foto e vídeo são uma parte dessa pessoa.

“Nas aparências todos tão iguais / Singularidades em ruína”

A aparência que comentamos ali em cima é uma tentativa de se encaixar a padrões. Padrões estes que vendem e alcançam status na internet. Consequentemente, a singularidade ficou para trás.

“Entrou no escuro de sua palidez”

Nesse trecho de Desconstrução de Tiago Iorc, o cantor pode pode estar se referindo aos transtornos mentais. É exemplo disso a depressão, doença que a pessoa se sente extremamente triste e sem cor, alegria.

“Estilhaçou seu corpo celular / Saiu de cena pra se aliviar”

Esse “corpo celular” diz respeito a persona. Assim, a ação de estilhaçar é não aguentar mais manter essa persona falsa. E aqui, o alívio deixa de ser no vício e passa a ser fora dele. Ou seja, a pessoa decide se livrar dele.

“Vestiu o drama uma última vez / Se liquidou em sua liquidez”

Este pode ser o ponto em que se age para sair do vício. Assim, é ir ao extremo naquela dor antes de abandoná-la. Porém, nem sempre abandonar é sair vivo de algo.

“Viralizou no cio da ruína”

Viralizar é se tornar visto por muita gente em um período muito rápido. No entanto, nem sempre alguém quer viralizar ao viver sua própria vida. Muitas vezes é um desabafo, um momento de descontração. Contudo, quando algo viraliza, toma proporções que não se podem controlar. Assim sendo, muitas vezes, isso pode significar uma marca profunda na vida de alguém. Não foi o caso da jovem que casou-se consigo mesma?

“Ela era só uma menina”

Aqui ele volta a ressaltar que era só uma pessoa ainda aprendendo sobre o mundo. Ou seja, estava descobrindo sobre si mesma.

“Ninguém notou a sua depressão / Seguiu o bando a deslizar a mão / Para assegurar uma curtida”

A persona vista não era a menina de verdade. Assim sendo, ela não contou a ninguém sobre suas dores, seus medos. Ninguém a viu. Fez como todos sempre, pois era isso que criava engajamento, curtidas, que “ela” fosse vista. Porém, ela nunca foi enxergada de verdade.

Comentários finais sobre Desconstrução de Tiago Iorc

A música Desconstrução de Tiago Iorc fala sobre vícios e depressão acarretadas pelas redes sociais. Nesse contexto, a desconstrução seria conseguir sair dessa padronização que a rede social exige de nós. Trata-se de um assunto importante e que precisa de destaque. Assim, se você tem interesse sobre esse tipo de tema, conheça nosso curso EAD de Psicanálise Clínica. Ele é 100% online e pode te ajudar a entender mais sobre a mente humana.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × quatro =