diverticulite

O que é diverticulite: causas, tratamentos, sintomas

Posted on Posted in Psicanálise, Transtornos e Doenças

Talvez você já tenha sentido desconforto abdominal, gases ou inchaço na sua barriga. Milhares de pessoas se queixam desses e de outros sintomas que podem estar relacionados à diverticulite. Hoje nós entenderemos o que ela é, as suas possíveis causas, sintomas e o tratamento disponível.

O que é diverticulite?

De acordo com médicos, diverticulite se trata de uma inflamação que acontece na parede do intestino grosso. Os médicos afirmam que ela causa algumas lesões ou até infecção nos divertículos, pequenas bolhas na parede intestinal.

Os médicos afirmam que é bastante comum pessoas acima de 40 anos desenvolverem divertículos. Os pacientes, na maioria dos casos, tem divertículos assintomáticos que não provocam problemas para a saúde. Entretanto, quando as pessoas desenvolvem a diverticulite, os sintomas da inflamação logo aparecem.

Quais as causas da diverticulite?

De acordo com os médicos, pedaços de fezes acumulados nos divertículos causam a diverticulite. Como resultado, o paciente pode sofrer uma infecção e proliferação de bactérias no local. Em média, mais de 30% das pessoas com mais de 50 anos tem a inflamação; o número aumenta para 70% em pacientes acima de 80 anos.

Especialistas indicam que uma dieta muito pobre em fibras pode ajudar no desenvolvimento da inflamação no intestino. Já que a pessoa não consome muita fibra, as fezes dela ficam mais duras. Como resultado, ela sofre com constipação intestinal e precisa fazer mais esforço para evacuar essas fezes.

Além disso, a pessoa constipada pode desenvolver uma lesão nos intestinos e cólon, formando, então, esse cisto. O paciente sentirá a inflamação se desenvolvendo à medida que restos de fezes se acumulam nesse local. Pessoas acima de 40 anos, obesas, sedentárias e fumantes estão no grupo de risco.

Sintomas da diverticulite

Nós deixamos claro que você não deve autodiagnosticar a diverticulite sem a ajuda de um profissional capacitado. Entretanto, caso você esteja passando por um problema de saúde, é importante saber quais os sinais que o corpo apresenta. Dessa forma, o médico pode fazer um diagnóstico mais rápido e preciso da condição do paciente.

Os sintomas mais comuns da diverticulite são:

  • Alterações intestinais, como prisão de ventre ou diarreia,
  • Calafrios,
  • Dores abdominais,
  • Falta de apetite,
  • Febre,
  • Inchaço e/ou gases,
  • Náuseas,
  • Sensibilidade abdominal, mais ainda na arte esquerda e inferior do abdômen,
  • Vômitos.

Se você tem os divertículos, mas que não estão inflamados, esses sintomas não aparecem. Somente com exames, como a colonoscopia, você identificará os cistos.

Tipos

Os médicos classificam a diverticulite em hipertônica, hipotônica e aguda ou grave. Segundo eles, a classificação considera a incidência de cistos no intestino, tamanho e a gravidade da infecção.

Diverticulite hipertônica

Em suma, é quando o paciente tem cistos muito pequenos do lado esquerdo, no cólon descendente. Os pacientes mais jovens, entre 40 e 60 anos, são os mais afetados e demonstram sintomas fortes. Eles podem sentir constipação, evacuação e fezes duras e separadas e, no caso mais grave, perfuração intestinal.

Diverticulite hipotônica

Nesse caso, os pacientes têm divertículos mais largos, presente em boa parte do intestino e em grande quantidade. Pessoas idosas costumam ter esse tipo de inflamação, porém a maioria dos pacientes é assintomático. Mesmo que esses pacientes indiquem um trato intestinal normal, eles podem ter constipação e apresentar hemorragia em casos graves.

Leia Também:  Controle emocional antes de disparar: A Culpa é Sua!

Diverticulite aguda e grave

Os médicos afirmam que a diverticulite aguda não é complicada, sendo comum entre 70% a 80% dos pacientes diagnosticados. As pessoas com esse tipo de inflamação apresentam sintomas mais leves ou básicos que nós citamos acima.

Contudo, pacientes com a forma grave de diverticulite podem sentir dor abdominal intensa, febre e ter problemas para comer. Tanto que muitos pacientes precisam de hospitalização para evitar complicações e que o intestino seja perfurado.

É possível prevenir a diverticulite?

De acordo com médicos, uma alimentação rica em fibras pode ajudar na prevenção da diverticulite. Com mais fibras na alimentação, as pessoas mantêm o intestino limpo e funcionando da maneira saudável. Assim, as pessoas fortalecem a parede do intestino e impedem que pregas sejam formadas.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Para aumentar o consumo de fibras nós devemos investir em alimentos como laranja, mamão, alface, damasco e rúcula, por exemplo. Além disso, é muito importante que nós bebamos 2 litros de água por dia, no mínimo para diminuir riscos. Evitar vícios e praticar mais atividades físicas pode nos ajudar a prevenir a inflamação.

    Ademais, nós devemos comer os alimentos mais devagar e mastigá-los bastante antes de engoli-los. Pessoas fumantes, que não se alimentam de forma adequada, estão obesas ou acima dos 40 anos precisam se cuidar mais. Com esses cuidados nós podemos fortalecer a saúde dos nossos corpos em pouco.

    Como detectar a diverticulite?

    Se você desconfia que está com diverticulite, deve procurar um médico e fazer a colonoscopia para ter certeza. Ou você pode fazer uma tomografia computadorizada, pois esse exame permite uma visualização mais precisa de possíveis lesões intestinais. Além disso, se necessário, o médico pode solicitar exames de imagem, como Raio-X e ultrassom, exame de sangue e ressonância magnética.

    Tratamento

    O paciente recebe o tratamento de acordo com o grau da diverticulite diagnosticada. Se for um caso simples, o paciente pode mudar a dieta, beber mais água e ingerir fibras para ajudar a tratar a inflamação. Se houver crises, o paciente pode solucioná-las com bolsas térmicas quentes, alimentação líquida e analgésicos.

    Pacientes com casos graves, onde há infecção e peritonite, precisam de antibióticos e, talvez, até cirurgias. Eles podem realizar a ressecção primária intestinal, reconstruindo o intestino logo após a cirurgia ou a ressecção intestinal e colostomia. Nesse caso, os pacientes usam um acesso externo, uma bolsa, por volta de 12 semanas, para as fezes serem liberadas.

    A princípio, os médicos podem fazer o tratamento por meio convencional usando cortes. Se possível, eles realizarão o procedimento por meio da laparoscopia usando câmera de vídeo. Ou, eles podem realizar uma cirurgia robótica que além de ser menos invasiva, diminui a dor do paciente e evita complicações.

    Considerações finais sobre diverticulite

    Todos nós devemos cuidar melhor do nosso estilo de vida a fim de evitar a diverticulite. É preciso que nós sejamos mais conscientes em relação aos sinais que o corpo apresenta. Qualquer alteração visível em nosso trato intestinal é aconselhável procurar ajuda médica.

    Ainda que você não sinta nada de diferente, sempre é recomendado fazer exames de rotina. Dessa forma você garantirá o seu bem-estar e vai se prevenir contra possíveis ameaças.

    Após você entender melhor a diverticulite se inscreva em nosso curso online de Psicanálise. O nosso curso é uma excelente ferramenta para você desenvolver o seu autoconhecimento e garantir acesso ao seu potencial interior. Garanta já a sua vaga em nosso curso online de Psicanálise e descubra como transformar o mundo ao seu redor.

    One thought on “O que é diverticulite: causas, tratamentos, sintomas

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *