Para que serve a psicanálise

Para que serve a psicanálise?

Posted on Posted in Psicanálise

Você sabe para que serve a psicanálise? Essa é um questionamento bastante comum realizado por muitas pessoas. Após estudar um pouco sobre o método psicanalítico, terei a ousadia de tentar responder da forma que compreendi. Convido você a vir entender com este artigo!

Para que serve a psicanálise?

Sigmund Freud inicialmente tratava as pacientes histéricas utilizando o método da hipnose. Porém, algum tempo depois observou que a hipnose não era eficaz, já que nem todas as pessoas eram hipnotizáveis e, que mesmo aquelas que eram, apresentavam retorno dos sintomas posteriormente.

Ele percebeu que precisava de algo mais sutil para acessar o inconsciente das pessoas. Optou, então, por conversar com elas fazendo vários questionamentos para tentar encontrar a resposta do que as afligia.

Foi quando durante o atendimento de uma paciente chamada Emmy Von N., essa já cansada de suas perguntas e interrupções manda-o calar-se e permitir que ela fale livremente.

Freud nos mostra para que serve a psicanálise

Freud compreende então que as pessoas precisavam falar sobre o que quisessem, mesmo que fosse algo aparentemente sem sentido para uma sessão de análise, pois essa era a necessidade delas. E, dessa forma, mudou a forma de conduzir sua terapia.

Começou a deixar as pessoas falarem livremente. E com o tempo percebeu que dessa forma a cura tornava-se possível. Nascia, então, o método da associação livre, utilizado até os dias de hoje nas sessões de psicanálise.

Para que serve a psicanálise e o tratamento

Mas agora você pode estar se perguntando: “Mas, é só isso? Então falar sobre o que quisermos com qualquer pessoa poderia curar nossos traumas psíquicos? E se não é para o psicanalista falar nada porque ele tem que estar ali?” Digo isso, porque já foram esses os meus questionamentos também.

Pois bem, para começar, já vou dizendo que o tratamento proporcionado pela psicanálise não é para todo mundo. O próprio Freud realizava uma entrevista preliminar para ver se aquele caso era elegível para tratamento psicanalítico.

Ela aplica-se mais precisamente no tratamento das neuroses. E, acredite, de neurótico todo mundo tem um pouco! Há vários tipos de neurose, assunto o qual não vou tratar nesse momento. Mas tem um sintoma que parece ser comum a todas elas. A angústia!

A Psicanálise atua no conflito psíquico

A pessoa tem algo que a angustia e que ela nem sabe explicar o porquê. Sente que alguma coisa que não consegue definir bloqueia seu caminho e que a faz ter atitudes que não gostaria de ter. E isso a faz viver em um eterno conflito psíquico. Pronto! Com isso já dá para começar uma análise!

Ao longo das sessões o psicanalista permitirá que a pessoa fale livremente, não ficando totalmente calado, mas fazendo alguns questionamentos no momento certo, chamando a atenção da pessoa para algo que ela disse livremente sem pensar, enfim, vai mergulhando com ela no seu inconsciente, sem realizar julgamentos.

Algumas respostas vão surgindo e uma discreta luz aparece no fim do túnel … Com o tempo surge o que havia sido recalcado! Não é um processo rápido já que a pessoa precisa amadurecer ao longo da terapia.

Leia Também:  Antropocentrismo: significado explicado

O psicanalista na análise

O psicanalista precisa ter a sensibilidade de aguardar esse tempo para que ela demonstre por si mesma que já tem condições de encarar a verdade. E essa verdade não deve ser dita pelo psicanalista, mas sim descoberta por ela mesma. Assim também entendemos para que serve a psicanálise.

Somente assim fará sentido e promoverá condições de realizar uma mudança interna. Em muitos casos a pessoa analisada encontra o motivo da sua neurose, ou melhor, reconhece-o, porque no fundo ela já sabia do que se tratava, mas é tão doloroso admití-lo que prefere deixá-lo escondido em seu inconsciente, como um segredo bem guardado.

Dessa forma a cura torna-se impossível mesmo após anos de análise. O inconsciente continuará gritando o tempo todo, não a deixando em paz. Se manifestará na forma de angústia que a levou a procurar ajuda no início.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    O tratamento e o convívio com os sintomas

    Por isso digo que, mais que um método de cura de sintomas, a psicanálise é um método que promove autoconhecimento e amadurecimento. Se a pessoa ainda não amadureceu o suficiente para encarar sua verdade e para ter a coragem de mudá-la infelizmente não conseguirá a cura tão desejada.

    Talvez porque na verdade essa cura não era tão desejada assim. Na verdade, a pessoa prefere ficar na zona de conforto de sua prisão psíquica. Mudar envolve coragem para enfrentar riscos e há um preço que muitos não estão dispostos a pagar.

    Para essas pessoas que sabem o que precisam fazer para libertar-se, porém escolhem manter -se na zona de conforto, resta uma opção, também oferecida pelo tratamento psicanalítico. Trata-se de aprender a lidar com seus sintomas. Conviver com eles de forma mais amigável.

    O problema precisa ser aceito

    Agora que o problema já foi reconhecido, precisa ser aceito. E somente com essa aceitação e reconhecimento já se pode obter um certo alívio.

    Não será a liberdade completa, porém já não é aquela angústia terrível que a corroía por dentro. E, acredite, foi necessário muito autoconhecimento para chegar nesse estágio.

    Conclusão

    Para finalizar não poderia deixar de falar sobre a importância do psicanalista passar por sessões de análise como paciente também. Ele precisa se autoconhecer o suficiente e resolver suas próprias questões para ter condições de ajudar alguém.

    Precisa sentir a dificuldade de abrir seus segredos mais íntimos com um estranho. De ver suas verdades expostas sem pudor. Gosto muito de uma frase de Lacan que diz: “Cada um alcança a verdade que é capaz de suportar”.

    Acho que é isso. Vamos viver da melhor forma com a verdade que suportamos. Mas vamos ao menos saber que verdade é essa.

    O presente artigo foi escrito pela autora Leticia Almeida [[email protected]]. Letícia é mãe, enfermeira, apaixonada pela psicanálise e pelos enigmas da vida e da mente humana.

     

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *