somatização

Somatização: o que é, quais as causas, como se manifesta?

Posted on Posted in Psicanálise, Transtornos e Doenças

Muito se avalia a respeito dos efeitos psíquicos no corpo e vice-versa, de modo a construir uma ponte. Essa projeção acaba por macular diretamente a nossa saúde, mudando a forma de nos colocarmos no mundo. Entenda melhor o conceito de somatização e como ele é construído, literalmente, dentro de nós.

O que é somatização?

Segundo a OMS, somatização é a construção física de um desequilíbrio biológico e/ou psíquico numa pessoa. Ou seja, se a nossa mente e o corpo estão desregulados, os mesmos darão sinais físicos ao nosso corpo físico. Dessa forma, desenvolveremos doenças relacionadas diretamente com esse desequilíbrio.

Basicamente, percebemos que as doenças que desenvolvemos são parte também da produção do nosso próprio corpo. Ainda que agentes externos sejam de extrema importância ao desenvolvimento de doenças, as mesmas só vão adiante se deixarmos. Assim, que possui uma saúde verdadeira não desenvolve esse tipo de problema.

Com isso, quem possui uma disposição maior a determinado agente pode sofrer mais com o seu desequilíbrio interno assim que este surgir. É como se ficasse sem qualquer defesa, totalmente exposto a estímulos externos. cabe ressaltar que a perspectiva do ambiente em que este vive influencia diretamente em sua saúde.

Causas

Como se sabe, a somatização é provocada por desequilíbrios internos, sejam de ordem psíquica ou não. Contudo, as representações psíquicas exercem papel fundamental nisso. Nesse caso, falamos das experiências emocionais que nutrimos ao longo de nossas vidas. Grandes eventos deixam grandes marcas.

Ou seja, a construção do nosso lado emocional ao longo do tempo pode ser fator determinante à nossa saúde no futuro. A intensidade dela dependerá diretamente dos estímulos propostos pelo ambiente enquanto nos desenvolvíamos. Isso explica porque alguém é mais suscetível a determinada doença enquanto outra pessoa não.

Sintomas comuns

Ainda que a somatização se manifeste de forma individual, é bastante comum que alguns sintomas se cruzem. Dada à natureza e a sua simplicidade, ignoramos e deixamos que passem. Contudo, a depender do que alguém sinta, isso pode facilmente perdurar e até se tornar algo crônico. Os sintomas mais comuns são:

Dor de cabeça

Quando temos dores de cabeça sem motivo motivo algum, apenas as sentimos e tomamos algum remédio para aliviá-la. Isso indica um desinteresse da população em saber melhor o que acomete nossas vidas. O estresse, por exemplo, é a causa mais comum ao problema. A pressão exercida acaba se condensando em uma dor de cabeça inesperada.

Resfriados constantes

Da mesma forma em que a dor de cabeça, o resfriado se deve a um desequilíbrio psicobiológico. Inconscientemente, por n motivos, acabamos suprimindo a nossa imunidade natural. Por causa disso, pequenos organismos podem se aproveitar da situação para se propagarem em nosso corpo. O mais comum é o vírus da gripe.

Dores físicas

A força que exercemos internamente acaba sendo extrapolada ao nosso corpo físico sem mais. O processo é o mesmo da dor de cabeça, sendo mais generalizado ao corpo físico de uma pessoa. Com isso, podem surgir dores nas costas, ombros, peito, pernas e até ao respirar. A resposta certa, ainda que incompleta, se refere à rotina que levamos.

A ligação entre matéria e emoção

O esquema da somatização vem para proteger algo que muitos já sabiam anteriormente. Tudo o que vem da mente tem a capacidade de afetar nossa atividade corpórea de forma imprevisível. Assim, deduzimos que determinadas personalidades seriam mais vulneráveis aos problemas que dependem de sua atividade sistêmica.

Leia Também:  Síndrome de Borderline: significado, causas, tratamentos

Por exemplo, quem possui depressão dá sinais aparentes de que está triste e desmotivado e relação à vida. A má conexão psíquica e emocional é mostrada de forma que esse indivíduo se torne apático e sem reação ao mundo externo. Entretanto, ainda que difícil, é possível ajudá-lo a conviver com essa situação.

Mesmo quem não tem tanta intimidade assim consigo precisa ser mais flexível para lidar com esses problemas. Ainda que a navegação interna se mostre complicada, o autoconhecimento proporciona entendimento sobre o que nos toca. Dessa forma, quando entendemos nossas rupturas internas, podemos trabalhar nos sintomas físicos.

O tratamento

Não existe um caminho esclarecido para que fiquemos imunes às doenças para sempre. Independente de tudo, continuaremos a viver e isso afetará diretamente nossa postura interna. A contra proposta seria não viver, mas isso é completamente fora de cogitação. Por mais que nos afetem, essas experiências são vitais ao nosso crescimento.

Porém, não é nada mal melhorar a relação que você mantém com seu corpo e sua mente. Passe a se conhecer mais, respeitando seus limites e encontrando novas forma de ver suas dificuldades. Além disso, evite agir impulsivamente ou guardar toda a carga para você. Quanto ao corpo, exercícios e alimentação adequada te ajudarão.

Essa combinação pode ter efeitos benéficos adversos a depender da composição do indivíduo. Entretanto, nunca é ruim passar a cuidar mais de seu corpo e mente. Essa ligação dará mais autonomia para viver de forma mais adequada e plena diariamente. Por que seja difícil, não abra mão de si.

Considerações finais sobre a somatização

A somatização vem para resgatar o conceito antigo da ponte entre mente e o corpo. Tudo o que um sente, o outro absorve, como que decodificando e projetando essas impressões. Assim, nossas doenças se manifestariam justamente pela incidência dos estímulos precisos à alimentação delas.

Cabe ressaltar que o ambiente onde vivemos tem papel fundamental nessa construção somática, influenciando em nossas percepções. Por meio dele, recebemos os gatilhos que transformam nossas emoções, pensamentos e reações. Isso explicaria por qual motivo alguém adoece bastante e outra pessoa tem saúde de ferro.

Para ajudar melhor nessa construção de consciência e evitar a somatização, se inscreva em nosso curso de Psicanálise 100% EAD. Por meio dele, você pode entender o que motiva determinados comportamentos em uma pessoa, compreendendo seus catalisadores. Não esqueça: estudando mais sobre o ser humano você também aprende sobre seu próprio ser, construindo assim o seu autoconhecimento. Matricule-se!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =