ansiedade para a psicanálise

Ansiedade para a psicanálise: visão de Freud e conceitos atuais

Posted on Posted in Transtornos e Doenças

A ansiedade para a psicanálise é caracterizada como um atormentamento provocado pela antecipação de eventos futuros, ou seja, eventos que ainda não aconteceram e pode ser que nem aconteçam.

A ansiedade para a psicanálise

O termo ansiedade tem origem no latim na forma de anxietas.atis. com definição em nossa língua como um substantivo feminino que designa desconforto físico e psíquico; angústia; aflição; agonia. Segundo Freud, do resultado de um conflito mental surge a ansiedade. Acrescenta ainda que ela provém de uma base biológica natural que ajuda o ser humano a se manter vivo pois a ansiedade atua como um mecanismo de defesa ativando a reação aos perigos que colocariam a vida em risco.

Porém, a ansiedade excessiva pode vir a se transformar em distúrbio de ansiedade que é vista como doença, hoje nomeada de Transtorno de Ansiedade Generalizada. Quando Freud trouxe à luz da sociedade os seus estudos, ele caracterizou a ansiedade em três tipos que foram: Neurótica, Moralista e Realista. Logo abaixo vamos compreender o que é cada uma delas.

Já é sabido que na ansiedade há uma expectativa de uma ameaça no futuro e é importante diferenciar do medo, pois no medo há uma ameaça real ou percebida como real. Dentre os três tipos de ansiedade elencados por Freud, a ansiedade ganha força como em um tipo de medo que o indivíduo carrega em si e às vezes esse medo é inconsciente.

Ansiedade para a psicanálise na visão de Freud

Vejamos abaixo o que caracteriza cada tipo de ansiedade na visão de Freud.

Ansiedade Neurótica: É o receio ou medo de que os próprios pensamentos possam se realizar e/ou que os instintos saiam do controle e se manifestem. Esse medo ocorre devido à natureza subversiva e aterrorizante que os pensamentos têm e são inconscientes pois a consciência não possui elementos para lidar com o conteúdo.

Porém, quando esse tipo de ansiedade é analisada, ela se torna consciente e passa a ser classificada como ansiedade moralista ou realista.

Ansiedade Moralista: É o receio ou medo de sofrer uma punição e esse sentimento tem origem na consciência moral. O indivíduo passa a sofrer um sentimento de culpa pelo que está pensando em fazer.

Ansiedade Realista: É o receio ou medo de perigos reais que aconteceram/estão acontecendo no mundo exterior onde o indivíduo habita. Surge, geralmente, através de situações específicas.

Ainda sobre a ansiedade para a psicanálise

Na abordagem psicanalítica a ansiedade é considerada um estado de alerta importante para a preservação da vida e, sendo assim, é um estado presente em todos os indivíduos. Porém, quando há excesso de ansiedade, esta começa a prejudicar o indivíduo e é percebida por análise e também através da auto análise.

Alguns sintomas são os alertas de que está havendo excesso da ansiedade considerada natural e benéfica e alguns deles são: sensação de falta de ar e/ou asfixia tremores cansaço suor em excesso taquicardia náuseas tonturas boca seca mãos suadas e frias Em muitos casos há a necessidade de intervenção psicoterapêutica e psiquiátrica.

Trazendo a análise para os conceitos da teoria Freudiana o Ego cria mecanismos de proteção de si mesmo e instala defesas que posteriormente serão materializadas em anormalidades em favor da preservação do ego. Essas proteções criadas pelo Ego consistem em distorções da realidade e negações inconscientes.

Diagnóstico e tratamento

Ao longo prazo, os fatores que o indivíduo reprime por meio das distorções e negações podem levá-lo à doenças e a mais comum, nesses casos, é a depressão e essa análise nos leva à luz do conhecimento de que para o diagnóstico e tratamento da depressão, deve-se considerar os fatores ansiosos que permeia o indivíduo, bem como as suas causas.

É importante que os psicanalistas conheçam os transtornos mais comuns associados à ansiedade presentes na literatura e também na Classificação Internacional de Doenças (DIC-10) que são: Transtorno de Ansiedade generalizada (TAG) – Uma ansiedade ampla, preocupação constante, agitação e dificuldade de concentração; Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) – Caracteriza-se por pensamentos e medos irracionais, obsessões, que levam a comportamentos compulsivos.

Fobias específicas – Consiste em medo e ansiedade diante de situação ou objeto em particular; Fobia social – Medo excessivo de situações em que haja julgamentos, preocupação em ser constrangido ou humilhado e receio de estar ofendendo alguém. Agorafobia – medo de lugares e situações que possam causar sensação de pânico, aprisionamento, impotência. Transtorno do pânico – Episódios de crises de ansiedade repentina e intensa com forte sensação de medo ou mal-estar, acompanhadas de sintomas físicos.

Considerações finais

O Ministério da Saúde catalogou que 86,5% dos entrevistados em um grupo de mais de 17 mil pessoas estão enquadrados em algum tipo de ansiedade patológica. É um dado alarmante mas ao mesmo tempo sabemos que é reversível quando devidamente orientado e tratado.

QUERO INFORMAÇÕES PARA ME INSCREVER NA FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Antes da pandemia do Coronavírus, que chegou ao Brasil em meados do mês de fevereiro de 2020, já eram mais de 19 milhões de brasileiros e brasileiras com a qualidade de vida em situação instável com a ansiedade e esse número teve aumento no cenário pandêmico e está relacionado à outras comorbidades.

    Leia Também:  Qual a diferença entre depressão e ansiedade

    O diagnóstico e instalação de tratamento tanto da ansiedade quanto para os variados tipos de transtorno de ansiedade são importantes para a manutenção e recuperação da saúde mental de cada indivíduo acometido, pois tais enfermidades impedem que o indivíduo desenvolva o seu potencial intelectual e consequente desenvolvimento do potencial coletivo de toda a sociedade.

    O presente artigo foi escrito por Alana Carvalho([email protected]). Estudante de Psicanálise Clínica. Trabalha como terapeuta Reikiana (Espaço Reikiano Alana Carvalho) e o curso de Psicanálise está expandindo seus horizontes e a ajudando com o processo de autoconhecimento.

    3 thoughts on “Ansiedade para a psicanálise: visão de Freud e conceitos atuais

    1. Mizael Carvalho disse:

      Muito bom artigo! Ansiedade, o começo das doenças…

    2. Anunciou e não falou do tratamento.
      Artigo incompleto.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *