Completo de Electra

Complexo de Electra: o que é, qual seu funcionamento

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

Antes de entrarmos no tema principal deste artigo, sobre o que é o Complexo de Electra, seu funcionamento e suas consequências, acho importante conhecermos os conceitos de feminilidade e o Complexo de Édipo para a Psicanálise.

Complexo de Electra e o que é ser mulher para a psicanálise

Para Freud e Lacan explicar e dar um lugar a feminilidade na psicanálise sempre foi um desafio. Quando Lacan fala: “A mulher não existe.” É porque não há uma palavra, uma performance, um nome que define mulher, todas são castradas. Ela não tem uma imagem totalitária de exclusividade. A lógica do feminino é, em essência a lógica da diversidade, portanto a lógica inexplicável. E é, por isso que Lacan fala que ela não existe.

Como pode um “negócio” que não tem certo ou errado, ser quem você quiser, isso não pode. Um pouco sobre complexo de Édipo Para falarmos sobre o Complexo de Electra é importante também conhecer o Complexo de Édipo.

Quem foi Electra na mitologia grega

Na Psicanálise o Complexo de Édipo é um conceito que usamos para explicar como funcionam a relação entre filho e pai. Foi descrita por Sigmund Freud, conhecido como o pai da psicanálise. Até hoje é usado na área de Psicologia, mostra que as crianças necessitam se completar em afetos que encontram em outras pessoas, como os pais. Explica que o primeiro amor de um menino é sua mãe e, ele cria uma competição e rivalidade com o pai para que a mãe seja somente dele.

Resumidamente Electra, para a mitologia grega foi a filha de Agamemnon, que foi morto pelo amante de sua esposa. Anos após a morte de Agamemnon, a jovem Electra com ajuda de seu irmão, Orestes, decide planejar um plano terrível para vingar a morte e defender a honra de seu pai, no qual tinha um imenso sentimento de adoração, admiração e do qual sentia muita falta. Com isso, acaba matando cruelmente sua mãe e o amante dela.

O que é e, como acontece Complexo Electra

O Complexo de Electra também chamado por alguns de “Complexo do Édipo Feminino”, termo utilizado pelo psicanalista e psicoterapeuta Carl Gustav Jung para o que seria forma de expressar o inconsciente dos afetos da menina o desejo livre pelo pai.

E, a mãe como sua concorrente ou adversária. A diferença entre os complexos de Édipo e Electra são os personagens, enquanto no Complexo de Édipo é o menino quem deseja a mãe, no Complexo de Electra, a menina tem uma relação de “amor e ódio” tão complexa com a mãe que chega ao ponto de desejar excluí-la para que o pai seja somente dela. Acontece geralmente entre os três a seis anos da menina (podemos ver por aí algumas divergências quanto a faixa de idade exata). É um momento de intenso conflito, onde ela vai identificando que já não é mais o centro das atenções.

Sigmund Freud recusou a ideia de Jung sobre um Complexo de Electra. Freud preferia conceber que o Édipo se aplicava tanto para meninos quanto para meninas.

Percebe que apesar de receber amor e carinho dos pais, também sente raiva e frustração, ao ser reprimida ou por atitudes e comportamentos considerados inapropriados perante a sociedade. É possível observar algumas mudanças de comportamento nas meninas, durante essa fase, como: conflitos constantes com a mãe, preferência repentina e exagerada pelo pai, busca exacerbada da aprovação do pai, a menina passa a viver os conflitos de casal dos pais como os próprios, sempre se posiciona em defesa do pai, sente ciúmes do pai com a mãe ou com qualquer outra mulher, cria uma dependência com o pai (exemplo: só o pai sabe fazer a mamadeira ou dar banho).

Complexo de Electra tardio

Obviamente, cada ser é único e, deve ser observado em suas especificidades. Essa etapa costuma terminar quando a menina tem entre 6 e 7 anos de idade, que é quando elas voltam a querer estar perto e a se identificar com a mãe, tendem a imitar e ter curiosidades pelos trejeitos e comportamentos femininos que a mãe demonstra no dia-a-dia. É importante ressaltar que pode parecer para muitas pessoas algo estranho ou preocupante esse excesso de amor com o pai e implicância com a mãe. Mas, para a Psicanálise esse processo é extremamente normal e natural. Podendo-se dizer que é esperado durante o desenvolvimento psicossexual e psicológico de uma menina.

Leia Também:  O que é Entrevista psicanalítica?

Quando a rivalidade com a mãe e a predileção exagerada pelo pai não diminuem e se estendem até a juventude ou fase adulta, pode se tratar como chamamos na Psicanálise de um “Complexo de Electra tardio ou mal resolvido”. Mas é preciso saber que existem as consequências deixadas em casos de complexo de Electra tardio. É comum que já na fase adulta, que mulheres deixem de viver seus sonhos e seus desejos reais para buscar eternamente a aprovação do pai, até mesmo em decisões que só dizem respeito a vida dela. Há sempre uma necessidade de agradar o pai.

Por não superarem esses comportamentos na fase correta, da infância, elas muitas vezes acabam em buscam de relacionamentos que a remetam a relação e imagem paterna, como com um homem mais velho, que tenha personalidade e imagem que lembrem de seu próprio pai.

Conclusão sobre o Complexo de Electra

Nesse mesmo sentido, vemos como consequência também a busca por um relacionamento amoroso entre filha e pai, com isso essas mulheres acabam sempre caindo em relações abusivas, submissas, dependentes emocionalmente do homem com o qual escolhe viver. É um caminho que sempre gera na mulher dependência seja emocional ou financeira.

Sempre gera prejuízos para mulher, pois ela se coloca como objeto em uma relação, onde ela esta sempre ali para servir e agradar e, acaba assim se anulando, se diminuindo para atender expectativas sociais esperada e, consideradas corretas. Estabelecer limites, papéis claros dentro da família.

É importante que se entenda que não é algo que a menina faz de forma consciente então não deve ser castigada pela preferência pelo pai ou seja impedida de demonstrar esse amor por ele. É preciso estar atenta aos sinais e, procurar ajuda ao identificar este comportamento após a idade considerada aceitável.

O presente artigo sobre o Complexo de Electra foi escrito por Pamella Gualter ([email protected]com). Estudante de Psicopedagogia e Psicanálise. Amo descobrir e conhecer como funciona a mente humana para a partir disso junto com o indivíduo chegarmos a um equilíbrio entre o que se é e, o que precisa ser para a sociedade.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    4 thoughts on “Complexo de Electra: o que é, qual seu funcionamento

      1. Obrigada Mizael, somente hoje vi seu comentário.
        Fico feliz que tenha gostado, tenho adorado tentar explicar de uma forma mais básica e menos rebuscada conceitos que acho básicos para Psicanálise.

      1. Obrigada Yamal, somente hoje vi seu comentário.
        Fico feliz que tenha gostado, tenho adorado tentar explicar de uma forma mais básica e menos rebuscada conceitos que acho básicos para Psicanálise.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.