dinâmica com crianças

4 dicas de dinâmica com crianças: em casa e na escola

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

Não é fácil lidar com crianças, por mais que você seja um excelente professor ou o melhor dos pais. Há momentos em que é preciso contornar situações embaraçosas com muito jogo de cintura! Caso você esteja passando por problemas de comportamento com seus filhos ou alunos, o texto de hoje pode lhe ser útil. Confira 4 tipos de dinâmica com crianças para usar em casa, na escola ou até na rua.

4 tipos de dinâmica com crianças que vão te ajudar a sair de apuros com seus filhos ou alunos

Dinâmica para quando uma criança machuca ou xinga a outra

Se você é pai ou mãe, é possível que já tenha morrido de vergonha ao descobrir que seu filho bateu em outra criança. Geralmente essa situação não é nada fácil, já que é você que recebe os insultos e reclamações dos responsáveis pela criança machucada. Não é todo pai que entende que as crianças estão aprendendo a interagir e que a agressividade pode se manifestar em alguns momentos.

No entanto, sabemos que muitas vezes são os pais que ensinam a criança a agredir. Recebemos com choque a notícia já antiga de que um homem ensinou o filho a bater no colega em um jogo simples de futebol. Se você é pai ou mãe e está acostumado a achar que conseguirá resolver problemas por meio da agressão, saiba que não vamos direcionar a discussão por esse caminho. A dinâmica com criança que ensinaremos deriva de uma abordagem não violenta.

Achamos importante deixar isso claro por saber que muitos pais lidam com a agressividade da criança com mais agressividade. Quem nunca viu a seguinte ameaça “quando a gente chegar em casa você vai ver o que ganha por bater nos outros”. Essa frase quase sempre se refere à surra que o pequeno vai receber para que aprenda a não ser violento. A pergunta que fica é: como esse aprendizado vai chegar, já que está fazendo a mesma coisa?

Dinâmica com criança agressiva (sem violência)

Ao lidar com um episódio de agressão, tenha a certeza de que precisará de sensibilidade e cabeça fria para contornar várias coisas. No entanto, a mais importante delas é ensinar seu filho que bater é errado. Isso se faz com conversa e não com uma surra, como já dissemos várias vezes. Toda vez que essa criança bater em você (pai ou professor), algum parente ou amiguinho, abaixe-se para ficar no mesmo nível que ela.

Você irá dizer que bater não é correto. Caso ela continue insistindo na atitude agressiva, corte a conversa e diga que só irá voltar a falar com ela quando a criança parar de bater. Uma vez que isso for feito, continue repetindo o mesmo discurso até que não seja mais necessário. Quanto aos pais e à criança machucada, será necessário que você peça desculpas formais pelo comportamento da criança. É importante também fazer a criança pedir desculpas.

Tudo isso faz parte do processo de entender que esse tipo de ação agressiva tem consequências. Se toda vez que a criança bater ela tiver de escutar um grande discurso e pedir desculpas, ela vai parar. Nesse contexto, ainda devemos ressaltar que a ação é que foi agressiva, não a criança. Em hipótese alguma rotule seu filho ou aluno como alguém agressivo e mal, pois esse tipo de discurso causa feridas difíceis de tratar até mesmo na vida adulta.

Leia Também:  Pessoa de espírito livre: 12 características

Dinâmica para quando a criança se dirige rudemente aos pais, alunos ou pessoas mais velhas

Resolver episódios de agressão é difícil, mas lidar com uma criança que está acostumada a responder é de tirar qualquer um do sério. O pior é que, nesse caso, é muito difícil que aquele pequeno indivíduo não seja rotulado na escola ou na família como alguém respondão. Nesse contexto, e preciso ter sabedoria para não perder a própria paciência e intervir na maneira como seu filho lida com outras pessoas.

Aqui a dinâmica com criança que responde exige muita atenção. Isso porque você deve estar atento ao que seu filho ou aluno diz para você e para outras pessoas. Essa é a etapa em que há a identificação do comportamento inadequado. Uma vez que você tenha feito isso, é importante conversar com a criança e explicar para ela que aquele jeito de falar com as pessoas é impróprio. 

Ademais, é imprescindível avisar que cada comportamento tem suas próprias consequências. Foi o que indicamos para o comportamento violento e seguimos com essa abordagem agora. Uma vez que a criança tenha em mente o que é errado e o que ela receberá por fazer o errado, é normal que ela pare de responder. Muitas vezes ela está apenas repetindo a maneira com que um coleguinha fala.

Dinâmica para quando a criança faz birra

Já tratamos de dois comportamentos infantis que são super difíceis: a agressividade física e agressividade verbal. No entanto, há que se considerar ainda a birra. É até difícil definir o que seja a tal da birra, sabia? Há pais que consideram ser aquele choro nervoso e sem fim nos piores momentos. Por outro lado, tem criança que resolve ficar grudenta e não deixa ninguém fazer nada ao longo do dia. O famoso “bicão” de desagrado também faz parte.

Assim, fica evidente que os comportamentos que indicam a birra são bem variados. Por isso mesmo é que é muito importante que o pai ou professor conheça bem a criança. Enquanto muitas coisas sugerem que ela esteja sendo birrenta, é possível que ela não esteja também. E se não for birra? Muitos pais acabam sendo severos e castigando ou até mesmo batendo na criança por uma falha de interpretação.

Dinâmica com criança que faz birras variadas

Diante disso, é importante ter noção do que está motivando o comportamento do seu filho. Quando não há motivo, você pode enquadrar na birra, mas deve ser cuidadoso no tratamento. Em caso de escândalo em lugares públicos, não hesite em deixar a criança chorosa para trás. Ela não terá escolha a não ser te seguir, mas se você é permissivo, ela sabe que vai voltar. Assim, tome uma decisão e se mantenha a ela. Saia andando e não volte.

Por outro lado, se a birra for grude e a criança chora quando você tenta seguir com o dia, converse. Explique para a criança que você está ocupado e diga quando você poderá passar tempo com ela. Contudo, caso ela sinta a sua falta por você trabalhar demais, o comportamento tem motivo. Se for o caso, é você que precisa melhorar como pai a fim de sanar as necessidades de sua criança.

Esse é um problema que torna a vida de um professor mais difícil também. Se a criança está carente, imagina o que o professor tem que passar ao cuidar de mais de 10 indivíduos. Não dá para atribuir o papel de ser pai para um educador. Caso você, leitor, cuide de uma criança que faz a birra por carência, converse com os pais e com a criança. Sua ação tem limites e é importante deixá-los claros.


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.


Dinâmica para quando a criança está passando por um momento difícil

A dinâmica que funciona para lidar com crianças que estão enfrentando mais do que deveriam na verdade envolve uma decisão. Estamos falando aqui de levar a criança para passar por um processo de terapia. Crianças que perderam pais, irmãos, foram abusadas ou sofreram traumas precisam de ajuda para processar o que aconteceu. Assim, muito dificilmente apenas a intervenção de parentes ou da escola poderá ajudar.

Leia Também:  Como acalmar o nervosismo? 15 ideias que vão lhe ajudar

Considerações finais sobre dinâmica com crianças

Tendo esse último ponto em vista, a dinâmica com crianças sofredoras requer conhecimento que extrapola os limites da pedagogia. Além disso, poucos pais têm o necessário para ajudar a criança a se recuperar e crescer com saúde física e mental. Nesse contexto, recomendamos a terapia e também nosso curso de Psicanálise Clínica 100% online a fim de aperfeiçoar seu trabalho como pai ou professor. Matricule-se já!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =