Lacan

Lacan: vida, obra e diferenças com Freud

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Trabalhando nos recônditos pouco definidos da mente humana, Jacques Lacan desencadeou uma onda, por vezes controversa, no mundo da psicanálise. De modo pouco ortodoxo, revolucionou e conduziu estudos na área e se tornou uma referência, tendo influenciado outros pensadores de seu tempo.

Origem

Nascido em Paris no despertar do século XX, Jacques-Marie Émile Lacan, o mais velho entre três irmãos, encontrou as melhores condições de vida possíveis desde o nascimento. Sua família navegava num rio próspero financeiramente, graças ao trabalho como comerciantes de tecidos e algumas variações em alimentos. Tais atividades galgaram a família num excelente posto de classe econômica.

Entretanto, em detrimento da prosperidade econômica, a família carregava conflitos de ordem estrutural e principalmente religiosa. A avó de Jacques, Marie Julie, fora criada sob preceitos rígidos da igreja católica e subvertia o marido Émile às vontades dela. Não o bastante, tentava regrar a vida do filho, Alfred, pai de Jacques, mas isso acendia uma chama de conflito entre ela e a nora, que demonstrava incômodo com a situação na mesma altura do autoritarismo da sogra.

Estudando em colégio guiado pelo catolicismo, chamou atenção por desenvolver-se rapidamente no ensino e trilhou os primeiros degraus em sua extensa jornada acadêmica. Ainda na adolescência, em meio ao estopim da Primeira Guerra Mundial, se destacava dos demais por seus pensamentos críticos ao mundo. Foi nesse interim que encontrou o trabalho do filósofo Baruch Espinoza, que reverberaria em seu futuro como psicanalista.

Trabalho

Contrariando o pai, iniciou os estudos no curso de Medicina por volta dos 19 anos de idade. Enquanto estudava os mecanismos da mente atuando no corpo na Neurologia, se dedicava à literatura e filosofia. Isso o aproximava ainda mais de suas tendências surrealistas.

Devemos nos ater ao encaixe disso. O movimento surrealista visa a exploração de planos pouco compreensíveis e explorados: o inconsciente, o abstrato, o irregular. Lacan, como psicanalista, encontra um canal pelo canal o seu trabalho flui naturalmente.

Vida pessoal

Criados numa casa rompido pelas amarras cristãs, Lacan e seus dois irmãos seguiram caminhos próprios e se afastaram da família. Enquanto sua irmã Madeleine Marie Emmanuelle casaria com seu primo e montaria residência em um país distante, sou irmão caçula Marc Marie ingressaria na rota religiosa, tornando-se um monge beneditino e passaria a se chamar François. Lacan conheceu Marie-Louise Blondin, tendo três filhos com ela: Caroline (1937), Thibault (1939) e Sybille.

Ainda casado, entrou em contato com a atriz Sylvia Bataille. Enquanto Marie-Louise proporcionava um pacato posto como marido e pai de família, Sylvia o tirava da zona de conforto. Aceitando Lacan como ele é, era a chave para que o psicanalista aproveitasse de um lado menos rígido e mais divertido da vida: as noites na burguesia francesa. O casamento com Marie se dissolveu quando o próprio expôs o caso com Sylvia, nascendo mais uma filha chamada Judith.

Comparações

Devido à influência e o resgate do trabalho de Freud em sua obra, Lacan é frequentemente comparado ao seu predecessor. Ainda que trabalhem de maneira complexa, é possível identificar as nuances de cada pensador.

Segundo Freud, o homem responde a sua consciência através dos seus desejos. Já Lacan afirma que temos que decidir sobre o indeciso.

Freud elabora a teoria de introjeção: a absorção das qualidades de outras pessoas.

Lacam ensinava unicamente falando

Uma das características mais marcantes de Lacan era o seu ensinamento feito de forma oral. Em vida, publicou apenas um livro, intitulado Escritos, que contém suas reflexões em forma de artigos, estruturais para a psicanálise. Devido a esse comportamento, discípulos e admiradores transcreveram suas palestras em seminários. Nesse contexto, são quase trinta arquivos que servem de pilares à psicanálise moderna.

Características do trabalho de Lacan

Ainda que trabalhasse de forma complexa, Lacan mantinha certos aspectos em seu modo de trabalho. Seu movimento tornou-se referência pela linguagem abrangente e difícil, por vezes, de ser interpretada.

Vocabulário: adota outro caminho para expor as suas ideias, diferenciando-se da linguagem usada por Freud. Ele dá poder ao uso da palavra.

Insatisfação gera a busca: o psicanalista afirma que “toda produção excessiva de conhecimento é o produto de alguém que está na posição de não sustentar nenhum saber”.

O Outro é real: o trabalho é pautado no argumento de que o inconsciente se encontra com o consciente em algum momento. O Outro é um lugar específico, inverso, que nos faz enxergar a nós mesmos. Ao mesmo tempo em que nos reconhecemos nele, o estranhamos.

O valor da linguagem: o pensador primava pela função da palavra inserida e conduzida pela linguagem.

Abordagem flexível: o Lacanismo trabalha de maneira não dogmática, não se prendendo a qualquer padrão de ensinamento.

Atendimento: enquanto a maioria dos psicanalistas trabalhava sob o sistema que estamos acostumados atualmente, entre 40 minutos e uma hora, o criador do Lacanismo desenvolveu um sistema menos crítico. Há relatos onde as sessões duravam poucos minutos, o que escandalizava outros profissionais e pensadores da época.


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ


O inconsciente é estruturado como uma linguagem

“A verdadeira diferença entre uma ideia inconsciente e uma ideia pré-consciente ⸺ um pensamento ⸺ consiste em que o material da primeira permanece oculto, ao passo que a segunda se mostra envolta com representações verbais… Estas representações verbais são restos mnêmicos”.

Trabalhando e complementando essa citação de Freud, concluímos que a parte obscura da mente também está à mostra. O inconsciente de Lacan também está configurado na linguagem, se manifestando através da fala do indivíduo. Ademais, a linguagem propriamente dita revela o que não é visível aos olhos, como gestos, comportamentos e vontades.

Lacanismo

O objetivo básico do Lacanismo é entender o que aflige uma pessoa. O psicanalista pouco intervém durante o desabafo do paciente, evitando comentários elaborados que possam distrair o inconsciente dessa pessoa enquanto ela está trabalhando. Ainda trabalhando sob o poder da palavra, o profissional ouve o que é dito e o que não é.

A controvérsia se mostrou uma característica inerente para Lacan. Desde a infância, desafiava padrões físicos e comportamentais, mas sempre se sobressaindo, carregando um pensamento crítico, provocador e desafiador. Era capaz de tirar qualquer pessoa da zona de conforto. Graças a ele, a psicanálise ganhou roupagem nova, revolucionando padrões de pensamento e influenciando outros pensadores.

Outra característica que define o seu trabalho é enxergar além do óbvio. Os ensinamentos do Lacanismo atingem os objetivos através do uso certeiro das palavras, enxergando as entrelinhas de cada pensamento e traduzindo isso de forma oral. Notavelmente, como dito algumas linhas acima, escreveu oficialmente apenas um livro, tendo seus ensinamentos transcritos por admiradores em rica coletânea.

Puxando o gancho da palavra, se gostou do artigo e quer descobrir mais, fala conosco e conheça os nossos cursos. Alimentados pela curiosidade, trabalhamos de forma dinâmica, fornecendo abordagens mais criativas durante as aulas, aguçando a visão do aluno para o mundo que nos cerca.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!
  •  
  •  

5 thoughts on “Lacan: vida, obra e diferenças com Freud

  1. Sensacional. Ótimo texto acima. Lacan é incrível, embora eu tenha me encantado me dedicado a Jung e a Freud. A teoria de Freud tem me feito analisar e muito, o meu inconsciente e tentado com isto decifra-lo de maneira pessoal.
    Hoje em dia penso que a hora de dormir é hora de acordar o intercâmbio com a corda bamba mental. Misteriosas informações acompanhadas de situações banais e rotinas embaralhadas. Angustias antecipadas, enigmas para seres desvendados. A loucura de se encontrar a lucidez. Um lugar no escuro que não completa ninguém. Eis o inconsciente.
    Maria Assunção Oliveira Quintanilha , estudante do curso psicanálise clinica.

    1. Gratidão pelas suas palavras, Maria, foram bastante pertinentes. Equipe Psicanálise Clínica.

  2. Estou iniciando meu curso de psicanálise. Pois desde criança tenho paixão por desvendar a mente humana. Quero aprender com Freund, Jung, Lacan e outros, os ¨mistérios¨da mente consciente e inconsciente e me descobrir cada vez mais, e me sentir livre e poder libertar os que sofrem através da interpretação da fala, gestos e comportamentos. Gratidão.

    1. Prezada Simone, parabéns pela sua decisão de estudos, que certamente irá atender ao seu desejo pelo conhecimento, autoconhecimento e em ter mais fundamentos para ajudar outras pessoas. Equipe Psicanálise Clínica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − oito =